Mulheres lutam por igualdade, mas problemas históricos persistem

O feminismo tem ganhado cada vez mais força na sociedade brasileira. Na internet e nas ruas, mais brasileiras estão se manifestando em defesa da igualdade de gênero e do fim da violência. No ano passado, a Marcha das Margaridas e a das Mulheres Negras levaram milhares de militantes a Brasília para pedir melhorias para a vida de 51,4% da população brasileira.

Marcello Casal Jr/ABr

Na internet e nas ruas, mais brasileiras estão se manifestando em defesa da igualdade de gênero e do fim da violência.

Maiana Diniz/ABr

A secretária de Autonomia Feminina da Secretaria de Política para as Mulheres, Tatau Godinho, avalia o que o fenômeno é muito positivo para o combate ao machismo do dia a dia. “Estamos assistindo a uma camada imensa de mulheres jovens darem um novo impulso à ideia de que a igualdade entre mulheres e homens é uma coisa legal, fundamental para se ter uma sociedade moderna, e que o feminismo não é uma pauta antiga, está nas questões cotidianas”, disse. Apesar da popularização do debate, as brasileiras ainda precisam encarar problemas como as desigualdades salariais, a pouca representatividade política e a violência.

Tatau Godinho destaca que um dos principais obstáculos a ser superado é a desigualdade no mercado de trabalho. “As mulheres têm mais dificuldade de entrar e de chegar a cargos de chefia, e ganham menos que homens cumprindo a mesma função. O machismo faz com que mulheres sejam discriminadas no acesso aos melhores cargos”, avalia. Apesar de estudarem mais que os homens, elas encontram uma série de barreiras no ambiente profissional.

“Elas têm mais dificuldade de ingressar no mercado. Em torno de 50% das brasileiras estão ocupadas ou procurando emprego, enquanto a taxa de participação dos homens é de 80%. É uma distância muito grande. Não combina com o século 21, não parece ser do nosso tempo essa informação. E tem mais, as que conseguem entrar, têm empregos mais precários”, avalia a técnica de Planejamento e Pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Natália de Oliveira Fontoura.

Natália Fontoura, técnica do Ipea, diz que as mulheres encontram barreiras no mercado de trabalho.Segundo estudo da OCDE, o salário médio de uma mulher brasileira com educação superior representa 62% do de um homem com a mesma escolaridade. De acordo com o Ipea, a renda média dos homens brasileiros, em 2014, chegava a R$ 1.831,30. Entre as mulheres brancas, a renda média correspondia a 70,4% do salário deles: R$ 1.288,50. Já entre as mulheres negras, a média salarial era R$ 945,90. Segundo a especialista do Ipea, um dos componentes que explica a diferença de rendimentos entre homens e mulheres é o fato de elas ocuparem espaços menos valorizados. “Os cursos em que as mulheres são mais de 90% dos alunos, como pedagogia, se traduzem em salários mais baixos no mercado. E os cursos em que eles são a maioria, como as engenharias e ciências exatas, têm os salários mais altos. Há uma divisão sexual do conhecimento”, explica.

Especialista no assunto, Natália ressalta que não é possível entender a dificuldade das mulheres de entrar no mercado de trabalho sem pensar que, via de regra, no Brasil, recai sobre elas toda a atribuição do trabalho reprodutivo, que inclui os afazeres domésticos não remunerados e os cuidados com a família, uma sobrecarga que dificulta a evolução nos ambientes profissionais. “A responsabilização feminina sobre o trabalho reprodutivo explica a inserção de mulheres de forma mais precária no mercado de trabalho, por exemplo com jornadas menores, empregos informais e renda menor”. De acordo com o IBGE, em 2014, 90,7% das mulheres ocupadas realizavam afazeres domésticos e de cuidados – entre os homens, esse percentual era 51,3%.

Com a internet, feminismo está em alta entre as jovens.A pesquisadora defende que não dá para pensar na solução para o problema como um arranjo privado. “Hoje no Brasil a gente entende que as famílias têm que se virar e, dentro das famílias, são as mulheres que geralmente se responsabilizam. Isso é uma sobrecarga para as mulheres e vai impedir que participem da vida social, tenham mais bem-estar, participem da vida política e sindical, é um impeditivo para que mulheres ocupem uma série de espaços sociais. Para que a sociedade se reproduza e toda a população tenha bem-estar, alguém tem que garantir o cuidado a crianças e idosos. A quem cabe?”.

