ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Mais de um século e meio depois, guerra ainda é ferida aberta no Paraguai

Para os paraguaios, não existe herói maior do que Francisco Solano López, o ditador que há exatos 155 anos invadiu o Brasil e deflagrou a Guerra do Paraguai (1864–1870)

1024p temproario

Imagens: 

Cópia do original de Vitor Meirelles: a Batalha Naval do Riachuelo. Dimensão: 2,00m x 1,15m.
Autor: Oscar Pereira da Silva (1867-1939).

Ricardo Westin/ArquivoS/Agência Senado

As deferências se espalham pelo país. Solano López dá nome a cidade, rodovia, ruas, praças, hospitais, colégios. A principal via de Assunção é a Avenida Mariscal López (mariscal é o termo em espanhol para marechal). As homenagens vão de academia de tae-kwon-do a parque de diversões, de shopping center a time de futebol.
O rosto do ditador aparece na moeda de mil guaranis. Faz sucesso entre os adolescentes uma camiseta que, numa licença histórica, retrata o mariscal e Che Guevara lado a lado. "Solano López se transformou numa religião cívica", resume Herib Caballero Campos, historiador da Universidade Nacional de Assunção e autor do livro El País Ocupado (sem edição em português). É um culto contraditório. A herança de Solano López foram a derrota e a humilhação. O país ficou em ruínas, e pedaços do território foram perdidos para os países vencedores.
Estima-se que 75% da população paraguaia tenha morrido nos cinco anos do conflito, seja no front, seja por fome e doenças. A Guerra do Paraguai é o mais sangrento conflito já visto na América Latina. A guerra derivou das tensões diplomáticas na região do Rio da Prata. O Paraguai cultivava estreitas relações com o Uruguai, pois o comércio exterior dependia do porto de Montevidéu, mas mantinha um pé atrás em relação ao Brasil e à Argentina, vistos como expansionistas. O frágil equilíbrio se rompe em outubro de 1864, quando o Brasil invade o Uruguai para intervir numa guerra civil local. O Paraguai protesta, temendo perder o aliado.
Como dom Pedro II ignora as reclamações, o mariscal toma duas medidas radicais. Em novembro, confisca o navio brasileiro Marquês de Olinda, que navegava pelo Rio Paraguai, na altura de Assunção, rumo a Cuiabá. Em dezembro, manda suas tropas atacarem a província de Mato Grosso. A guerra está declarada. No Uruguai, a guerra civil termina com a queda do governo pró-Paraguai. A Argentina se vê envolvida no jogo em abril de 1865, após tropas paraguaias invadirem a província de Corrientes. Em maio, o Brasil, a Argentina e o Uruguai formam a Tríplice Aliança, com o intuito de derrubar Solano López. No Paraguai, o conflito é chamado de Guerra da Tríplice Aliança.
O mariscal chega a obter vitórias no início, mas logo passa a colecionar derrotas. No final, ele se vê obrigado a convocar até crianças e anciãos às armas. Documentos guardados no Arquivo do Senado mostram que os senadores do Império descreviam Solano López como “tirano” e o comparavam a Napoleão, o imperador francês que tentou dominar a Europa. Numa sessão em 1868, um senador leu um documento em que o paraguaio aparecia como “marechal López”. Houve risos. Os senadores sabiam que ele fora alçado por decreto ao degrau mais alto da hierarquia militar. Preferiam chamá-lo de general.

210px-Lopez1870-1 temproario

Imagem: Reproduçã/Internet

Foto de Francisco Solano López, ditador do Paraguai. Durante a primeira fase da guerra (1864-1865) a iniciativa esteve com os paraguaios


