O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player


O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

 

Economia


 

 

 

Crédito contribuiu para crescimento menor do consumo das famílias

Rio - O freio no crédito contribuiu para o crescimento menor do consumo das famílias em 2014, segundo Rebeca Palis, coordenadora das Contas Nacionais no IBGE. Ela ressaltou que, embora a massa salarial real tenha aumentado 4,1% em 2014, não houve crescimento real no crédito. O consumo das famílias diminuiu o ritmo de alta para 0,9% no ano passado, após ter crescido a 2,9% em 2013; 3,9% em 2012; 4,8% em 2011; e 6,4% em 2010.

“A massa salarial continua crescendo.
Mas, por outro lado, o crédito específico para Pessoa Física teve crescimento nominal de 5,8%, então, se você olhar pelo IPCA, o crédito não está mais crescendo em termo real”, justificou Rebeca. O saldo de operações de crédito no sistema financeiro nacional para pessoas físicas teve crescimento nominal de 5,8% em 2014. No mesmo período, a inflação oficial medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), acumulou alta de 6,41%.

Os serviços mais relacionados à indústria foram os que tiveram pior desempenho no ano passado, segundo Rebeca. O PIB de Serviços cresceu 0,7% em 2014, com destaque para os avanços em serviços de informação (4,6%), atividades imobiliárias (3,3%) e transporte, armazenagem e correio (2,0%). Também tiveram expansão administração, saúde e educação públicas (0,5%), intermediação financeira e seguros (0,4%) e outros serviços (0,1%).

Na direção oposta, o comércio atacadista e varejista teve um recuo de 1,8%. “Esse comércio que está puxando para baixo foi mais o atacadista, principalmente, porque está ligado à indústria. Em 2014, os serviços mais relacionados com a indústria foram os que tiveram desempenho pior, isso é claro”, apontou Rebeca. Apesar do avanço nos serviços de transporte no ano, a pesquisadora ressaltou que o transporte de carga não teve desempenho tão satisfatório quanto o de passageiros (AE).

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

 



Jornal Empresas & Negócios
Rua Boa Vista, 84 - 9º andar - cj. 909
01014-000 - Centro - São Paulo - SP
Tel.: (11) 3106-4171 Fax: (11) 3107-2570

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player