Saí da Igreja do Rosário, andei por São Paulo e tropecei na históriaPaís busca soluções para aumento de judicialização na saúde

Como a busca por edifícios e lugares tombados revela nosso desconhecimento sobre a cidade

 Sai 01 temsproario

O templo da Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos remonta ao século 18: metamorfoses
da cidade expulsaram o templo em 1903 para o Largo do Paiçandu.

Luiz Prado/Jornal da USP

Quando a cachaça joga maio de volta ao verão no meu estômago, sacudo a cabeça, deixo três moedas no balcão do bar e ganho o asfalto. O Largo do Paiçandu está um campo de refugiados. Barracas, lonas, distribuição de comida, equipes de tevê, curiosos e sim, claro, gente. As famílias e os sem-família do Wilton Paes de Almeida, o prédio que pegou fogo na madrugada do dia primeiro. Do edifício de 24 andares só resta o som dos escombros escavados, um espectro auditivo da tragédia.

Lembro da foto que chegou por e-mail, a imagem aérea do perímetro do desastre. Exaurido de desgraça, o olhar foi seduzido pela igreja de muros amarelados, subversiva em meio ao cinza de tudo: prédios, ruas, céu. Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos. Um ponto ensolarado, quase lembrança de cidade pequena, obscenidade alegre em torno da qual orbita o crescimento urbano. Anônima, não fosse o crescendo humano de desabrigados fazendo vizinhança. Desconhecida, mesmo tombada e preservada pelo poder público.

Sai 02 temsproarioEssa igreja justifica minha missão hoje. Concreto e cimento. Procuro história e arquitetura. Tenho uma lista que começa por esse templo. Edificações e lugares tombados pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo, o Condephaat. E sonegados ao olhar pelo entorno. Levanto os olhos, lanço despedidas aos aflitos e focalizo o primeiro alvo. Construção singela, símbolo pronto de toda essa dor, esperança, fé, resignação, força e falta. A Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, encravada no centro do largo, é a personificação arquitetônica da situação que se multiplica ao meu redor.

Materialização da devoção da irmandade que ostenta o mesmo nome, o templo remonta ao século 18, quando a empobrecida confraria formada por negros ergueu sua primeira capela em algum lugar do Vale do Anhangabaú. Em 1737 já estava de mudança, uma nova igreja instalada na Praça Antonio Prado. As metamorfoses da cidade em expansão expulsaram o templo em 1903, arremessando-o dessa vez para o sítio onde permanece até hoje. Os remanescentes do cemitério da Irmandade, nessas trajetórias tradicionais da política brasileira, acabaram com o irmão do prefeito de São Paulo, Martinico Prado.

Um camafeu tímido, circundado por prédios mais modernos que sobem como muralha fazendo sombra em sua torre. Apequenada por dimensões como as da Galeria do Rock e da Galeria Olido, a igrejinha amarela encara cotidianamente irmãos mais novos encorpados, que disputam sua existência junto aos olhos de quem passa com pressa. Uma lei mantém suas paredes em pé, mas fazem qualquer coisa por seu sol e nossas atenções?

“O tombamento é um dos instrumentos de proteção jurídica e física do patrimônio.” Lembro-me dessas palavras ditas por Simone Scifoni, professora da Faculdade de Filosofia da USP e conselheira do Condephaat. Nossa conversa foi por telefone, uma orientação para o olhar que ardia com tanta materialidade. “Agora, nem sempre os instrumentos jurídicos conseguem garantir a proteção efetiva desses patrimônios. Essa é a principal problemática da preservação”.

Sai 03 temsproarioDe volta ao centro. Ignoro a inspiração de Caetano Veloso e tomo a São João, não em direção à Ipiranga, mas procurando tudo que não é espelho. Um sinal fechado para pedestres abre as comportas do aluvião de motos, carros, ônibus e buzinas que me separa do calçadão-ladeira. Os veículos, glóbulos vermelhos mantendo viva a cidade, ao mesmo tempo intoxicando-a com gás carbônico, poluição sonora e estresse. A modernidade é o remédio e o veneno do mundo.

É essa modernidade que oprime, ombro a ombro, o pálido edifício do Conservatório Dramático Musical. Suas linhas são delicadas, um DNA impregnado de linguagem neoclássica, com salas que abrigaram o professor Mário de Andrade, também diretor da instituição. O prédio data de 1895, quando já contava com uma sala de espetáculos. Em 1896 cresceu para se tornar um hotel. O conservatório chegou em 1908. Desde 2013, foi fagocitado pelo Complexo Cultural Praça das Artes, que esmaga as paredes claras do prédio e insinua para a estatuária no topo a hora de dizer adeus.

