Economia brasileira ainda não sentiu efeitos da Copa 2018

A exatos 30 dias da abertura da Copa de 2018 – e no dia em que a Seleção Brasileira foi convocada para o maior evento esportivo do planeta – poucos efeitos têm sido notados na economia por conta do Mundial, a ser realizado a partir de 14 de junho, na Rússia

Economia 1 temporario

Comércio espera que a Copa resulte na venda de 12,5 milhões de aparelhos de tv em todo o país,
total 10% superior ao de 2017.

A exatos 30 dias da abertura da Copa de 2018 – e no dia em que a Seleção Brasileira foi convocada para o maior evento esportivo do planeta – poucos efeitos têm sido notados na economia por conta do Mundial, a ser realizado a partir de 14 de junho, na Rússia

Nem mesmo o setor de eletroeletrônicos, que é o mais beneficiado no período, tem demonstrado otimismo com as vendas. Especialistas apontam que, em função da crise, há indicações de que o setor informal venha a ser o mais beneficiado pela Copa deste ano.

De acordo com a Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos (Eletros), a expectativa é que a Copa resulte na venda de 12,5 milhões de aparelhos de tv em 2018. Apesar de o volume ser 10% superior ao de 2017, a tendência é de que, no primeiro semestre de 2018, ele fique abaixo do anotado no mesmo período em 2014, quando da última Copa, realizada no Brasil, e vencida pela Alemanha.

“Na comparação com o primeiro semestre de 2014, quando foram vendidas 7,935 milhões de TVs, o volume estimado para 2018 é 14% menor”, disse o presidente da Eletros, Lourival Kiçula, ao afirmar que a indústria se preparou “com bastante antecedência” para esta Copa, no sentido de suprir as demandas vindas dos varejistas e de garantir a reposição de estoques.

Segundo ele, a Copa do Mundo representa uma “inversão de sazonalidade”, uma vez que traz, para o primeiro semestre do ano, as vendas de aparelhos eletrônicos que normalmente ocorrem com maior intensidade no segundo semestre. “O mercado de televisores muda de patamar a cada quatro anos. Os televisores ganham mais evidência, uma vez que todos os brasileiros, apaixonados por futebol, querem acompanhar os lances de perto com a máxima qualidade de imagem”, disse.

A venda de televisores pode acarretar em um efeito dominó positivo para outros setores. É o caso da TV por assinatura. “A exemplo das Olimpíadas, a Copa ajuda a aumentar a demanda no nosso setor. As pessoas se preparam para a Copa. Elas trocam de televisor, e isso também é algo que as motiva a adquirir canais por assinatura. Uma coisa puxa a outra”, disse o diretor de Produtos de TV por Assinatura da NET, Alessandro Maluf.

Citando levantamentos feitos pela Agência Nacional de Telecomunicações, a Associação Brasileira de Televisão por Assinatura (ABTA) diz que o setor como um todo registra queda de assinaturas há dois anos, mas que a tendência é de estagnação, já que entre março e abril a redução do número de assinaturas ficou menor, em apenas 900 assinaturas.

Economia 3 temporario“Nosso setor sofre fortemente os impactos da economia, e sentimos uma certa retração no mercado ao longo dos últimos anos. A Copa, no entanto, representa um estímulo para a TV por assinatura. Temos identificado um aumento de demanda e de pessoas interessadas nos canais esportivos”, disse o diretor da NET. “Em geral nosso carro-chefe são os canais de filmes, os infantis, seguidos dos canais de esportes e de séries. No entanto, em ano de Copa, isso muda, e o carro-chefe fica com os canais de esportes”, afirmou.

Com base na apuração feita com suas associadas, a Associação Brasileira de Agências de Viagens (ABAV) indica que até o momento as vendas estão dentro da normalidade para o período, e que, em geral, elas se intensificam a partir deste mês. Os destinos nacionais despontam com 65% da procura, ante 35% do internacional.

