Contato: (11) 3043-4171

Brasil avança, mas tem desafio para cumprir meta de emissão de carbono

A menos de dois anos do prazo para iniciar o cumprimento das metas assumidas no chamado Acordo de Paris para mitigar os efeitos das mudanças climáticas, e em meio a um cenário de incerteza eleitoral, o Brasil vive o desafio de conter o desmatamento, adaptar o modelo de produção econômica, readequar a infraestrutura urbana e gerar energia limpa para diminuir a emissão de gases do efeito estufa na atmosfera

Brasil temproario

Foto: Arquivo/ABr

Desmatamento das florestas respondem pela principal fonte de emissão de gases de efeito estufa no país.

Débora Brito/Agência Brasil

Cada nação estabeleceu ainda um compromisso diferente de redução das emissões de carbono com metodologias variadas de acordo com sua realidade. No caso do Brasil, a meta prevê que até 2025 as emissões de gases de efeito estufa sejam reduzidas a 37% em relação a 2005, ano em que o país emitiu aproximadamente 2,1 bilhões de toneladas de gás carbônico (CO2). Para 2030, a meta é que a redução seja de 43%.

O Ministério do Meio Ambiente informou que as emissões líquidas de gás carbônico foram reduzidas em 2,6 bilhões de toneladas entre 2016 e 2017 no país. O volume de redução foi alcançado, segundo a pasta, considerando as remoções de gás carbônico da atmosfera pelo processo de fotossíntese nas áreas de florestas preservadas, como terras indígenas e unidades de conservação.

Considerando essa compensação entre emissões e o estoque de gás carbônico nas áreas florestais, o país já teria atingido a meta de reduzir em 1,2 bilhão de toneladas para o ano de 2020. Mas especialistas alertam que, em valores absolutos, o país ainda não atingiu as meta firmada em âmbito internacional, que seria de cerca de 1,3 bilhão de toneladas de CO2.

Levantamento do Observatório do Clima mostra que as emissões absolutas de gases de efeito estufa no Brasil alcançaram 2,27 bilhões de toneladas em 2016, o que representa aumento de 9% em relação ao ano anterior e de 32% em relação a 1990. Mais da metade da emissão do gás carbônico equivalente ainda provém do desmatamento da Amazônia e do Cerrado.

Acordo de Paris
Em 2015, o Brasil se juntou a mais de 190 países que integram a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima na assinatura do chamado Acordo de Paris, resultado de mais de 20 anos de negociação, no qual as nações definiram objetivos de longo prazo para limitar o aquecimento da temperatura global em níveis abaixo de dois graus Celsius, se possível a 1,5 grau, até o final deste século. A partir dos compromissos do Acordo de Paris, o Brasil definiu a sua NDC.

A meta considera os níveis pré-revolução industrial (1750) e deve ser implementada a partir de 2020. A redução significativa do aquecimento global e o cumprimento dos compromissos do Acordo de Paris ainda estão entre as metas dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), com o qual o Brasil também se comprometeu até 2030.

“O Acordo de Paris foi um avanço histórico em termos de unir governos na direção do objetivo comum de limitar o aumento da temperatura global a menos de 2 graus Celsius. Mas, os governos federais sozinhos não têm poder para alcançar essas metas sem um engajamento equitativo do setor privado”, disse Elizabeth Cousen, diretora-executiva da UN Foundation. O Brasil pretende alcançar a meta a partir da eliminação total do desmatamento ilegal, da restauração de 12 milhões de hectares de florestas, do aumento do uso de bioenergia sustentável para 18% e em 45% de energias renováveis até 2030, entre outras ações em diferentes setores, como indústria, agricultura e infraestrutura urbana.

paris climate feature-1140x684 temproario“A meta do Brasil, comparando com outros países em desenvolvimento, tem uma natureza mais adequada para um grande emissor, porque é possível mensurar de forma absoluta. Se todos fizerem o que o Brasil fez, proporcionalmente, a gente ficaria dentro dos limites do Acordo de Paris. Mas, a soma de todos esses esforços, os cientistas já disseram, é insuficiente. Se todo mundo cumprir à risca com aquilo que se comprometeu, a gente chegaria no final deste século com um aumento de temperatura acima de três graus Celsius, 3.2 pelo menos, que é muito mais do que o limite estabelecido pelo Acordo de Paris”, esclarece Carlos Rittl, secretário-executivo do Observatório do Clima.

Meta doméstica
Antes da meta estabelecida pelo Acordo de Paris, o Brasil aprovou, em 2009, uma Política Nacional de Mudanças Climáticas que estabeleceu um compromisso voluntário nacional de não desmatar, até 2020, mais do que 3,9 mil quilômetros quadrados da Amazônia. Por meio de decreto, a política também prevê a redução do desmatamento do Cerrado em 40%, a recuperação de 15 milhões de hectares de pastagens degradadas, entre outros objetivos, como ampliar o consumo interno de etanol em pelo menos 11%.

Segundo o Ministério do Meio Ambiente (MMA), o país já atingiu a meta em relação ao Cerrado, que apresentou redução na área devastada de 56% até o ano passado. E ainda faltaria cerca de 15% para atingir a meta de redução na área desmatada da Amazônia.

“A meta assumida internacionalmente tem um valor diferente do que foi regulamentado no decreto nacionalmente. O que a gente está pleiteando é que a meta internacional a gente já conseguiu antecipar. A meta nacional, a gente ainda tem um trabalho a ser feito no caso da Amazônia”, explicou Tiago Mendes, secretário de Mudança do Clima e Florestas, do MMA

Exemplo e protagonismo
Desde a realização da chamada Rio 92 e da Rio +20, o Brasil é considerado protagonista nas reuniões de Convenção do Clima e tem sido citado em eventos internacionais como exemplo para outras nações devido à diminuição do ritmo de desmatamento da Amazônia nos últimos 15 anos. Para o secretário-executivo do programa de Meio Ambiente da ONU, Erik Solheim, o país é considerado um caso de sucesso na busca pelo equilíbrio entre produção econômica e preservação das florestas para conter o aumento da temperatura.

O secretário destaca a redução em mais de 70% do desmatamento na Amazônia na última década. Antes de 2005, o Brasil chegou a desmatar mais de 2 milhões de hectares da Floresta Amazônica. Em 2012, a área desmatada foi em torno de 7 mil quilômetros quadrados. Erik também citou o Brasil como detentor de um potencial para desenvolver energia solar combinada a outras formas de geração de energia livres de carbono.

“O índice de desmatamento está caindo no Brasil. Há diferenças entre uma área e outra, mas em termos gerais, [o resultado] é fantástico e bem-sucedido. O Brasil está dando exemplo para outros países de floresta e mostrando que é possível reduzir drasticamente o desmatamento se as políticas são colocadas em prática”, avaliou Erik durante o Global Climate Action Summit, um encontro de ação global pelo clima realizado de 12 a 14 de setembro na cidade de São Francisco, Califórnia (EUA).

Financiamento
Na área de energia, o secretário afirma que o país também tem condições de alcançar as metas. Esta semana, o governo federal lançou linha de financiamento para iniciativas de produção de energias renováveis, em especial fotovoltaica. Desse montante, o MMA vai destinar R$ 228 milhões para micro e pequenas empresas e pessoas físicas que coloquem painéis solares em suas casas. As taxas de financiamento serão de 4% a ano para quem recebe menos de R$ 90 mil por ano e de 9,5% para quem recebe mais.
“Vamos colocar à disposição do mercado, via BNDES, com fundos do ministério, R$ 1,2 bilhão para energias renováveis. A nossa expectativa é que a gente consiga dar um incentivo para estruturação da cadeia de produção de energia fotovoltaica no país, em especial em comunidades rurais e produção domiciliar”, disse Mendes, ao destacar o lançamento do programa Renova Bio, que concede créditos a distribuidoras de combustíveis para estimular a produção de biocombustíveis. O objetivo é que o programa permita a redução na emissão em 600 milhões de toneladas somente no setor de combustíveis, até 2028.

Mais artigos...

  1. Apenas 3,3% dos estudantes brasileiros querem ser professores
  2. Na primeira eleição presidencial, Brasil teve eleitor de menos e candidato demais
  3. Oito em cada dez idosos têm percepção positiva da terceira idade
  4. Senado analisa aposentadoria especial para condutores de ambulância
  5. Metade das cidades do país ainda não dá voz aos idosos
  6. Prédio do Museu Nacional já preocupava Senado do Império
  7. Referência da história contemporânea, Constituição completa 30 anos
  8. Desemprego pauta candidatos e será desafio ao próximo presidente
  9. Em 15 anos, Estatuto do Idoso deu visibilidade ao envelhecimento
  10. 30 anos da Constituição: Principal símbolo do processo de redemocratização nacional
  11. Rebanho de bovinos e produção de leite caem, diz pesquisa do IBGE
  12. Cresce preocupação com desperdício de alimentos em todo o mundo
  13. Empresários brasileiros apostam em alimentos e bebidas saudáveis
  14. Secretário admite que pode fechar o ano sem elucidar caso Marielle
  15. Futuro presidente terá de enfrentar financiamento do SUS
  16. Apesar de aumento, menos de 40% das cidades têm política de saneamento
  17. Metade das mulheres férteis em SP usaram pílula do dia seguinte
  18. Animais criados livres no Pampa fornecem carne mais saudável
  19. Primeiro transhomem a ser operado no Brasil, João Nery prepara livro
  20. Avança o Indicador de inadimplência do consumidor; país tem 62,9 milhões de negativados
  21. Filtro colorido aumenta velocidade de leitura de crianças com dislexia
  22. Manual ensina a cuidar da saúde bucal de crianças com autismo
  23. Iniciativas do Judiciário combatem e reparam violência contra a mulher
  24. Epidemia de gripe espanhola no Brasil mata presidente, faz escolas aprovarem todos os alunos e leva à criação da caipirinha
  25. Reforma tornou ensino profissional obrigatório em 1971
  26. Museu do Ipiranga questiona os sentidos da independência
  27. Governo vai liberar recursos emergenciais para o Museu Nacional no Rio
  28. Alunos deixam ensino fundamental com desempenho pior do que entraram
  29. Câmara discute propostas polêmicas sobre orgânicos e agrotóxicos
  30. Especialistas apontam epidemia de cesarianas no Brasil
  31. Foco de instabilidade, impacto migratório é desafio em Pacaraima
  32. Há 55 anos, Senado ajudou a derrubar parlamentarismo
  33. Especialistas debatem soluções tecnológicas para ajudar o agronegócio
  34. Denúncias de feminicídio e tentativas de assassinato chegam a 10 mil
  35. Merenda escolar é vigiada no país por 80 mil “detetives”
  36. Dos 27,4 mil registros de candidaturas, 8,4 mil são de mulheres
  37. Jogadores contam histórias do preconceito enfrentado na Europa_2
  38. Subutilização da força de trabalho atinge 27,6 milhões no Brasil
  39. Ofensiva contra o lixo: país se engaja em debate sobre a coleta seletiva
  40. Seis em cada dez crianças no Brasil vivem na pobreza, diz Unicef
  41. Manifestações afros são incorporadas à cultura sem valorização dos negros
  42. Ruy Barbosa desafiou elite e fez 1a campanha eleitoral moderna
  43. Sarampo: especialista alerta sobre a importância da vacinação
  44. Casos de suicídio motivam debate sobre saúde mental nas universidades
  45. Mortes de presos aumentam 10 vezes em quase vinte anos no Rio
  46. Petróleo, combustíveis e Refis reforçam receitas da União este ano
  47. Mulheres que fizeram aborto relatam momentos de medo e desespero
  48. Supremo Tribunal Federal debate hoje a descriminalização do aborto
  49. 44% dos empresários do varejo e de serviços estão otimistas com economia para o segundo semestre
  50. Ecossistemas tropicais abrigam mais de três quartos das espécies de plantas e animais
  51. Metade dos docentes no país não recomenda a própria profissão
  52. Projeto cria regras para proteger dados pessoais
  53. Censo mostra aumento da área destinada à agricultura no país
  54. População brasileira deve chegar a 233,2 milhões em 2047, diz IBGE
  55. Construtoras acreditam em multa maior por distrato; Procons condenam
  56. Museu Paulista e Sesc Ipiranga apresentam “Papéis Efêmeros”
  57. Radiografia do ativismo indica revitalização do papel político das cidades
  58. Canecão foi referência para música brasileira e revelou grandes nomes
  59. Saúde alerta que as baixas coberturas vacinais acendem a luz vermelha
  60. Em minoria, mulheres buscam liderar negócios de inovação e tecnologia
  61. Lei de proteção de dados vai mudar cotidiano de cidadãos e empresas
  62. Estudo destaca papel central da música nos ritos de incorporação da Umbanda
  63. Cientistas vão treinar robôs para identificação automática de plantas
  64. Combate a Lampião quase entrou na Constituição de 1934
  65. Estudo aponta 30 profissões que estão surgindo com a indústria 4.0
  66. Na era Trump, imigrantes buscam espaço na política dos Estados Unidos
  67. Acompanhar tramitação de lei ainda é desafio
  68. O maravilhoso universo das plantas e a força dos nutrientes
  69. Junho deixou sementes de participação popular
  70. Número de brasileiros em áreas de risco passa de 8 milhões, diz IBGE
  71. Vida verde: benefícios do vegetarianismo e veganismo à saúde atraem cada vez mais brasileiros
  72. Uso de energia solar no campo cresce com usinas flutuantes
  73. Vinho é a bebida alcoólica preferida dos brasileiros na melhor idade, aponta pesquisa
  74. Músicos amadores criam grupos para reviver antigos sambas esquecidos
  75. Projetos buscam evitar tragédias como o desabamento de edifício em São Paulo
  76. Quilombo a 50 km de Brasília luta para manter território e identidade
  77. Lei Seca soma dados positivos após 10 anos, mas levanta questões
  78. Junho aumenta riscos de acidente com fogos e balões
  79. Dom Pedro I criou Supremo Tribunal com poderes esvaziados
  80. "Sem solução, quem matou terá carta branca", diz pai de Marielle
  81. Livro sobre intelectuais negros põe em xeque ideia de democracia racial no país
  82. Carro elétrico ainda espera incentivos para crescer no Brasil
  83. Cora Coralina é inspiração para artesãs e doceiras na Cidade de Goiás
  84. Ascensão e queda de José Bonifácio, o 'Patriarca da Independência'
  85. Brasil perdeu mais de 430 mil empregos na construção entre 2015 e 2016
  86. Desmatamento e ocupação desordenada ameaçam conservação do Cerrado
  87. Poluição sonora prejudica a saúde e preocupa especialistas
  88. Senado deve aprovar incentivo para combater cartéis
  89. Cade propõe medidas para reduzir preços dos combustíveis
  90. O Brasil ocupa o oitavo lugar no ranking de número de tabagistas no mundo
  91. Entenda a composição do preço da gasolina e do diesel no Brasil
  92. Guimarães Rosa é recriado em prosas, pinturas e bordados
  93. Verdades e mentiras sobre o Cadastro Positivo
  94. Estudo da USP mostra como o álcool em dose moderada protege o coração
  95. Brasil pretende atrair mão de obra estrangeira qualificada para o país
  96. Bossa nova completa 60 anos: conheça a história do gênero musical
  97. Saí da Igreja do Rosário, andei por São Paulo e tropecei na história
  98. País busca soluções para aumento de judicialização na saúde
  99. Divisão de tarefas domésticas ainda é desigual no Brasil
  100. Cuidar da saúde é principal motivação dos que se planejam para aposentadoria

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171