Subutilização da força de trabalho atinge 27,6 milhões no Brasil

A taxa de subutilização da força de trabalho no Brasil encerrou o segundo trimestre do ano em 24,6%, o equivalente a 27,6 milhões de pessoas que se encontram desocupadas e subocupadas por insuficiência de horas, além da força de trabalho potencial. As informações constam da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad Contínua), divulgada ontem (16), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Subutilizacao temprorio

Foto: Arquivo/ABr

País tem hoje 27,6 milhões de pessoas desocupadas e subocupadas por insuficiência de horas, além da força de trabalho potencial.

Nielmar de Oliveira/Agência Brasil

Estabilidade
Segundo o instituto, o resultado ficou estatisticamente estável em relação ao primeiro trimestre do ano, quando o percentual foi de 24,7%, mas registrando alta em relação aos 23,8% da taxa de subutilização da força de trabalho do segundo trimestre do ano passado. As maiores taxas de subutilização foram verificadas no Piauí (40,6%), Maranhão (39,7%) e Bahia (39,7%), enquanto as menores ocorreram em Santa Catarina (10,9%), Rio Grande do Sul (15,2%) e Rondônia (15,5%).

Já as maiores taxas de desocupação no segundo trimestre do ano foram anotadas no Amapá (21,3), Alagoas (17,3%), Pernambuco (16,9%), Sergipe (16,8%) e Bahia (16,5%). As menores taxas ficaram em Santa Catarina (6,5%), Mato Grosso do Sul (7,6%), Rio Grande do Sul (8,3%) e Mato Grosso (8,5%). No Brasil, a taxa de desocupação foi de 12,4%.


Taxa combinada de subocupação
Pelos critérios adotados pelo IBGE, a taxa combinada de subocupação por insuficiência de horas trabalhadas e desocupação (pessoas ocupadas com uma jornada de menos de 40 horas semanais, mas que gostariam de trabalhar em um período maior, somada às pessoas desocupadas) foi de 18,7% no segundo trimestre do ano, o que representa 6,5 milhões de trabalhadores subocupados por insuficiência de horas trabalhadas e 13 milhões de desocupados.

Já a taxa combinada da desocupação e da força de trabalho potencial, que abrange desocupados e pessoas que gostariam de trabalhar, mas não procuraram trabalho, ou que procuraram, mas não estavam disponíveis para trabalhar (força de trabalho potencial), foi de 18,8% no segundo trimestre de 2018, o que representa 21,1 milhões de pessoas.


Contingente de desalentados é recorde
Os dados da Pnad Contínua do segundo trimestre indicam que o total de trabalhadores desalentados fechou o período abril a junho em 4,8 milhões de pessoas de 14 anos ou mais de idade, valor superior ao do primeiro trimestre, quando havia 4,6 milhões de trabalhadores nessas condições; e ao segundo trimestre do ano passado, quando os desalentados eram 4 milhões de pessoas. Segundo o IBGE, o número é recorde porque esse foi o maior contingente de desalentados da série histórica da Pnad Contínua, que começou em 2012.

Para o IBGE, a população desalentada é definida como “aquela que estava fora da força de trabalho porque não conseguiu trabalho adequado ou não tinha experiência ou qualificação, ou era considerada muito jovem ou idosa, ou não havia trabalho na localidade em que residia – e que, se tivesse conseguido trabalho, estaria disponível para assumir a vaga. Ela faz parte da força de trabalho potencial”.

Os números indicam que o percentual de pessoas desalentadas (em relação à população na força de trabalho ou desalentada) no segundo trimestre de 2018 ficou em 4,4%, também o maior da série histórica.

site desemprego marcos sabntos temprorio

Foto: Marcos Santos/USP Imagens

O total de trabalhadores desalentados fechou o período abril a junho em 4,8 milhões de pessoas de 14 anos ou mais de idade, valor superior ao do primeiro trimestre, quando havia 4,6 milhões de trabalhadores nessas condições.

Alagoas, com 16,6%, e Maranhão, 16,2%, apresentaram a maior taxa de desalento e Rio de Janeiro, com 1,2% e Santa Catarina, com 0,7%, a menor.


Trabalho com carteira assinada
Outra constatação da pesquisa é que a população ocupada no segundo trimestre do ano somava 91,2 milhões de pessoas, das quais 67,6% integravam o contingente de empregados (incluindo domésticos), 4,8% eram empregadores, 25,3% pessoas que trabalharam por conta própria e 2,3% eram trabalhadores familiares auxiliares. As regiões Norte, com 31,7%, e Nordeste, com 28,9% apresentaram os maiores percentuais de trabalhadores por conta própria.

A pesquisa constatou, ainda, que o percentual de trabalhadores com carteira assinada continua em queda, o que significa que o trabalho informal contínua sendo a principal válvula de escape para quem não consegue um trabalho formal. Os dados do estudo indicam que, no segundo trimestre, 74,9% dos empregados no setor privado tinham carteira de trabalho assinada, uma queda de 0,9 ponto percentual em relação ao segundo trimestre do ano passado.

