Alimentos e cosméticos podem ter alerta sobre substância cancerígena

Os fabricantes de cosméticos e alimentos que tenham elemento cancerígeno em suas fórmulas podem ser obrigados a incluir um alerta nas embalagens, rótulos, cartazes e materiais de divulgação. Hoje, para escolher alimentos mais saudáveis, o consumidor precisa ler e interpretar os rótulos dos produtos, observando os ingredientes utilizados, a composição nutricional e o tamanho das porções

imagem materia 09 11 temporario

Alerta para substância cancerígena deve ser bem visível na embalagem.

Juliana Monteiro Steck/Ag. Senado/Especial Cidadania

A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) aprovou, no dia 21 de junho, a transformação em projeto de lei de uma sugestão apresentada pelos participantes do Projeto Jovem Senador de 2016, que propõe a obrigatoriedade do alerta. Segundo o projeto, caberá ao Ministério da Saúde regulamentar o assunto e manter atualizada uma lista de substâncias potencialmente cancerígenas para serem usadas como referência pela indústria.

Imagens, símbolos e textos em rótulos de alimentos ultraprocessados podem induzir as pessoas a comprar e consumir alimentos não saudáveis. A fotografia de uma fruta na embalagem de um suco artificial, por exemplo, pode fazer crer que o produto é semelhante a suco natural feito da própria fruta. No entanto, estudo realizado em 2011 pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) mostrou que, dos 18 produtos com apelo de frutas nos rótulos analisados, oito não apresentaram nenhum vestígio de fruta e a maior parte dos outros tinham em torno de 1% de fruta apenas.

Relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS), divulgado em 2015, revelou que o consumo de 50g de carne processada (como bacon, salsicha e presunto) por dia aumenta a chance de desenvolver câncer no estômago e região colorretal (do intestino) em 18%. A carne processada é modificada para ter um prazo de validade maior ou gosto diferenciado. Ela pode ser defumada, curada ou receber alguns aditivos como sal ou conservantes. Segundo o documento, são exatamente os aditivos que podem aumentar o risco de câncer.

Transparência
Atualmente, os produtos vendidos no Brasil são obrigados a ter no rótulo, em ordem decrescente de quantidade, os ingredientes que o compõem. Mas não há nenhum alerta sobre o ingrediente ser potencialmente cancerígeno.

Para justificar a apresentação da sugestão de projeto de lei, os jovens senadores Acsa Albuquerque, Eduarda Jacome, Emanoel Silva, Isabelle dos Santos, Ívina Borges, Jennyfer Ferreira, Luciana Grancieri, Marina Carcassola e Taíne de Conto informaram que, “em outubro de 2016, a Agência Internacional para a Investigação do Câncer divulgou estudo sobre os riscos cancerígenos para os seres humanos colocados por uma variedade de substâncias que podem ser encontradas em cosméticos e alimentos industrializados.”

O objetivo, segundo eles, além de informar com maior clareza a respeito da natureza cancerígena dos produtos consumidos no Brasil, é incentivar as indústrias a reduzirem o uso de substâncias potencialmente nocivas à saúde.

Salão de beleza: sabe-se hoje que produtos químicos presentes em cosméticos são capazes de entrar no organismo e causar vários tipos de doenças, não só as dermatológicas.Na CDH, a relatora da sugestão legislativa (SUG 3/2017) foi a presidente da comissão, Regina Sousa (PT-PI). O projeto (PLS 215/2017) encontra-se com o relator, Paulo Paim (PT-RS), na Comissão de Transparência, Governança, Fiscalização e Controle e Defesa do Consumidor (CTFC).

Cosméticos
Até os anos 60, acreditava-se que os produtos aplicados na pele permaneciam nela. Por isso, apenas efeitos locais eram considerados antes da liberação para o mercado consumidor. No entanto, estudos mostraram que os produtos podem ser absorvidos, levando a efeitos sistêmicos. Hoje, os efeitos tóxicos decorrentes da exposição da população a produtos cosméticos vêm sendo reavaliados.

Até mesmo a classificação de produtos cosméticos é discutida. Por exemplo, os protetores solares são considerados como cosméticos na União Europeia, enquanto nos Estados Unidos são classificados como medicamentos de venda livre. As tinturas capilares são consideradas cosméticos na Europa e Brasil, mas no Japão são classificadas como “quase-drogas”.

No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é responsável pela autorização de comercialização de produtos cosméticos por meio de notificação e registros, e pela fiscalização das empresas fabricantes. Antes de um produto ser lançado no mercado, a segurança deve ser avaliada pelo próprio fabricante ou importador.

Para a dermatologista funcional Mariana Lanat, “quando o governo permite a comercialização ou a entrada no país de produtos comprovadamente cancerígenos, está deixando de cumprir o seu papel. Principalmente se esses produtos são consumidos sem informações e sem alerta”.

Segundo a médica, substâncias cancerígenas não são necessárias em cosméticos, pois “existem outros conservantes e outras bases para hidratantes, esmaltes, desodorantes, xampus ou tintas de cabelo tão eficazes quanto elas”. O problema, afirma ela, é que a indústria não os utiliza.

Alimentos
O médico Carlos Augusto Monteiro, da Unidade Técnica de Alimentação, Nutrição e Câncer do Inca, sugere olhar a lista de ingredientes para evitar os alimentos cancerígenos.

— Os produtos ultraprocessados são compostos por pelo menos meia dezena de itens, a maioria que ninguém tem na sua cozinha. Outra forma fácil de identificar os ultraprocessados é pensar em produtos que podem ser consumidos a qualquer hora e lugar, pois já vêm prontos.

No Senado, a Comissão Senado do Futuro (CSF) promoveu em agosto um seminário para conhecer a legislação sobre o tema do Chile, uma das mais rígidas sobre etiquetagem da composição nutricional dos alimentos e sobre publicidade. Construída com o apoio de entidades sociais, a lei chilena incorpora o princípio do “direito de saber”. Todos os produtos alimentícios que estão além dos limites estabelecidos de gordura, sal e açúcar devem conter informações claras na embalagem.

— A lei teve imenso impacto sobre as crianças. Hoje, elas já sabem que têm de comer alimentos com menor quantidade de selos — afirmou o senador chileno Guido Girard, autor da lei.

Regina Sousa, relatora da sugestão transformada em projeto de lei.Isabela Sattamini, nutricionista e pesquisadora da Universidade de São Paulo (USP), explicou que os alimentos recebem classificação com base no tratamento aplicado antes de ser consumido: não processados ou minimamente processados (frutas, hortaliças, leite in natura, grãos e carnes, por exemplo); ingredientes culinários processados (óleos, manteiga, sal e açúcar); processados (pães, queijos e conservas). Os ultraprocessados, cada vez mais presentes nas prateleiras dos mercados, incluem salgadinhos, biscoitos, margarinas, refrigerantes, cereais matinais, embutidos. Ela lamentou que, por força da publicidade, esses produtos sejam erroneamente apresentados como substitutos dos demais grupos de alimentos.

Aprovação
O exemplo do Chile e o PLS 215/2017 são considerados positivos por especialistas em saúde. O fisioterapeuta e doutor em medicina chinesa Rafael Lara considera o projeto “de suma importância”.

— Com o aumento da expectativa média de vida, temos observado nas últimas décadas uma elevação no surgimento de diversos tipos de câncer. Isso tem demandado constantes esforços de prevenção e diagnóstico precoce. No entanto, a maioria dos programas de saúde existentes se concentram no diagnóstico precoce, em identificar o mais cedo possível processo patológico já existente, com menos ênfase em prevenção, que é evitar o aparecimento da doença. A criação de lei obrigando a informação ao público da presença de agentes cancerígenos nos alimentos industrializados tem o mérito de estar em total afinidade com as ações preventivas.

Segundo ele, há diversos exemplos já bem estudados pela ciência de elementos carcinogênicos frequentemente presentes em alimentos industrializados.

— Sabemos, por exemplo, que a quantidade de moléculas de material plástico atualmente ingeridas pela maioria da população é preocupante. Diversas pesquisas já demonstraram que componentes de plásticos agem como xenoestrogênios, hormônios que aumentam muito a incidência de câncer de ovários e mama em animais expostos regularmente a tais substâncias.

Outro exemplo preocupante, diz o especialista, é o consumo exagerado de organoclorinas, provenientes de defensivos agrícolas, muito presente na alimentação brasileira. Regiões com alto uso de agrotóxicos apresentam incidência de câncer bem acima da média nacional e mundial. Desde 2009, o Brasil é o maior consumidor mundial desses produtos.

A dermatologista Mariana Lanat explica que o mesmo acontece com os cosméticos, em que são usadas substâncias como as benzofenonas, “que são parabenos, derivados do petróleo e extremamente cancerígenas”.

— Os parabenos alteram a função estrogênica e fazem uma modulação hormonal quando absorvidos pela pele. As próprias empresas de cosméticos que têm linha infantil não recomendam o uso em bebês com menos de seis meses por causa dos conservantes inadequados. Há outras substâncias como formaldeído, silicone, triclosan, alumínio, alquilfenol, polietilenoglicol (PEG) e até mesmo óleo mineral, que também deriva do petróleo. Mesmo produtos para peles sensíveis que não possuem parabenos, contém fenoxetanol, que é uma substância bastante nociva à saúde.