A realização da Copa do Mundo no período é apontada como possível fator a pesar na menor procura por viagens mais distantes ou de longa duração em julho. Entre os destinos nacionais, os mais procurados para julho têm sido Maceió e Porto de Galinhas. O aumento do dólar nas últimas semanas também têm resultado na queda da procura por destinos internacionais. Neste caso, os destinos mais procurados são Santiago, no Chile, e Cancún, no México.

Segundo o professor da Faculdade de Economia da Universidade de Brasília (UnB) Marilson Dantas, a crise econômica prejudicará ainda mais “o efeito mínimo” que a Copa terá para a economia do país. Segundo ele, a tendência será a de favorecer o consumo de produtos mais baratos, oriundos da economia informal.

“O efeito da Copa para o Brasil será mínimo. Incentivará o consumo de alguns produtos específicos e de forma pontual. É o caso, principalmente, dos televisores. Mas em termos gerais o efeito é mínimo, ainda mais em um período de crise como o atual, que naturalmente já levaria as pessoas a consumirem produtos mais baratos como os ofertados pelo comércio informal”, disse.

O comércio informal, acrescenta, não deixa de ser relevante e positivo do ponto de vista econômico, até por ter, em sua cadeia, diversas etapas de formalidade econômica. “Toda oportunidade de consumo gera riqueza. A economia é única, independentemente de ser ou não formal e ligada a uma pessoa jurídica. A economia informal está dentro da economia. Apenas não é alcançada pela área tributária. Ela apresentará resultados, ainda que não preponderantes para o processo de desemprego”, opinou o professor da UnB.

Segundo ele, o consumo relacionado à temática da Copa em grande parte será direcionado a pequenas empresas ou empresas informais que não pagam royalties para a Fifa. Elas são as mais beneficiadas por conta do Mundial da Rússia. “É lá [na economia informal] que estará a maior parte do volume a ser comercializado: bandeiras, camisas não oficiais e, principalmente, apetrechos de pequeno valor”, disse ele.

Ciente dessa tendência, o comerciante Elho Carmo de Souza já disponibilizou algumas camisas “não oficiais” e bandeiras para capôs de carros logo à frente de sua loja, em uma das entradas da Feira dos Importados, em Brasília. As vendas não vão bem. Apenas uma camisa de R$ 30 foi vendida desde que ele montou um varal com seus produtos.Economia 2 temporario

“Por enquanto, minha proposta é apenas garantir esse ponto de venda. Eu sei que as vendas só vão começar mesmo a partir de junho, quando começa a Copa”, disse o comerciante que, a cerca de 30 metros da própria loja, é também camelô.

Vendedora em uma loja de roupa esportiva, Lorena Saram diz que as vendas estão bastante travadas. “Notamos uma preferência das pessoas pelas camisas temáticas dos títulos já conquistados pela Seleção Brasileira. Mesmo assim, temos vendido pouco. Em média, apenas uma camisa por dia”, disse. Ela acredita que a situação irá melhorar um pouco a partir dos próximos dias. “O brasileiro gosta de fazer tudo em cima da hora. Acho que não será diferente em se tratando da Copa do Mundo.”

Na Copa de 2014, sediada no Brasil, o peso do evento na economia foi bem maior. “Para os países que sediam a Copa, o efeito é muito maior e envolve todo um processo de investimento pesado, que antecipa demandas de infraestrutura pública, visando os chamados legados. Nesse caso, o setor mais beneficiado é o dos transportes, que têm relação direta com jogos e com os estádios”, explica o professor Dantas, da UnB.

No caso do Brasil, os investimentos foram essencialmente públicos, o que, segundo o professor, acabou por prejudicar as contas públicas.

“Infelizmente não tivemos competência efetiva para atingir todas as metas relacionadas ao legado, já que parte das obras não foi concluída. Dívidas foram contraídas, mas resultados não foram consolidados. Isso costuma acontecer com a grande maioria dos países que sedia a Copa. Não é uma exclusividade do Brasil”, afirmou.