“Na legislação, tanto federal como estadual e municipal, existe o instrumento da área envoltória.” Novamente, a voz de Simone. “É um perímetro em torno do bem tombado no qual qualquer obra ou intervenção tem de ser avaliada pelo órgão de preservação, tendo em vista proteger sua característica histórica, a visibilidade, o destaque e a fruição visual. O problema é que nas áreas centrais da cidade o interesse imobiliário é muito grande e isso tem feito com que os órgãos de preservação sejam muito flexíveis em impedir essas obras no entorno.”

Perante a fachada deserta, ninguém menciona interesse. Olho em volta e a vida parece prescindir de um Conservatório Dramático Musical tombado. Corro para seus portões e agito as grades, tento sentar em seus degraus, hesito junto ao mau cheiro. Espanto pombas, me faço de desvairado. O conservatório não existe. As pessoas desfilam diante de um fantasma. Se existisse um rombo no céu, como o Wilton Paes de Almeida, o edifício ruído, faria diferença? Ausência chamaria mais atenção que presença?

Assustado com aparições e nulidades, corro de volta pela São João, disparo em busca de vida. Tenho instantâneos de antigos cinemas de rua, deliro com a cinelândia paulistana virada em estacionamentos e diversões adultas. A gente indo e voltando numa cidade cenográfica. Cada prédio sangra uma história e novos blocos de concreto, pinturas, vidros espelhados e fachadas estancam as décadas até o esquecimento.
Sim, eu pedi respostas a Simone. Como sensibilizar as pessoas? Qual é o caminho para o passado preservado agarrar o presente?

“Nós podemos investir em políticas de educação patrimonial para que o conhecimento sobre a história desses prédios e lugares protegidos chegue à população, para que ela conheça as razões e motivações que levaram ao tombamento.” Isso só não basta, contudo. O afeto. Um abraço metafórico cotidiano precisa acontecer. “Por vezes, os grupos sociais não conhecem a informação histórica, mas, mesmo assim, têm uma relação afetiva, de fruição com esses bens. Isso cria um significado para eles. Não é necessariamente a falta de informação histórica que está na raiz do problema. Esse valor afetivo, os bens permanecerem no cotidiano das pessoas, é o que acho mais significativo. É o que leva as pessoas a demandarem patrimônio”.

Quando me acalmo é o Edifício Esther que domina o panorama. Estou na Praça da República, entre jogadores de búzios, garotos de programa e comida frita. A construção do outro lado da rua é concreto armado e alvenaria desde 1938, o primeiro prédio de grande porte lançado ao céu pela cidade. Cheio de gente em conjuntos comerciais e apartamentos residenciais, outra preservação assegurada pelo Condephaat. Sigo enfiado em ruas escurecidas por prédios, os cânions da modernidade que fazem zigue-zague no terceiro mundo. Vendedores africanos, lojas de telefonia móvel, mesas na calçada e cervejas nos copos. Tudo ao mesmo tempo agora, sentidos hiperestimulados e qual é a importância de alguns prédios velhos?

Faço pouso no Largo da Memória. Sou um tropeiro moderno, repisando o chão do antepassado Largo do Piques. Aqui era um barranco e a modernidade começa com esse obelisco de 1814, construído por Vicente Gomes Pereira, o Mestre Vicentinho, sob projeto de Daniel Pedro Müller. Foi o Centenário da Independência que levou Washington Luís, em 1919, a contratar o francês radicado no Brasil Victor Dubugras para reformar o largo. Estilo neocolonial, um chafariz e azulejos pintados por José Wasth Rodrigues. Poderia caminhar o dia todo, virar noite, dormir num hotel barato e continuar investigando o passado que persiste, puxado por legislação e empenho. Igrejas, prédios, praças: que orações secretas esse vocabulário de cimento escreve no território?

Sai 04 temsproarioO dicionário é imenso para a capacidade do olhar. Na Sé, agarro a Igreja da Nossa Senhora da Boa Morte, a Garagem Riachuelo e o Solar da Marquesa de Santos. Na Liberdade, decifro o Círculo Esotérico da Comunhão do Pensamento e a Capela dos Aflitos. Que propício! Estou num beco e me sinto um personagem, poderia ser protagonista literário. A Capela dos Aflitos. Nossa Senhora dos Aflitos é cultuada atrás dessas paredes e por aqui esteve também o Cemitério dos Aflitos, a primeira necrópole pública da cidade. A taipa e o pilão ergueram os muros do templo em 1774, o tijolo e o concreto armado vieram depois.

Sai 05 temsproario

A inauguração do cemitério da Consolação em 1858 selou o destino do lugar. Loteado a particulares, o terreno viu crescer construções ao redor da capela e ficou apenas a aflição. “O controle da sociedade sobre as decisões e o funcionamento dos órgãos de preservação é fundamental para garantir a eficácia da manutenção desse patrimônio reconhecido.” As respostas de Simone continuam a ecoar. “Quanto mais a sociedade tiver acesso e controle, quanto mais puder acompanhar o que é decidido e compreender o significado das decisões, mais nós temos a possibilidade de garantir a proteção desses bens. Porque o fato de estar tombado, de estar protegido legalmente não significa que, na prática, essa proteção se viabiliza.”

Séculos de ideias, trabalhadores, cimento, concreto, moradia, religião, escritório, pombas, moradores de rua. A cidade me vê enquanto penso. Eu continuo. A Igreja Nossa Senhora do Rosário saiu do eclipse. Por quanto tempo? A cidade chama a sociedade para permanecer viva.

Mais artigos...

  1. País busca soluções para aumento de judicialização na saúde
  2. Divisão de tarefas domésticas ainda é desigual no Brasil
  3. Cuidar da saúde é principal motivação dos que se planejam para aposentadoria
  4. Economia brasileira ainda não sentiu efeitos da Copa 2018
  5. Senado e Câmara aprovaram Lei Áurea em apenas 5 dias
  6. Dimension Data e Cisco expandem tecnologia anticaça na África
  7. Proteção de dados ganha importância na política e economia no Brasil
  8. Mais de 80 mil brasileiros migraram para Portugal em busca de segurança
  9. A cinco meses das eleições, Câmara e Senado trabalham em ritmo lento
  10. Jornais noticiaram Esquadrão da Morte de acordo com clima político
  11. Famílias sonham com clínica-escola gratuita para autistas
  12. Senado avança na definição de código que defende contribuintes
  13. Livro explica o poder e a consolidação dos Estados Unidos
  14. Pediatras lançam campanha para elucidar mitos sobre saúde infantil
  15. Mais de 40% dos brasileiros até 14 anos vivem em situação de pobreza
  16. Um milhão de indígenas brasileiros buscam alternativas para sobreviver
  17. Cuba elege 1º presidente após 60 anos de governo dos irmãos Castro
  18. Oito em cada dez brasileiros não se preparam para aposentadoria
  19. Vida de Adoniran Barbosa é tema de documentário
  20. Proximidade entre animais domésticos e silvestres traz riscos de doenças a humanos
  21. IBGE: ricos receberam 36 vezes acima do que ganharam os pobres em 2017
  22. Pesquisa revela que 58% dos brasileiros não se dedicam às próprias finanças
  23. Os mano e as mina na mira dos homi
  24. Maior virtuose do bandolim é lembrado no seu centenário
  25. Ferramenta auxilia na preparação tática de goleiros
  26. "Eu tenho um sonho!" - morte de Martin Luther King completou 50 anos e ex-assessor relembra lutas
  27. Multiculturalismo no futebol deve se expandir em seleções europeias
  28. Dia da Constituição comemorou avanços na cidadania desde a independência do Brasil
  29. Três anos depois de aprovada, Lei do Feminicídio tem avanços e desafios
  30. BC: Selic deve voltar a ter redução em maio e cortes se encerram em junho
  31. Em busca de um novo modelo de gestão para o uso da água
  32. Lei poderá dar segurança ao Farmácia Popular
  33. Acesso dos pobres à água só é possível com controle social, dizem especialistas
  34. Por que as mulheres “desapareceram” dos cursos de computação?
  35. Interiorização de venezuelanos para São Paulo e Manaus começa em abril
  36. Relatório da Unesco sobre água propõe soluções baseadas na natureza
  37. Veja quem luta contra quem no conflito na Síria
  38. Surto de febre amarela desafia vigilância de epidemias
  39. São Paulo, uma metrópole para poucos
  40. Mesmo com decisão do TST, governo não descarta privatização dos Correios
  41. Documento único estará disponível em julho
  42. Mulheres são donas de 31% de empresas nos Estados Unidos
  43. IBGE: mulheres ganham menos que homens mesmo sendo maioria com ensino superior