O maior percentual de empregados com carteira estava na Região Sul, onde 82,9% das pessoas tinham carteira assinada, e o menor estava no Nordeste (59,9%). Em relação aos estados, os maiores percentuais de carteira assinada foram registrados em Santa Catarina (88,4%), Rio de Janeiro (82,3%) e Rio Grande do Sul (82,0%). Já os menores percentuais estavam no Maranhão (50,2%), Pará (55,4%) e Paraíba (55,9%). Entre os trabalhadores domésticos, 29,4% tinham carteira de trabalho assinada. No segundo trimestre do ano passado esta proporção era de 30,6%.


Mulheres têm menor nível de ocupação
A Pnad Contínua revelou, também, que, no segundo trimestre do ano, embora as mulheres fossem maioria entre a população em idade de trabalhar, com 52,4% da força de trabalho em potencial, eram os homens que predominavam entre as pessoas ocupadas em todas as regiões do país, com 56,3% do total – percentual que era ainda maior no Norte, onde os homens representavam 60,2% da força de trabalho.

O nível da ocupação dos homens no Brasil foi de 63,6% e o das mulheres de 44,8% no segundo trimestre. Este comportamento diferenciado do indicador entre homens e mulheres foi verificado nas cinco grandes regiões, com destaque para a Norte, onde a diferença entre homens e mulheres foi a maior (22,6 pontos percentuais), e para o Sudeste, com a menor diferença (18,0 pontos percentuais).


Rendimento médio
No segundo trimestre de 2018, o rendimento médio real de todos os trabalhos, habitualmente recebido por mês, pelas pessoas de 14 anos ou mais de idade, ocupadas na semana de referência, com rendimento de trabalho, foi estimado em R$ 2.198. Ainda segundo a pesquisa, houve estabilidade tanto em relação ao trimestre imediatamente anterior (R$ 2.192) como em relação ao mesmo trimestre do ano anterior (R$ 2.174).

Mais artigos...