Em janeiro de 1869, as tropas brasileiras ocupam Assunção. Em março de 1870, Solano López é descoberto nas montanhas do norte do país e morto na Batalha de Cerro Corá. Terminado o conflito, a lembrança que os paraguaios, traumatizados, guardaram de Solano López foi a do déspota que arrastou o país para uma guerra catastrófica. A imagem oposta seria idealizada mais tarde, pelos ditadores que se sucederam em Assunção ao longo do século 20. O mariscal passou a ser incensado como um bravo líder que lutou por anos para defender os compatriotas e no final deu a vida em sacrifício.
"Era a ditadura moderna buscando se legitimar por meio da ditadura do passado. O ditador do momento se apresentava como a continuidade da luta de Solano López pela soberania do Paraguai", explica Thomas Whigham, historiador da Universidade da Geórgia (EUA) e autor de La Guerra de la Triple Alianza (sem edição em português). Em 1936, a ditadura do coronel Rafael Franco inaugurou o Panteão Nacional dos Heróis e nele abrigou os restos mortais do mariscal. Em 1978, o general Alfredo Stroessner patrocinou as filmagens do épico Cerro Corá, que cristaliza a imagem de mártir. O cartaz promocional anuncia “uma história de amor, coragem e sacrifício”. O filme é exibido até hoje na TV.
A mesma visão romantizada chegou ao Brasil e à Argentina nos anos 1960. Argumentava-se que a guerra fora tramada por Londres, que supostamente não estava gostando de ver o Paraguai se industrializar sem depender das manufaturas inglesas. A Tríplice Aliança teria sido usada como marionete da Inglaterra. A versão foi ensinada nas salas de aula brasileiras e argentinas até os anos 1990, quando os historiadores enfim se deram conta da ficção. Primeiro, o Paraguai não tinha indústria relevante. Depois, se a Inglaterra queria transformar o país em mercado consumidor, não fazia sentido incitar uma guerra que dizimaria a população.
Por fim, as relações diplomáticas entre o Brasil e a Inglaterra estavam rompidas quando a guerra estourou, por causa da Questão Christie.
Hoje se entende que essa interpretação era uma forma sutil de atacar as ditaduras que, apoiadas pelos EUA, governaram o Brasil e a Argentina nos anos 1960 e 1970. Por um lado, atingia-se o imperialismo — o inglês e o americano. Por outro, criticavam-se os militares — tanto os que destroçaram o Paraguai quanto os que haviam tomado o poder em Brasília e Buenos Aires.
O Paraguai se tornou um país democrático em 1989, com a queda de Stroessner. No entanto, o culto a Solano López permanece. Uma explicação é o fato de os horrores do conflito estarem até hoje presentes na memória coletiva, como uma ferida não cicatrizada. A existência de um herói, ainda que irreal, serve de alento. Outra explicação é o fato de não ter havido liberdade acadêmica durante os 35 anos da ditadura Stroessner. Professores e pesquisadores que questionaram a versão oficial da história chegaram a ser presos e exilados.
Os alunos paraguaios sabem de cor o nome das batalhas. É provável que conheçam mais que os brasileiros o conde d’Eu — o marido da princesa Isabel foi comandante das tropas do Império. Entre as datas oficiais, estão o Dia dos Heróis Nacionais, 1º de março, quando Solano López foi morto, e o Dia das Crianças, 16 de agosto, quando centenas de meninos soldados morreram na Batalha de Acosta Ñu. O ponto mais conhecido da batalha é o incêndio de um hospital que resultou na morte dos que estavam internados. Na versão paraguaia, o conde d’Eu ordenou o atentado. Para historiadores brasileiros, as chamas foram provocadas pelas faíscas das armas e se espalharam pelas paredes de madeira do hospital.
Na avaliação do historiador Ricardo Salles, autor de 'Guerra do Paraguai — escravidão e cidadania na formação do Exército' (Paz e Terra), a população paraguaia foi, sim, aniquilada, mas não se pode falar em genocídio: "Ainda que tenham ocorrido degolas, fuzilamentos e outras barbaridades, o Brasil não atacou o Paraguai com o objetivo de exterminar a população. Foi uma guerra. E as mortes não podem ser creditadas integralmente ao Brasil. No final, Solano López recrutava qualquer um que tivesse entre 12 e 60 anos. Pessoas morreram de fome porque soldados dos dois lados confiscaram o gado e a colheita".
O historiador Francisco Doratioto, autor de 'Maldita Guerra — nova história da Guerra do Paraguai' (Companhia das Letras), diz que é absurdo ver Solano López como herói: "Ele sacrificou um país inteiro inutilmente. O herói foi o povo paraguaio, que acreditou na história de que a independência do país era ameaçada pelo Brasil e pela Argentina. O paraguaio atendeu a convocação para pegar em armas e lutou bravamente, mas pagou um preço alto demais".

img-1 temproario

Mais artigos...

  1. Reforma trabalhista formalizou mais empregos, mas continua contestada
  2. Dependência econômica e fé se misturam em Abadiânia, em Goiás
  3. Professor da USP conta suas memórias da época do AI-5
  4. Senado busca desburocratizar serviços públicos
  5. Assassinato de Chico Mendes faz 30 anos
  6. Como o brasileiro vê o cumprimento das leis
  7. Ipea: 23% dos jovens brasileiros não trabalham e nem estudam
  8. “Internet dos animais” entrará em operação em 2019
  9. Divórcio demorou a chegar no Brasil_01
  10. Chesf inicia estudo com painéis solares em reservatório de Sobradinho
  11. Comércio, clima e trabalho são prioridades do Brasil na Cúpula do G20
  12. Em busca do trem perdido
  13. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens no País
  14. Tratamento com fitoterápicos aumenta na rede pública de saúde
  15. Atual modelo hospitalar deixa saúde cara e não inibe erros
  16. Brasil começa a levar imigrantes para o interior
  17. Biodiversidade é estratégica para o desenvolvimento do Brasil
  18. Brasil já teve 2 presidentes militares eleitos nas urnas
  19. Tecnologia poderá ajudar na implantação do novo Ensino Médio
  20. Inadimplência atinge 62 milhões de brasileiros e afeta 3% do crédito
  21. Encerrada há um século, Primeira Guerra extinguiu impérios
  22. Estigmas e tabus: por que o câncer de ontem não é o mesmo de hoje
  23. ONG oferece assessoria a empreendedores no Brasil
  24. Ministros do STF defendem necessidade de reforma política
  25. Sem obras em dois distritos, moradores de Mariana mostram apreensão
  26. Em novembro de 1955, crise fez Brasil ter 3 presidentes numa única semana
  27. General Heleno defende uso de atiradores de elite contra criminosos
  28. Preservar a Constituição e unir sociedade são prioridades de Bolsonaro
  29. Negros e brancos de alta renda moram em locais distantes e distintos
  30. Antes da Eletrobras, Brasil vivia rotina de apagões
  31. A água no Brasil: da abundância à escassez
  32. Alimentação está na pauta do novo Congresso
  33. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens
  34. Projeto pretende retardar o envelhecimento do sistema imune humano
  35. Comida síria transporta imaginário de refugiados para lugar que não existe mais
  36. ONU: nenhum país consegue garantir direitos reprodutivos das mulheres
  37. Estudo destaca estreita relação entre álcool, drogas e violência
  38. Brasil avança, mas tem desafio para cumprir meta de emissão de carbono
  39. Apenas 3,3% dos estudantes brasileiros querem ser professores
  40. Na primeira eleição presidencial, Brasil teve eleitor de menos e candidato demais
  41. Oito em cada dez idosos têm percepção positiva da terceira idade
  42. Senado analisa aposentadoria especial para condutores de ambulância
  43. Metade das cidades do país ainda não dá voz aos idosos
  44. Prédio do Museu Nacional já preocupava Senado do Império
  45. Referência da história contemporânea, Constituição completa 30 anos
  46. Desemprego pauta candidatos e será desafio ao próximo presidente
  47. Em 15 anos, Estatuto do Idoso deu visibilidade ao envelhecimento
  48. 30 anos da Constituição: Principal símbolo do processo de redemocratização nacional
  49. Rebanho de bovinos e produção de leite caem, diz pesquisa do IBGE
  50. Cresce preocupação com desperdício de alimentos em todo o mundo
  51. Empresários brasileiros apostam em alimentos e bebidas saudáveis
  52. Secretário admite que pode fechar o ano sem elucidar caso Marielle
  53. Futuro presidente terá de enfrentar financiamento do SUS
  54. Apesar de aumento, menos de 40% das cidades têm política de saneamento
  55. Metade das mulheres férteis em SP usaram pílula do dia seguinte
  56. Animais criados livres no Pampa fornecem carne mais saudável
  57. Primeiro transhomem a ser operado no Brasil, João Nery prepara livro
  58. Avança o Indicador de inadimplência do consumidor; país tem 62,9 milhões de negativados
  59. Filtro colorido aumenta velocidade de leitura de crianças com dislexia
  60. Manual ensina a cuidar da saúde bucal de crianças com autismo
  61. Iniciativas do Judiciário combatem e reparam violência contra a mulher
  62. Epidemia de gripe espanhola no Brasil mata presidente, faz escolas aprovarem todos os alunos e leva à criação da caipirinha
  63. Reforma tornou ensino profissional obrigatório em 1971
  64. Museu do Ipiranga questiona os sentidos da independência
  65. Governo vai liberar recursos emergenciais para o Museu Nacional no Rio
  66. Alunos deixam ensino fundamental com desempenho pior do que entraram
  67. Câmara discute propostas polêmicas sobre orgânicos e agrotóxicos
  68. Especialistas apontam epidemia de cesarianas no Brasil
  69. Foco de instabilidade, impacto migratório é desafio em Pacaraima
  70. Há 55 anos, Senado ajudou a derrubar parlamentarismo
  71. Especialistas debatem soluções tecnológicas para ajudar o agronegócio
  72. Denúncias de feminicídio e tentativas de assassinato chegam a 10 mil
  73. Merenda escolar é vigiada no país por 80 mil “detetives”
  74. Dos 27,4 mil registros de candidaturas, 8,4 mil são de mulheres
  75. Jogadores contam histórias do preconceito enfrentado na Europa_2
  76. Subutilização da força de trabalho atinge 27,6 milhões no Brasil
  77. Ofensiva contra o lixo: país se engaja em debate sobre a coleta seletiva
  78. Seis em cada dez crianças no Brasil vivem na pobreza, diz Unicef
  79. Manifestações afros são incorporadas à cultura sem valorização dos negros
  80. Ruy Barbosa desafiou elite e fez 1a campanha eleitoral moderna
  81. Sarampo: especialista alerta sobre a importância da vacinação
  82. Casos de suicídio motivam debate sobre saúde mental nas universidades
  83. Mortes de presos aumentam 10 vezes em quase vinte anos no Rio
  84. Petróleo, combustíveis e Refis reforçam receitas da União este ano
  85. Mulheres que fizeram aborto relatam momentos de medo e desespero
  86. Supremo Tribunal Federal debate hoje a descriminalização do aborto
  87. 44% dos empresários do varejo e de serviços estão otimistas com economia para o segundo semestre
  88. Ecossistemas tropicais abrigam mais de três quartos das espécies de plantas e animais
  89. Metade dos docentes no país não recomenda a própria profissão
  90. Projeto cria regras para proteger dados pessoais
  91. Censo mostra aumento da área destinada à agricultura no país
  92. População brasileira deve chegar a 233,2 milhões em 2047, diz IBGE
  93. Construtoras acreditam em multa maior por distrato; Procons condenam
  94. Museu Paulista e Sesc Ipiranga apresentam “Papéis Efêmeros”
  95. Radiografia do ativismo indica revitalização do papel político das cidades
  96. Canecão foi referência para música brasileira e revelou grandes nomes
  97. Saúde alerta que as baixas coberturas vacinais acendem a luz vermelha
  98. Em minoria, mulheres buscam liderar negócios de inovação e tecnologia
  99. Lei de proteção de dados vai mudar cotidiano de cidadãos e empresas
  100. Estudo destaca papel central da música nos ritos de incorporação da Umbanda

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171