Ela analisa que é importante que haja uma mudança cultural para que o trabalho não remunerado seja visto como obrigação de todos e que haja divisão das tarefas com os homens e com os filhos. Ela ressalta, entretanto, que não se pode ficar esperando. “O Estado precisa assumir esse papel e oferecer serviços – tem que ter creche, educação integral, transporte escolar, mais de uma refeição nas escolas, instituição para atendimento de idosos, visitas domiciliares –, é um leque de políticas públicas de cuidado que só estamos engatinhando. Não é uma agenda do Brasil hoje”.

A iniciativa privada também pode colaborar. “A gente ouve casos bem-sucedidos de maior flexibilização [de carga horária], promoção da igualdade, co-responsabilização das empresas. Mas, se não houver uma legislação para que as empresas sejam chamadas e obrigadas a compartilhar essa responsabilidade, não vai acontecer”. Segundo Tatau Godinhho, a SPM trabalha com iniciativas que contribuem para a melhoria das condições da mulher no mercado trabalho. “As mudanças na legislação das trabalhadoras domésticas, por exemplo, significou uma melhoria do rendimento e das condições de trabalho dessas mulheres. Por outro lado, trabalhamos muito com as políticas que o governo vem desenvolvendo para o aumento de formalização do trabalho feminino. Quanto mais formal, melhor pago e estruturado. A informalidade é um elemento extremamente forte na desvalorização do trabalho feminino e na perda de rendimentos”.

Apesar de o Brasil ter escolhido uma mulher para Presidência da República, os cargos eletivos e os partidos políticos ainda são dominados por homens. O Brasil está na posição 154 em um ranking da União Inter Parlamentar (Inter-Parliament Union (IPU)) que avaliou a participação das mulheres nas casas legislativas de 191 países. A socióloga Carmen Silva, da organização SOS Corpo e da Articulação de Mulheres Brasileiras (AMB), avalia que vários fatores incidem para a baixa representatividade de mulheres na política. “A primeira coisa é a estrutura de desigualdade entre homens e mulheres na sociedade, no mercado de trabalho. Existe uma imagem sobre o que é uma mulher na sociedade, e elas ainda não são vistas como alguém de decisão, que resolve, e a ideia da política é ligado a isso”, disse.

Especialista defende uma reforma política radical que garanta paridade entre homens e mulheres nas listas partidárias.Carmen defende que o fato de elas serem minoria também é explicado pelo sistema político brasileiro, a base legal que rege o processo eleitoral e de formação dos partidos. “O tipo de estrutura que temos no Brasil inviabiliza a participação de setores que são minorias políticas na sociedade, apesar de serem maioria numérica. As mulheres são mais de metade da população, mas são menos de 10% nos cargos políticos, o mesmo acontece com os negros. As pessoas em situação de pobreza não conseguem nem se candidatar”.

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral, 6.337 mulheres e 15.653 homens se candidataram às eleições de 2014. Em 2010, 3.757 mulheres e 14.807 homens estavam aptos a concorrer às eleições. Apesar do aumento da participação feminina de um pleito para o outro, a proporção ficou abaixo dos 30% estipulado como mínimo pela legislação eleitoral. “A sociedade ainda considera a representação política como um espaço pouco adequado para mulheres”, avalia Tatau. A ativista explica que a AMB defende uma cota de eleitas, e não de candidatas. “Defendemos uma reserva de vagas no Congresso. A forma que temos proposto é que a eleição seja por partido, e não por pessoa. Votaríamos nos partidos e as listas seriam compostas metade por mulheres, metade por homens, e as vagas seriam divididas igualmente. Claro que isso tem que ser associado à formação política, campanhas culturais e melhores condições de vida para as mulheres”, diz.