  1. Ofensiva contra o lixo: país se engaja em debate sobre a coleta seletiva
  2. Seis em cada dez crianças no Brasil vivem na pobreza, diz Unicef
  3. Manifestações afros são incorporadas à cultura sem valorização dos negros
  4. Ruy Barbosa desafiou elite e fez 1a campanha eleitoral moderna
  5. Sarampo: especialista alerta sobre a importância da vacinação
  6. Casos de suicídio motivam debate sobre saúde mental nas universidades
  7. Mortes de presos aumentam 10 vezes em quase vinte anos no Rio
  8. Petróleo, combustíveis e Refis reforçam receitas da União este ano
  9. Mulheres que fizeram aborto relatam momentos de medo e desespero
  10. Supremo Tribunal Federal debate hoje a descriminalização do aborto
  11. 44% dos empresários do varejo e de serviços estão otimistas com economia para o segundo semestre
  12. Ecossistemas tropicais abrigam mais de três quartos das espécies de plantas e animais
  13. Metade dos docentes no país não recomenda a própria profissão
  14. Projeto cria regras para proteger dados pessoais
  15. Censo mostra aumento da área destinada à agricultura no país
  16. População brasileira deve chegar a 233,2 milhões em 2047, diz IBGE
  17. Construtoras acreditam em multa maior por distrato; Procons condenam
  18. Museu Paulista e Sesc Ipiranga apresentam “Papéis Efêmeros”
  19. Radiografia do ativismo indica revitalização do papel político das cidades
  20. Canecão foi referência para música brasileira e revelou grandes nomes
  21. Saúde alerta que as baixas coberturas vacinais acendem a luz vermelha
  22. Em minoria, mulheres buscam liderar negócios de inovação e tecnologia
  23. Lei de proteção de dados vai mudar cotidiano de cidadãos e empresas
  24. Estudo destaca papel central da música nos ritos de incorporação da Umbanda
  25. Cientistas vão treinar robôs para identificação automática de plantas
  26. Combate a Lampião quase entrou na Constituição de 1934
  27. Estudo aponta 30 profissões que estão surgindo com a indústria 4.0
  28. Na era Trump, imigrantes buscam espaço na política dos Estados Unidos
  29. Acompanhar tramitação de lei ainda é desafio
  30. O maravilhoso universo das plantas e a força dos nutrientes
  31. Junho deixou sementes de participação popular
  32. Número de brasileiros em áreas de risco passa de 8 milhões, diz IBGE
  33. Vida verde: benefícios do vegetarianismo e veganismo à saúde atraem cada vez mais brasileiros
  34. Uso de energia solar no campo cresce com usinas flutuantes
  35. Vinho é a bebida alcoólica preferida dos brasileiros na melhor idade, aponta pesquisa
  36. Músicos amadores criam grupos para reviver antigos sambas esquecidos
  37. Projetos buscam evitar tragédias como o desabamento de edifício em São Paulo
  38. Quilombo a 50 km de Brasília luta para manter território e identidade
  39. Lei Seca soma dados positivos após 10 anos, mas levanta questões
  40. Junho aumenta riscos de acidente com fogos e balões
  41. Dom Pedro I criou Supremo Tribunal com poderes esvaziados
  42. "Sem solução, quem matou terá carta branca", diz pai de Marielle
  43. Livro sobre intelectuais negros põe em xeque ideia de democracia racial no país
  44. Carro elétrico ainda espera incentivos para crescer no Brasil
  45. Cora Coralina é inspiração para artesãs e doceiras na Cidade de Goiás
  46. Ascensão e queda de José Bonifácio, o 'Patriarca da Independência'
  47. Brasil perdeu mais de 430 mil empregos na construção entre 2015 e 2016
  48. Desmatamento e ocupação desordenada ameaçam conservação do Cerrado
  49. Poluição sonora prejudica a saúde e preocupa especialistas
  50. Senado deve aprovar incentivo para combater cartéis
  51. Cade propõe medidas para reduzir preços dos combustíveis
  52. O Brasil ocupa o oitavo lugar no ranking de número de tabagistas no mundo
  53. Entenda a composição do preço da gasolina e do diesel no Brasil
  54. Guimarães Rosa é recriado em prosas, pinturas e bordados
  55. Verdades e mentiras sobre o Cadastro Positivo
  56. Estudo da USP mostra como o álcool em dose moderada protege o coração
  57. Brasil pretende atrair mão de obra estrangeira qualificada para o país
  58. Bossa nova completa 60 anos: conheça a história do gênero musical
  59. Saí da Igreja do Rosário, andei por São Paulo e tropecei na história
  60. País busca soluções para aumento de judicialização na saúde
  61. Divisão de tarefas domésticas ainda é desigual no Brasil
  62. Cuidar da saúde é principal motivação dos que se planejam para aposentadoria
  63. Economia brasileira ainda não sentiu efeitos da Copa 2018
  64. Senado e Câmara aprovaram Lei Áurea em apenas 5 dias
  65. Dimension Data e Cisco expandem tecnologia anticaça na África
  66. Proteção de dados ganha importância na política e economia no Brasil
  67. Mais de 80 mil brasileiros migraram para Portugal em busca de segurança
  68. A cinco meses das eleições, Câmara e Senado trabalham em ritmo lento
  69. Jornais noticiaram Esquadrão da Morte de acordo com clima político
  70. Famílias sonham com clínica-escola gratuita para autistas
  71. Senado avança na definição de código que defende contribuintes
  72. Livro explica o poder e a consolidação dos Estados Unidos
  73. Pediatras lançam campanha para elucidar mitos sobre saúde infantil
  74. Mais de 40% dos brasileiros até 14 anos vivem em situação de pobreza
  75. Um milhão de indígenas brasileiros buscam alternativas para sobreviver
  76. Cuba elege 1º presidente após 60 anos de governo dos irmãos Castro
  77. Oito em cada dez brasileiros não se preparam para aposentadoria
  78. Vida de Adoniran Barbosa é tema de documentário
  79. Proximidade entre animais domésticos e silvestres traz riscos de doenças a humanos
  80. IBGE: ricos receberam 36 vezes acima do que ganharam os pobres em 2017
  81. Pesquisa revela que 58% dos brasileiros não se dedicam às próprias finanças
  82. Os mano e as mina na mira dos homi
  83. Maior virtuose do bandolim é lembrado no seu centenário
  84. Ferramenta auxilia na preparação tática de goleiros
  85. "Eu tenho um sonho!" - morte de Martin Luther King completou 50 anos e ex-assessor relembra lutas
  86. Multiculturalismo no futebol deve se expandir em seleções europeias
  87. Dia da Constituição comemorou avanços na cidadania desde a independência do Brasil
  88. Três anos depois de aprovada, Lei do Feminicídio tem avanços e desafios
  89. BC: Selic deve voltar a ter redução em maio e cortes se encerram em junho
  90. Em busca de um novo modelo de gestão para o uso da água
  91. Lei poderá dar segurança ao Farmácia Popular
  92. Acesso dos pobres à água só é possível com controle social, dizem especialistas
  93. Por que as mulheres “desapareceram” dos cursos de computação?
  94. Interiorização de venezuelanos para São Paulo e Manaus começa em abril
  95. Relatório da Unesco sobre água propõe soluções baseadas na natureza
  96. Veja quem luta contra quem no conflito na Síria
  97. Surto de febre amarela desafia vigilância de epidemias
  98. São Paulo, uma metrópole para poucos
  99. Mesmo com decisão do TST, governo não descarta privatização dos Correios
  100. Documento único estará disponível em julho

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP