Atenção dos pais pode reduzir risco de abuso de drogas na adolescência

Pais que exigem o cumprimento de regras e que monitoram constantemente as atividades dos filhos – buscando saber onde estão, com quem e o que fazem – correm menor risco de enfrentar problemas relacionados ao abuso de álcool e de outras drogas quando as crianças entram na adolescência

Atencao temporario

Estudo feito com mais de 6 mil jovens reforça a função protetora do estímulo ao cumprimento de regras. Pesquisa também indica que ricos bebem mais.

Karina Toledo/Agência FAPESP

A probabilidade torna-se ainda menor quando, além de monitorar e cobrar, os pais também abrem espaço para o diálogo, explicam o motivo das regras e se mostram presentes no dia a dia dos filhos, dispostos a acolher suas dificuldades – característica parental que especialistas chamam de “responsividade”.

A conclusão é de uma pesquisa realizada na Unifesp com 6.381 jovens de seis cidades brasileiras. Os resultados acabam de ser publicados na revista Drug and Alcohol Dependence. “A principal conclusão do estudo é que o estilo parental, ou seja, o modo como os pais educam seus filhos, pode ser um fator de proteção ou de risco para o consumo de álcool e outras drogas na adolescência. Isso significa que os programas escolares de prevenção devem, além de conscientizar as crianças, também se preocupar em treinar habilidades parentais”, disse Zila Sanchez, professora da EPM-Unifesp e coordenadora da pesquisa apoiada pela FAPESP.

Os dados foram coletados em 62 escolas públicas das cidades de Tubarão, Florianópolis, São Paulo, São Bernardo do Campo, Fortaleza e Brasília. Participaram do levantamento estudantes de 7º e 8º anos do ensino fundamental. A idade média dos entrevistados foi de 12,5 anos. “Optamos por trabalhar com jovens que haviam acabado de entrar na adolescência para avaliar se, nessa fase, o estilo parental já estava influenciando o consumo de substâncias. Entretanto, como ainda são muito jovens, a prevalência de consumo ainda é baixa. Por esse motivo, consideramos no questionário quem havia feito uso ao menos uma vez no último ano”, explicou Sanchez.

Os questionários foram preenchidos pelos próprios adolescentes, sem a presença do professor, e depositados anonimamente em envelopes pardos – de modo a evitar inibição e constrangimento. Além de perguntas sobre o uso de drogas, também foram incluídas questões sobre o estilo parental (como os jovens percebiam os pais), condições socioeconômicas, comportamento sexual e violência escolar, entre outras. A análise das respostas foi feita durante o doutorado de Juliana Valente, com Bolsa da FAPESP e orientação de Sanchez.

teenager temporarioPor meio de um modelo estatístico conhecido como análise de classes latentes, foi possível dividir os entrevistados em três grupos de uso de drogas. A mais prevalente, com 81,54%, foi a classe dos “abstinentes/usuários leves”. Em seguida, com 16,65%, vieram aqueles considerados “usuários de álcool/bebedores pesados”. Por último, com 1,8%, os “poliusuários”, ou seja, aqueles que, além de álcool, usaram no último ano substâncias como tabaco, maconha, cocaína, crack ou inalantes (benzina e cola de sapateiro, por exemplo).

“O passo seguinte foi avaliar se os estilos parentais estavam associados a algum desses três perfis de consumo. Para isso, os pais também foram classificados em quatro tipos diferentes – segundo a avaliação dos adolescentes e critérios estabelecidos na literatura científica”, explicou Sanchez. Com base em uma escala de avaliação consagrada em estudos internacionais e validada no Brasil, os perfis parentais foram classificados de acordo com dois domínios principais: “exigência” – o quanto os pais monitoram as atividades dos filhos e demandam o cumprimento de regras – e “responsividade” – o quanto são sensíveis às demandas dos filhos e abertos ao diálogo.

Pais com escore alto nos dois domínios foram classificados como “autoritativos”. Aqueles com escore alto apenas no domínio da exigência foram classificados como “autoritários”. Pais responsivos, mas que não monitoram as atividades dos filhos ou não se apegam a regras foram considerados “indulgentes”. Por último, aqueles com escore baixo nos dois domínios foram classificados como “negligentes”. De modo semelhante ao observado em estudos internacionais, o estilo “autoritativo” foi o mais protetor, seguido pelo “autoritário” e, na sequência, pelo “indulgente”.

Como ressaltaram os pesquisadores no artigo, os pais “negligentes” são os que colocam os adolescentes em maior risco de pertencer às duas classes de usuários de drogas encontradas no estudo: usuários de álcool/bebedores pesados e poliusuários. “O fato de o ‘autoritativo’ ser o mais protetor e o ‘negligente’ o de maior risco já era esperado. Porém, ainda havia na literatura científica uma discussão em relação aos estilos ‘autoritário’ e ‘indulgente’. Não estava claro qual deles seria melhor. Os achados deste estudo reforçam a função protetora que a dimensão da exigência, composta por monitoramento parental e estímulo ao cumprimento de regra, desempenha na prevenção do consumo de drogas na adolescência”, disse Valente.

2016 temporarioUm dado que chamou a atenção do grupo da Unifesp foi que, quanto mais alta era a classe social do entrevistado, maior era a probabilidade de pertencer aos grupos de bebedores pesados ou poliusuários. De acordo com Sanchez, o achado contraria dados de estudos norte-americanos e europeus, onde a pobreza é considerada um fator de risco para o uso de álcool e drogas na adolescência. Porém, vai ao encontro de dados brasileiros anteriores para a mesma faixa etária.

“Esse dado é bem curioso e mostra que não podemos simplesmente importar dados relacionados a fatores de risco e proteção para programas de prevenção de uso de drogas, sem considerar diferenças culturais”, disse Sanchez. Segundo Valente, as análises estatísticas não permitiram associar os diferentes modelos de educação a uma classe social específica, ou seja, houve uma distribuição homogênea dos estilos parentais entre as diferentes faixas de renda.

A coleta dos dados ocorreu no fim de 2014, no âmbito de um projeto financiado pelo Ministério da Saúde. A equipe da Unifesp foi escalada pelo órgão governamental para avaliar nas 62 escolas selecionadas a efetividade de um programa de prevenção ao uso de drogas intitulado #Tamojunto. “Esse programa foi trazido da Europa, onde apresentou bons resultados, e adaptado pelo Ministério da Saúde. Além de passar conhecimentos sobre as drogas para os jovens, buscava trabalhar o desenvolvimento de habilidades pessoais e interpessoais. Porém, aqui no Brasil, não observamos efetividade para as mesmas medidas europeias”, contou Valente.

Como explicou Sanchez, os dados analisados durante o doutorado de Valente, que embasam o artigo agora publicado, foram coletados antes da aplicação do programa #Tamojunto e não têm relação com seus resultados.

Mais artigos...