  44. Cadastro Positivo: Entenda o que é e quais são os reais benefícios ao consumidor
  45. CNI recomenda desburocratização, educação e pesquisa para indústria crescer
  46. Seu próximo negócio poderá ser de outro planeta
  47. Soluções sertanejas ajudam a vencer a seca no semiárido nordestino
  48. Pesquisador destaca papel da irrigação na sustentabilidade ambiental
  49. Laser infravermelho ajuda a combater gordura no fígado
  50. Leis não alteraram perfil dos caminhoneiros no Brasil, mostra estudo
  51. Técnicas de redução de ansiedade ajudam a acertar pênaltis
  52. Cremes dentais não resolvem sozinhos erosão dental e hipersensibilidade dos dentes
  53. Pesquisa diz que, de 69 milhões de casas, só 2,8% não têm TV no Brasil
  54. Hábitos alimentares deram nova identidade a japoneses na Amazônia
  55. Vitória antitabagista
  56. Desmatamento vai aquecer clima do planeta mais que o estimado
  57. Medida Provisória que altera reforma trabalhista ainda não começou a tramitar
  58. De Picasso a Chagall – Conheça o Carnaval retratado na arte
  59. Portela lembra na avenida os imigrantes judeus que se instalaram no Recife
  60. Beija-Flor fecha grupo especial com desfile sobre monstros e seus criadores
  61. União da Ilha desfila os sabores da culinária brasileira
  62. Na Marquês de Sapucaí, Imperatriz conta enredo dos 200 anos do Museu Nacional
  63. Haitianos são maioria entre os imigrantes no mercado formal brasileiro
  64. 60% das lesões no futebol atingem as coxas e joelhos
  65. Mídia representa pessoas em situação de rua de forma negativa
  66. Rap e jazz facilitam formação cultural e engajamento na escola
  67. Nova lei dá esperança a quem aguarda adoção
  68. Conheça 10 receitas 'italianas' que só existem no Brasil
  69. Brasileiros beneficiados pelo Daca vivem incerteza nos Estados Unidos
  70. Aumento de bilionários em 2017 poderia acabar com a extrema pobreza por 7 vezes
  71. Confira dez perguntas e curiosidades sobre a febre amarela
  72. Cai percepção de piora da economia entre comerciantes
  73. O escritor portenho Jorge Luis Borges continua dando o que falar
  74. Hepatite A: saiba como se pega o vírus, quais são os sintomas e tratamentos
  75. Queda da inflação beneficiou mais a classe de renda baixa, diz Ipea
  76. Psicanálise também tem lugar para pessoas em vulnerabilidade social
  77. Pesquisa identifica populações mais vulneráveis a transtornos mentais graves
  78. Promoções impulsionam comércio e vendas no varejo cresceram 0,7% em novembro
  79. Etanol brasileiro pode substituir 13,7% do petróleo consumido no mundo
  80. Eleições e Copa do Mundo devem afetar pauta de votações no Congresso
  81. Livro em tupi moderno busca fortalecer o idioma na Amazônia
  82. Retrospectiva/2017: Fim da recessão, queda de juros e da inflação marcaram a economia
  83. Retrospectiva/2017: O ano dos ataques cibernéticos
  84. Retrospectiva/2017: O ano em que o Brasil mostrou que se importa com a Amazônia
  85. Lado brasileiro de Itaipu também poderá ser reserva de biosfera da Unesco
  86. Simplificar para melhorar (e muito): a urgente Reforma Tributária
  87. Fake news e controle na internet são desafios para as eleições de 2018
  88. Condições de vida são mais baixas em áreas longe dos centros
  89. Bichos de pelúcia substituem animais de laboratório em aulas na USP
  90. IBGE: 50 milhões de brasileiros vivem na linha de pobreza
  91. Em 2015 sete municípios respondiam por 25% do PIB do país, mostra IBGE
  92. País ainda precisa avançar no combate ao racismo
  93. Com política eficiente, país pode reverter prazo para cumprir objetivos estipulados pela ONU
  94. 70 anos da maior descoberta arqueológica bíblica: Manuscritos do Mar Morto
  95. Bitcoin passa de US$ 13 mil e vira 'desejo de consumo'
  96. Pesquisa do IBGE mostra trabalho "invisível" feito em 2016 no país
  97. Divórcio demorou a chegar no Brasil
  98. Prédios públicos ficam vermelhos contra a aids
  99. Estudo resgata a história do Movimento do Custo de Vida
  100. Anabolizantes comprometem funcionalidade do “colesterol bom”
Mais Lidas