O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player


O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

 

Demissões


 

Divulgação

O consórcio reiterou que os direitos dos trabalhadores da Usina serão respeitados.

Consórcio de Santo Antônio já começou a demitir

Brasília - O consórcio construtor da usina hidrelétrica de Santo Antônio já começou a demitir os trabalhadores que atuam no canteiro de obras. De acordo com as empresas que integram o consórcio, cem operários foram dispensados ontem (1º), e o plano é manter essa média ao longo dos próximos dias. Cerca de 9 mil pessoas trabalham na obra. O consórcio reiterou que os direitos dos trabalhadores serão respeitados.

No dia 23 de agosto, a Santo Antônio Energia informou o consórcio que não possui recursos para pagar o custo das obras da usina. Não foi a primeira vez que a concessionária deixou de pagar suas despesas com a obra, problema que tem ocorrido com mais frequência neste ano. Por essa razão, as empresas que integram o consórcio decidiram paralisar as obras e iniciar um plano de desmobilização dos funcionários.

O consórcio tem como empreiteiras a Odebrecht e a Andrade Gutierrez, além das empresas Alstom, Bardella, Voith Siemens, Andritz e Areva, que fornecem equipamentos para a usina. Ao mesmo tempo, as duas empreiteiras são sócias da concessionária que vai explorar a usina pelos próximos 30 anos. Especula-se que a paralisação das obras seja uma forma de pressionar o governo a uma solução para a usina (AE).

 

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

 



Jornal Empresas & Negócios
Rua Boa Vista, 84 - 9º andar - cj. 909
01014-000 - Centro - São Paulo - SP
Tel.: (11) 3106-4171 Fax: (11) 3107-2570

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player