  1. Reforma trabalhista entrou em vigor neste sábado com novas formas de contratação
  2. Alimentos e cosméticos podem ter alerta sobre substância cancerígena
  3. Dois anos depois, atingidos por barragem em Mariana ainda não foram indenizados
  4. População não entende rótulos, diz pesquisa
  5. Ética no esporte: uma poderosa ferramenta de formação de caráter
  6. Desafios para o cumprimento do Acordo de Paris
  7. Historiador desconstrói mitos sobre Teatro Municipal de São Paulo
  8. Dia mundial de combate ao abuso infantil
  9. Bullying na escola está ligado à má relação familiar, diz estudo
  10. Naufrágios chamam a atenção para a segurança nas hidrovias brasileiras
  11. Com frete rodoviário abaixo do custo, CNI defende fiscalização para evitar crise
  12. Livro analisa educação clandestina no gueto de Varsóvia
  13. Igualdade entre homem e mulher pode agregar US$ 28 trilhões ao PIB até 2025
  14. Os acordes dissonantes da contracultura nos anos de chumbo
  15. Reforma eleitoral abre espaço para propaganda paga em sites
  16. Rotina de jovens com HIV inclui estigma e mudança de hábitos
  17. Gravidez precoce ainda é alta, mostram dados
  18. Rede de apoio é fundamental para combater violência contra a mulher
  19. FAO sugere que jovens de países em desenvolvimento não deixem áreas rurais
  20. Conheça a trajetória do Velho Guerreiro
  21. O que as crianças estão aprendendo sobre o amor?
  22. Outubro Rosa conscientiza sobre prevenção do câncer de mama
  23. Indústria fecha primeiros oito meses do ano com crescimento de 1,5%, diz IBGE
  24. Perda de renda e medo do desemprego fazem brasileiros diminuírem consumo
  25. Desconfiança e preconceito da sociedade dificultam ressocialização de presos
  26. Açaí teve maior valor de produção na extração vegetal em 2016, diz pesquisa
  27. Fécula de mandioca poderá substituir parte da farinha de trigo na composição do pão
  28. Pesquisa aponta saídas para combater desigualdade no Brasil
  29. No Brasil, 45% da população ainda não têm acesso a serviço adequado de esgoto
  30. Integrar história da ciência nas escolas pode revolucionar ensino
  31. Cerca de 11 mil pessoas tiram a própria vida todos os anos no Brasil
  32. Estudo feito na Unicamp permite traçar o roteiro da obesidade
  33. Crise pode limitar financiamento estudantil
  34. Gorduras boas: saiba a importância desses nutrientes e porque eles devem fazer parte do nosso dia a dia
  35. Mercado de trabalho dá sinais de recuperação no segundo trimestre
  36. Cientistas dizem que furacões como o Irma são evidência de aquecimento global
  37. Programa Identidade Jovem enfrenta baixa adesão e resistência dos empresários
  38. Crescimento de ataques virtuais acende alerta sobre suicídio
  39. Na Georgia, brasileiros criam rede de apoio e acolhem mais de 300 pessoas
  40. O Império do Brasil
  41. Cabelos fracos, quebradiços e com queda? A solução pode estar no cardápio
  42. Microplásticos ameaçam 529 espécies da fauna marinha em todo o mundo
  43. Enade: matrículas em instituições públicas crescem e rede privada tem redução
  44. Pesquisadores descrevem 381 novas espécies de animais e plantas da Amazônia
  45. Direito à saúde bucal pode virar lei
  46. Casa da Moeda: Economistas não acreditam que privatização traga risco de fraude
  47. Taxa de feminicídios no Brasil é a quinta maior do mundo
  48. Travessia longa até um trânsito civilizado no país
  49. Intestino preguiçoso: saiba quais alimentos consumir para evitar esse mal e ter uma vida saudável
  50. Cerca de 58% dos alunos da rede pública têm rendimento abaixo da média em matemática
  51. Pelo terceiro ano seguido, desemprego é a principal causa da inadimplência, mostra levantamento do SPC Brasil e CNDL
  52. De concurso de miss a maternidade, cadeirantes contam como resgataram autoestima
  53. Verba de multas poderá ir para o trânsito
  54. Como seria uma guerra entre EUA e Coreia do Norte?
  55. Fundo Amazônia vai investir R$ 150 milhões em novos projetos de conservação
  56. Duração de licença-paternidade reforça desigualdade na criação dos filhos
  57. Há 80 anos, União Nacional dos Estudantes faz história no país
  58. Barriga tanquinho: regra 80/20 é o segredo para conquistar e manter o abdômen definido
  59. Estudo mostra que o uso de etanol nos veículos reduz a poluição por nanopartículas
  60. Aleitamento materno ainda enfrenta obstáculos
  61. Segurança pública: solução depende de participação social
  62. “Memórias Póstumas de Brás Cubas” observa a condição humana
  63. Do sertão à ‘selva’ paulistana, o rito de passagem dos pankararu
  64. Dieta pós 40: veja o que deve mudar no cardápio para garantir vigor durante a meia idade
  65. Uerj pesquisa influência da atividade física das mães na obesidade dos filhos
  66. A desigualdade “racial” nas eleições
  67. Pediatras lançam guia para promover atividade física a criança e adolescente
  68. Sem aumento do PIS/Cofins, governo perde R$ 78 milhões por dia, diz AGU
  69. Pesquisa diz que a cada 16,8 segundos uma tentativa de fraude é aplicada no país
  70. O ano de 2016 bateu um novo recorde de deslocamentos forçados - Quais países mais geram refugiados pelo mundo?
  71. Pesquisa revela como o exercício físico protege o coração
  72. Laerte: heroína trans ou homem vestido de mulher?
  73. Declínio de Temer no exterior ajuda Macri a projetar Argentina
  74. O mundo, para as crianças, é a sua comunidade
  75. Misto de sentimentos marca saída dos militares brasileiros do Haiti
  76. Desemprego e informalidade assolam mulheres da América Latina
  77. Automedicação pode ter graves consequências
  78. Lei de Cotas em concurso é julgada constitucional, mas ainda motiva ações
  79. Migração: nova lei assegura direitos e combate a discriminação
  80. Grande São Paulo precisa controlar a emissão dos veículos a diesel
  81. O perfil dos corredores de rua amadores
  82. Há 100 anos, greve geral parou São Paulo
  83. Desvendando o cártamo: o que esse óleo pode fazer por sua dieta?
  84. Expectativa de vida de transexuais é de 35 anos, metade da média nacional
  85. Dalva de Oliveira
  86. Sem espaço adequado, Câmara guarda 1,2 mil obras de arte longe do público
  87. Doenças do inverno: Como fortalecer a alimentação e afastar os males típicos dessa época
  88. São Paulo precisa redescobrir a relação com seus rios
  89. Intervenções na Amazônia maquiam problemas, aponta pesquisador
  90. Plano Nacional de Educação completa três anos com apenas 20% das metas cumpridas
  91. Ao completar 9 anos, Lei Seca não impede que motoristas dirijam alcoolizados
  92. COOs e CTOs: corram para as montanhas!
  93. Crianças com microcefalia têm atendimento especializado
  94. Cruz Vermelha alerta para retorno da guerra urbana no Oriente Médio
  95. O que você come à noite pode atrapalhar o emagrecimento?
  96. Brasil registra aumento de trabalho infantil entre crianças de 5 a 9 anos
  97. Senado do Império estudou transposição do Rio São Francisco
  98. Projeto reacende debate sobre alimentos transgênicos
  99. Lei cria documento único de identificação nacional
  100. Pesquisa e desenvolvimento são principais ferramentas para eficiência energética