Para Carmen, outro ponto crucial e que tem impacto sobre as mulheres é o financiamento das campanhas, que deveria ser público, tornando a ação política um direito republicano, mesmo que a pessoa não tenha dinheiro. Ela explicou que há projetos apresentados pela Frente pela Reforma do Sistema Político na Câmara dos Deputados, “mas que não têm avançado como a AMB julga necessário”. Desde 1997 a legislação eleitoral determina que as mulheres devem representar 30% do total de candidatos, mas a eficácia da regra é questionada por especialistas por não prever nenhuma sanção aos partidos que não preenchem a cota mínima de mulheres. A lei diz que, nesse caso, as vagas que deveriam ser delas não podem ser ocupadas por homens, mas não garante a presença delas.

Em 2015, a Lei 13.165 criou mecanismos para incentivar mulheres no cenário político, ao determinar que 5% dos recursos do Fundo Partidário devem ser investidos na criação e manutenção de programas de promoção e difusão da participação política das mulheres. Tatau avalia que essas legislações trouxeram avanços, mas que, para mudar esse cenário, é necessária uma reforma política radical que garanta paridade entre homens e mulheres nas listas partidárias. “Isso também precisa ser feito com um processo de mudança na organização político-partidária e eleitoral. Não é só a legislação que precisa mudar”, avalia.

Ela argumenta que a popularização do feminismo é importante, mas será ainda mais relevante na medida em que se vincule a uma plataforma de organização das mulheres por maior representação política. Em 2015, a Secretaria de Política para as Mulheres perdeu o status de ministério e, junto com a Secretaria de Igualdade Racial e de Direitos Humanos, passou a fazer parte do Ministério da Cidadania. O fato foi avaliado pelos movimentos feministas como um retrocesso para a luta pelos direitos das mulheres.

Mais artigos...