Segundo a dermatologista, muitas empresas multinacionais que representam produtos cosméticos aqui no Brasil, na Europa vendem os mesmos produtos com composição diferente, inclusive estampam no rótulo que não contém as substâncias tóxicas.

— O PPD, por exemplo, é um derivado do formol muito presente em tinturas de cabelo. As empresas alegam que é uma quantidade muito pequena e o governo aceita. Mas há um efeito cumulativo, você vai usando o produto a vida inteira até que uma hora o organismo não consegue mais se defender. Os aromas naturais também são substituídos por sintéticos e muitos produtos cosméticos não precisam de aroma.

Nos alimentos industrializados e de fast food há o mesmo problema, diz a médica.

— Conservantes, aromatizantes, flavorizantes, corantes, estabilizantes que, no nosso organismo, se transformam em algo imetabolizável. Causam vários tipos de alergias, doenças cardiovasculares, endocrinológicas e inflamatórias graves, até Alzheimer, Parkinson, além do câncer. Não dá para entender como ainda são autorizados no Brasil. E vão se acumulando.

Para Mariana Lanat, esse quadro só vai se reverter com um controle maior do governo e, principalmente, com uma educação alimentar, “que deveria ser uma disciplina nas escolas”.

— As crianças precisam saber o quanto os alimentos estão relacionados às doenças. Às vezes basta elas saberem, serem informadas, para deixarem de consumir. Quando entendermos o quanto alimentos de verdade são nutritivos, saborosos e práticos e, por outro lado, os industrializados são cheios de toxinas que nos fazem adoecer, a escolha a ser feita é natural.

Mais artigos...