“O esforço foi muito grande e o resultado muito pequeno e envolto a suspeitas de desvios que resultaram em investigações. Veja o caso de Brasília onde foi construído um estádio de quase R$ 2 bilhões. Criamos uma dívida pesada que não faz sentido. Gastou-se para gastar mais, porque, além do pagamento da dívida, pagam-se juros e, agora, gasta-se ainda mais por conta da necessidade de manutenção do estádio”, finalizou (ABr).

Mais artigos...

  1. Senado e Câmara aprovaram Lei Áurea em apenas 5 dias
  2. Dimension Data e Cisco expandem tecnologia anticaça na África
  3. Proteção de dados ganha importância na política e economia no Brasil
  4. Mais de 80 mil brasileiros migraram para Portugal em busca de segurança
  5. A cinco meses das eleições, Câmara e Senado trabalham em ritmo lento
  6. Jornais noticiaram Esquadrão da Morte de acordo com clima político
  7. Famílias sonham com clínica-escola gratuita para autistas
  8. Senado avança na definição de código que defende contribuintes
  9. Livro explica o poder e a consolidação dos Estados Unidos
  10. Pediatras lançam campanha para elucidar mitos sobre saúde infantil
  11. Mais de 40% dos brasileiros até 14 anos vivem em situação de pobreza
  12. Um milhão de indígenas brasileiros buscam alternativas para sobreviver
  13. Cuba elege 1º presidente após 60 anos de governo dos irmãos Castro
  14. Oito em cada dez brasileiros não se preparam para aposentadoria
  15. Vida de Adoniran Barbosa é tema de documentário
  16. Proximidade entre animais domésticos e silvestres traz riscos de doenças a humanos
  17. IBGE: ricos receberam 36 vezes acima do que ganharam os pobres em 2017
  18. Pesquisa revela que 58% dos brasileiros não se dedicam às próprias finanças
  19. Os mano e as mina na mira dos homi
  20. Maior virtuose do bandolim é lembrado no seu centenário
  21. Ferramenta auxilia na preparação tática de goleiros
  22. "Eu tenho um sonho!" - morte de Martin Luther King completou 50 anos e ex-assessor relembra lutas
  23. Multiculturalismo no futebol deve se expandir em seleções europeias
  24. Dia da Constituição comemorou avanços na cidadania desde a independência do Brasil
  25. Três anos depois de aprovada, Lei do Feminicídio tem avanços e desafios
  26. BC: Selic deve voltar a ter redução em maio e cortes se encerram em junho
  27. Em busca de um novo modelo de gestão para o uso da água
  28. Lei poderá dar segurança ao Farmácia Popular
  29. Acesso dos pobres à água só é possível com controle social, dizem especialistas
  30. Por que as mulheres “desapareceram” dos cursos de computação?
  31. Interiorização de venezuelanos para São Paulo e Manaus começa em abril
  32. Relatório da Unesco sobre água propõe soluções baseadas na natureza
  33. Veja quem luta contra quem no conflito na Síria
  34. Surto de febre amarela desafia vigilância de epidemias
  35. São Paulo, uma metrópole para poucos
  36. Mesmo com decisão do TST, governo não descarta privatização dos Correios
  37. Documento único estará disponível em julho
  38. Mulheres são donas de 31% de empresas nos Estados Unidos
  39. IBGE: mulheres ganham menos que homens mesmo sendo maioria com ensino superior
  40. Cadastro Positivo: Entenda o que é e quais são os reais benefícios ao consumidor
  41. CNI recomenda desburocratização, educação e pesquisa para indústria crescer
  42. Seu próximo negócio poderá ser de outro planeta
  43. Soluções sertanejas ajudam a vencer a seca no semiárido nordestino
  44. Pesquisador destaca papel da irrigação na sustentabilidade ambiental
  45. Laser infravermelho ajuda a combater gordura no fígado
  46. Leis não alteraram perfil dos caminhoneiros no Brasil, mostra estudo
  47. Técnicas de redução de ansiedade ajudam a acertar pênaltis
  48. Cremes dentais não resolvem sozinhos erosão dental e hipersensibilidade dos dentes
  49. Pesquisa diz que, de 69 milhões de casas, só 2,8% não têm TV no Brasil
  50. Hábitos alimentares deram nova identidade a japoneses na Amazônia
  51. Vitória antitabagista
  52. Desmatamento vai aquecer clima do planeta mais que o estimado
  53. Medida Provisória que altera reforma trabalhista ainda não começou a tramitar
  54. De Picasso a Chagall – Conheça o Carnaval retratado na arte
  55. Portela lembra na avenida os imigrantes judeus que se instalaram no Recife
  56. Beija-Flor fecha grupo especial com desfile sobre monstros e seus criadores
  57. União da Ilha desfila os sabores da culinária brasileira
  58. Na Marquês de Sapucaí, Imperatriz conta enredo dos 200 anos do Museu Nacional
  59. Haitianos são maioria entre os imigrantes no mercado formal brasileiro
  60. 60% das lesões no futebol atingem as coxas e joelhos
  61. Mídia representa pessoas em situação de rua de forma negativa
  62. Rap e jazz facilitam formação cultural e engajamento na escola
  63. Nova lei dá esperança a quem aguarda adoção
  64. Conheça 10 receitas 'italianas' que só existem no Brasil
  65. Brasileiros beneficiados pelo Daca vivem incerteza nos Estados Unidos
  66. Aumento de bilionários em 2017 poderia acabar com a extrema pobreza por 7 vezes
  67. Confira dez perguntas e curiosidades sobre a febre amarela
  68. Cai percepção de piora da economia entre comerciantes
  69. O escritor portenho Jorge Luis Borges continua dando o que falar
  70. Hepatite A: saiba como se pega o vírus, quais são os sintomas e tratamentos
  71. Queda da inflação beneficiou mais a classe de renda baixa, diz Ipea
  72. Psicanálise também tem lugar para pessoas em vulnerabilidade social
  73. Pesquisa identifica populações mais vulneráveis a transtornos mentais graves
  74. Promoções impulsionam comércio e vendas no varejo cresceram 0,7% em novembro
  75. Etanol brasileiro pode substituir 13,7% do petróleo consumido no mundo
  76. Eleições e Copa do Mundo devem afetar pauta de votações no Congresso
  77. Livro em tupi moderno busca fortalecer o idioma na Amazônia
  78. Retrospectiva/2017: Fim da recessão, queda de juros e da inflação marcaram a economia
  79. Retrospectiva/2017: O ano dos ataques cibernéticos
  80. Retrospectiva/2017: O ano em que o Brasil mostrou que se importa com a Amazônia
  81. Lado brasileiro de Itaipu também poderá ser reserva de biosfera da Unesco
  82. Simplificar para melhorar (e muito): a urgente Reforma Tributária
  83. Fake news e controle na internet são desafios para as eleições de 2018
  84. Condições de vida são mais baixas em áreas longe dos centros
  85. Bichos de pelúcia substituem animais de laboratório em aulas na USP
  86. IBGE: 50 milhões de brasileiros vivem na linha de pobreza
  87. Em 2015 sete municípios respondiam por 25% do PIB do país, mostra IBGE
  88. País ainda precisa avançar no combate ao racismo
  89. Com política eficiente, país pode reverter prazo para cumprir objetivos estipulados pela ONU
  90. 70 anos da maior descoberta arqueológica bíblica: Manuscritos do Mar Morto
  91. Bitcoin passa de US$ 13 mil e vira 'desejo de consumo'
  92. Pesquisa do IBGE mostra trabalho "invisível" feito em 2016 no país
  93. Divórcio demorou a chegar no Brasil
  94. Prédios públicos ficam vermelhos contra a aids
  95. Estudo resgata a história do Movimento do Custo de Vida
  96. Anabolizantes comprometem funcionalidade do “colesterol bom”
  97. Presença de árvores reduz casos de câncer de pulmão em idosos
  98. Proximidade do verão aciona alerta para desastres naturais
  99. Nova lei regula situação de estrangeiros no país
  100. SP e Prefeitura de Humaitá atendem ribeirinhos no Amazonas
Mais Lidas