  1. Atuações de mulheres no setor de franquias crescem e redes comemoram
  2. Desperdício de comida desafia sociedade moderna
  3. Sífilis avança e deve chegar a quase 42 mil casos entre gestantes neste ano
  4. Quando as emoções entram em pane
  5. Medalha de ouro em Los Angeles, Joaquim Cruz busca sucessor em Brasília
  6. Remédio comum pode salvar da morte vítimas de escorpiões
  7. Voto impresso começa a valer em 2018, mas já é alvo de críticas
  8. PE: mais da metade das famílias de bebês com microcefalia são de baixa renda
  9. Crise de refugiados e violência ameaçaram direitos humanos em 2015
  10. Sistema ajuda portador de deficiência visual a se locomover
  11. Intervenções espirituais e religiosas na saúde são benéficas
  12. Livro resgata ideias econômicas de Roberto Simonsen
  13. Ensino de literaturas africanas precisa de melhorias
  14. Arqueologia na Amazônia elucida mistério de 500 anos
  15. Cérebro induz à escolha de alimentos calóricos para armazenar energia
  16. Obesidade pode interferir na aprendizagem das crianças
  17. Um dia na maior universidade de aviação do mundo
  18. Jornada de refugiados inclui perigos da travessia e desafios da integração
  19. Engraxates ambulantes influenciaram no samba paulistano
  20. Mais tempo para mães de prematuros
  21. Com diferentes estilos e histórias, 355 blocos animam carnaval paulistano
  22. Mesmo com crise, escolas prometem carnaval luxuoso em São Paulo
  23. Perda de emprego leva pessoas para o trabalho informal
  24. Eleição de líderes partidários movimenta retomada dos trabalhos legislativos
  25. Comissões de frente surpreendem por inovações a cada carnaval
  26. Desemprego fecha dezembro em 6,9% e atinge maior taxa para o mês desde 2007
  27. Escolas de samba apostam na especialização para produzir alegorias e adereços
  28. Vegetais: crus ou cozidos?
  29. Ano Novo Chinês: conheça as tradições milenares que marcam a data_a
  30. Travestis comemoram entrada em universidades e esperam diálogo mais saudável
  31. Aída foi a primeira a voar
  32. Aquífero Guarani: estudo analisa as negociações do acordo
  33. Cães reconhecem o significado de expressões emocionais
  34. DOI-Codi sequestra e mata Manoel Fiel e diz que metalúrgico cometeu suicídio
  35. Modernidade traz novos significados aos contos de fadas
  36. Distúrbios na tireoide podem causar ansiedade e depressão
  37. Atletas se destacam pela persistência; relembre momentos das Olimpíadas
  38. Oferta de frutas é similar em regiões ricas e pobres de São Paulo
  39. Pesquisa traça panorama dos acidentes de trânsito no Brasil
  40. Liga acadêmica une teoria e prática em ação para a sociedade
  41. Licença para voar
  42. Economias de aglomeração podem ampliar desigualdade espacial
  43. A supressão da cidadania nas celas
  44. 2015: O ano que o futebol começou a limpar as chuteiras
  45. Crise migratória e atentados terroristas marcam cenário internacional em 2015
  46. Conheça mitos e verdades sobre a osteoporose
  47. Peixe do rio Negro coletado por Alfred Wallace há 160 anos é finalmente descrito
  48. Projeto proíbe revista vexatória de visitante de jovem infrator internado
  49. Pequeno príncipe, grande aviador
  50. Patrimônio histórico nas mãos das Geociências
  51. Mudança no crime organizado ajudou a reduzir homicídios
  52. Universalização da pré-escola traz desafio gigantesco aos municípios
  53. Falta de assistência no nascimento de bebês incomoda mães
  54. Gastar menos energia é melhor ação contra aquecimento global
  55. Revelando o turista-fotógrafo
  56. Cidades pretendem reduzir quase pela metade emissões de CO2 até 2020
  57. O Estatuto do Desarmamento sob ameaça
  58. Getúlio e Collor também passaram por processo de impeachment
  59. Políticas públicas também tratam a saúde como mercadoria
  60. Estudo indica que Zika vírus está cada vez mais eficiente para infectar humanos
  61. Padronizar tamanho de roupas é possível, mostra estudo
  62. Pesquisador investiga a privatização e a concentração de capital no ensino superior
  63. Desmatamento reduz tamanho de peixes em região amazônica
  64. Mobilização marca vida dos encarcerados nas prisões
  65. Decreto regulamenta publicidade de alimentos infantis
  66. Chá verde e cacau protegem contra complicações causadas por diabete
  67. Lei de drogas vem causando lotação no sistema penitenciário
  68. Paleontólogos descrevem anfíbio gigante de 260 milhões de anos
  69. O padre aviador
  70. Presídio paraibano ilustra realidade do cárcere no Brasil
  71. Às vésperas da Rio 2016, legado da Olimpíada ainda é incógnita
  72. Rota de ônibus é definida com base no conforto do passageiro
  73. Filmes levam discussão sobre cultura indígena para a escola
  74. Entenda o que é a microcefalia e porque há um aumento dos casos em Pernambuco
  75. Pesquisas na Argentina dão vantagem ao candidato da oposição Mauricio Macri
  76. Modelo de governança é adaptado para clubes de futebol
  77. Estudante precisará de carteira padronizada para pagar meia
  78. Filha de Carolina de Jesus diz que não conseguiu ler livro mais famoso da mãe
  79. Envelhecimento da população precisa ser priorizado nas políticas públicas
  80. Entenda as novas regras para aposentadoria
  81. Elefante no Cerrado exerceria papel que já foi de mastodontes
  82. Fórmula auxilia médicos a lidarem com pé diabético
  83. Trotes telefônicos podem custar R$ 1 bilhão por ano ao país
  84. Tecnologia 29/10/2015
  85. Pesquisadores criam métodos estatísticos para prever fraudes em operações financeiras
  86. As particularidades da linguagem humorística brasileira
  87. Pílula da USP usada em tratamento contra o câncer divide opiniões
  88. Como identificar infarto, AVC e angina
  89. Viagens longas propiciam uso de drogas por caminhoneiros
  90. Jogos Mundiais: com máquinas ainda trabalhando, indígenas se instalam em Palmas
  91. Religiosidade traz alívio para idosos em hemodiálise
  92. Pequeno agricultor minimiza efeito do agrotóxico à saúde
  93. Educação financeira e previdenciária deve e pode começar na infância
  94. Uma em cada quatro pessoas morre no mundo por causas relacionadas à trombose
  95. Aviação também é um negócio bizarro!
  96. Material particulado veicular predomina no nível de poluição
  97. Alunos com tendência antissocial buscam segurança na escola
  98. 15 motivos para amar/odiar a palavra “kamikaze”
  99. Brasil perde R$ 156,2 bilhões do PIB com a morosidade do trânsito em São Paulo
  100. Santos pode se tornar mais suscetível a inundações