  1. Dois anos depois, atingidos por barragem em Mariana ainda não foram indenizados
  2. População não entende rótulos, diz pesquisa
  3. Ética no esporte: uma poderosa ferramenta de formação de caráter
  4. Desafios para o cumprimento do Acordo de Paris
  5. Historiador desconstrói mitos sobre Teatro Municipal de São Paulo
  6. Dia mundial de combate ao abuso infantil
  7. Bullying na escola está ligado à má relação familiar, diz estudo
  8. Naufrágios chamam a atenção para a segurança nas hidrovias brasileiras
  9. Com frete rodoviário abaixo do custo, CNI defende fiscalização para evitar crise
  10. Livro analisa educação clandestina no gueto de Varsóvia
  11. Igualdade entre homem e mulher pode agregar US$ 28 trilhões ao PIB até 2025
  12. Os acordes dissonantes da contracultura nos anos de chumbo
  13. Reforma eleitoral abre espaço para propaganda paga em sites
  14. Rotina de jovens com HIV inclui estigma e mudança de hábitos
  15. Gravidez precoce ainda é alta, mostram dados
  16. Rede de apoio é fundamental para combater violência contra a mulher
  17. FAO sugere que jovens de países em desenvolvimento não deixem áreas rurais
  18. Conheça a trajetória do Velho Guerreiro
  19. O que as crianças estão aprendendo sobre o amor?
  20. Outubro Rosa conscientiza sobre prevenção do câncer de mama
  21. Indústria fecha primeiros oito meses do ano com crescimento de 1,5%, diz IBGE
  22. Perda de renda e medo do desemprego fazem brasileiros diminuírem consumo
  23. Desconfiança e preconceito da sociedade dificultam ressocialização de presos
  24. Açaí teve maior valor de produção na extração vegetal em 2016, diz pesquisa
  25. Fécula de mandioca poderá substituir parte da farinha de trigo na composição do pão
  26. Pesquisa aponta saídas para combater desigualdade no Brasil
  27. No Brasil, 45% da população ainda não têm acesso a serviço adequado de esgoto
  28. Integrar história da ciência nas escolas pode revolucionar ensino
  29. Cerca de 11 mil pessoas tiram a própria vida todos os anos no Brasil
  30. Estudo feito na Unicamp permite traçar o roteiro da obesidade
  31. Crise pode limitar financiamento estudantil
  32. Gorduras boas: saiba a importância desses nutrientes e porque eles devem fazer parte do nosso dia a dia
  33. Mercado de trabalho dá sinais de recuperação no segundo trimestre
  34. Cientistas dizem que furacões como o Irma são evidência de aquecimento global
  35. Programa Identidade Jovem enfrenta baixa adesão e resistência dos empresários
  36. Crescimento de ataques virtuais acende alerta sobre suicídio
  37. Na Georgia, brasileiros criam rede de apoio e acolhem mais de 300 pessoas
  38. O Império do Brasil
  39. Cabelos fracos, quebradiços e com queda? A solução pode estar no cardápio
  40. Microplásticos ameaçam 529 espécies da fauna marinha em todo o mundo
  41. Enade: matrículas em instituições públicas crescem e rede privada tem redução
  42. Pesquisadores descrevem 381 novas espécies de animais e plantas da Amazônia
  43. Direito à saúde bucal pode virar lei
  44. Casa da Moeda: Economistas não acreditam que privatização traga risco de fraude
  45. Taxa de feminicídios no Brasil é a quinta maior do mundo
  46. Travessia longa até um trânsito civilizado no país
  47. Intestino preguiçoso: saiba quais alimentos consumir para evitar esse mal e ter uma vida saudável
  48. Cerca de 58% dos alunos da rede pública têm rendimento abaixo da média em matemática
  49. Pelo terceiro ano seguido, desemprego é a principal causa da inadimplência, mostra levantamento do SPC Brasil e CNDL
  50. De concurso de miss a maternidade, cadeirantes contam como resgataram autoestima
  51. Verba de multas poderá ir para o trânsito
  52. Como seria uma guerra entre EUA e Coreia do Norte?
  53. Fundo Amazônia vai investir R$ 150 milhões em novos projetos de conservação
  54. Duração de licença-paternidade reforça desigualdade na criação dos filhos
  55. Há 80 anos, União Nacional dos Estudantes faz história no país
  56. Barriga tanquinho: regra 80/20 é o segredo para conquistar e manter o abdômen definido
  57. Estudo mostra que o uso de etanol nos veículos reduz a poluição por nanopartículas
  58. Aleitamento materno ainda enfrenta obstáculos
  59. Segurança pública: solução depende de participação social
  60. “Memórias Póstumas de Brás Cubas” observa a condição humana
  61. Do sertão à ‘selva’ paulistana, o rito de passagem dos pankararu
  62. Dieta pós 40: veja o que deve mudar no cardápio para garantir vigor durante a meia idade
  63. Uerj pesquisa influência da atividade física das mães na obesidade dos filhos
  64. A desigualdade “racial” nas eleições
  65. Pediatras lançam guia para promover atividade física a criança e adolescente
  66. Sem aumento do PIS/Cofins, governo perde R$ 78 milhões por dia, diz AGU
  67. Pesquisa diz que a cada 16,8 segundos uma tentativa de fraude é aplicada no país
  68. O ano de 2016 bateu um novo recorde de deslocamentos forçados - Quais países mais geram refugiados pelo mundo?
  69. Pesquisa revela como o exercício físico protege o coração
  70. Laerte: heroína trans ou homem vestido de mulher?
  71. Declínio de Temer no exterior ajuda Macri a projetar Argentina
  72. O mundo, para as crianças, é a sua comunidade
  73. Misto de sentimentos marca saída dos militares brasileiros do Haiti
  74. Desemprego e informalidade assolam mulheres da América Latina
  75. Automedicação pode ter graves consequências
  76. Lei de Cotas em concurso é julgada constitucional, mas ainda motiva ações
  77. Migração: nova lei assegura direitos e combate a discriminação
  78. Grande São Paulo precisa controlar a emissão dos veículos a diesel
  79. O perfil dos corredores de rua amadores
  80. Há 100 anos, greve geral parou São Paulo
  81. Desvendando o cártamo: o que esse óleo pode fazer por sua dieta?
  82. Expectativa de vida de transexuais é de 35 anos, metade da média nacional
  83. Dalva de Oliveira
  84. Sem espaço adequado, Câmara guarda 1,2 mil obras de arte longe do público
  85. Doenças do inverno: Como fortalecer a alimentação e afastar os males típicos dessa época
  86. São Paulo precisa redescobrir a relação com seus rios
  87. Intervenções na Amazônia maquiam problemas, aponta pesquisador
  88. Plano Nacional de Educação completa três anos com apenas 20% das metas cumpridas
  89. Ao completar 9 anos, Lei Seca não impede que motoristas dirijam alcoolizados
  90. COOs e CTOs: corram para as montanhas!
  91. Crianças com microcefalia têm atendimento especializado
  92. Cruz Vermelha alerta para retorno da guerra urbana no Oriente Médio
  93. O que você come à noite pode atrapalhar o emagrecimento?
  94. Brasil registra aumento de trabalho infantil entre crianças de 5 a 9 anos
  95. Senado do Império estudou transposição do Rio São Francisco
  96. Projeto reacende debate sobre alimentos transgênicos
  97. Lei cria documento único de identificação nacional
  98. Pesquisa e desenvolvimento são principais ferramentas para eficiência energética
  99. Cidades costeiras são mais vulneráveis a mudanças do clima
  100. As empresas precisam “sair do armário”