Ética no esporte: uma poderosa ferramenta de formação de caráter

Talvez você já tenha ouvido a expressão “o esporte forma caráter”. Porém, já parou para se perguntar de onde ela vem? Por que alguém ligaria o esporte ao caráter, a moral, a uma postura ética, em primeira instância?

etica 1 temproario

 

Samuel Sabino (*) e Roberto Armelin (**)

Para chegar a esse entendimento, o ideal é começar definindo as razões para a ética e para o esporte. A ética tem como sentido a condução da vida e tem seu propósito maior na conquista da felicidade. Já o esporte tem seu sentido na saúde e bem estar, e para o seu propósito a formação do sujeito ético.

O esportista busca a felicidade através da vitória, acima de tudo - o que já é o fim ético por si só. Porém, ele ainda é uma pessoa que tem seu meio de vida dentro de regras de conduta, trabalho em equipe, respeito aos adversários e torcida, ou seja, um comportamento que o leva à vitória de forma justa e coerente com as regras que escolheu seguir. Essas são as características de um sujeito ético, em quem o esporte acaba por potencializar a busca pela felicidade intrínseca ao indivíduo.

Olhando dessa forma, ética e esporte são extremamente ligados. O esporte é realmente um potente construtor do caminho ético. De acordo com os primeiros filósofos gregos, o ser humano nasce vicioso, com uma conduta baseada no erro, e a partir disso, os pais, mestres, professores, ou treinadores, nesse caso, têm o dever de identificar e corrigir esses erros de conduta. Temos no esporte um meio prático, coerente e potencializador desse aprendizado.

etica 2 temproarioAtravés da prática esportiva, o professor incute a boa conduta no indivíduo vicioso, tornando essa atividade extremamente importante na formação, sobretudo nos primeiros anos de vida.

Um indivíduo vicioso está sujeito a muito mais infelicidade em sua própria vida, o que o leva a lidar mal com o próximo e levar muito mais infelicidade para os que estão ao seu redor. O vício é o erro, a má conduta. Para nós, brasileiros, ou mesmo para os sul americanos, pode-se traduzir na forma da “malandragem” ou o tal do “Jeitinho Brasileiro”, por exemplo, que é uma má astúcia muitas vezes celebrada nos países da américa do sul (“la mano de Diós”, ou melhor: de Maradona), quando na verdade não passa de uma postura egoísta e sem méritos.

Isso, portanto, não é um defeito exclusivamente brasileiro. Os gregos, inclusive, já demonstravam isso em seus mitos, o que tem uma importante repercussão ao longo da história, como foi observado por Joseph Campbell em sua teoria da Jornada do Herói, um ciclo de atividades que representa ciclos comuns à vida de qualquer pessoa, e que eram alegoricamente narrados como histórias na antiguidade.

Para Campbell, a jornada de vida de todo ser humano repete alguns passos que são iguais, em vários pontos, para todo mundo, e eles sempre estão ligados ao enfrentamento e superação de um obstáculo, que quase sempre é interno e tem a ver com um vício moral. Na vida cotidiana, o esportista pode buscar um grande contrato, jogar uma competição mundial. Para os gregos, esse exemplo universal era bem definido e representado na Odisseia e nos Doze Trabalhos de Hércules. Essas são histórias famosas, nas quais os heróis, Odisseu em uma e Hércules em outra, passam por provações até superar seus vícios e só assim se qualificarem para alcançar a felicidade.

etica 3 temproarioDentro do campo (ou da quadra, da piscina, tatame, e etc...), o desafio não se limita a superar o(s) adversário(s), mas implica com igual importância a luta contra a conduta que só pensa em si mesma, que abandona o outro e só busca o lucro pessoal, seja ele financeiro ou desportivo: a vitória “de qualquer jeito”, através de atalhos ou trapaças. É o que acontece quando um atleta se aproveita de um erro de arbitragem, simula uma falta, induzindo a arbitragem em erro, ou se beneficia de qualquer infração das regras da modalidade desportiva.

A conduta ética ideal é a da autocorreção, mesmo que haja um prejuízo desportivo imediato na disputa. Por exemplo, um jogador pode “cavar” um pênalti inexistente, e com essa marcação incorrera, ser beneficiado, potencialmente ganhando vantagem decisiva em um jogo difícil; ou prezar pela conduta ética correta e buscar a vitória sem esse artificio, assumindo o risco da derrota.

Talvez ele perca o jogo? Sim, mas a conduta vem em primeiro lugar. A intensão é o que conta dentro do campo. Isso tem um peso de responsabilidade e pressão dentro do jogo, tanto de adversário quanto de companheiros, e para o esportista tomar a atitude mais nobre é muitas vezes um dilema difícil de ser vencido. A condição se estende para fora do campo, quando o prejuízo afeta as torcidas, que quase sempre questionarão o jogador por ter escolhido ser ético e ter “perdido a chance de ganhar”, mesmo que se saiba que seria uma vitória injusta.

Muitas vezes, sobretudo em esportes populares, o inconsciente coletivo da sociedade, por vários segmentos, demandarão do esportista a conduta menos nobre, a da trapaça. Afirma-se que isso “faz parte do jogo”, quando na verdade a atitude diz muito mais sobre a condição ética daquela sociedade. Evidencia-se que a cultura abraça o erro, a corrupção, o crime, que é conivente com valores errados, sobretudo quando os traz vantagens, mesmo que em situações mais simples.

etica 4 temproarioO peso do dilema ético é uma dificuldade do esportista, tanto quanto treinar seu corpo. Treinar sua mente e conduta é igualmente desafiador, pois só assim ele se desvincula de valores errados, perpetuados em uma sociedade falha, e busca através de seu modelo, incentivar uma conduta superior no jovem: sejam aqueles que vêm o atleta como exemplo e querem praticar a mesma modalidade desportiva, sejam aqueles que torcem pelo êxito do atleta.

O caso é que atualmente a própria sociedade tem buscado uma proximidade maior com a conduta nobre dentro do esporte, e cada vez mais se cobra dos esportistas que se siga esse modelo positivo. É uma mostra da mudança social que vai de fora do esporte para ele, e vice-versa.

A emoção e a legitimidade do esporte, que fomenta a potência de praticar e torcer, está ligada à imprevisibilidade do resultado desportivo, que só é total e real quando as condutas são éticas, quando há igualdade de oportunidades agindo para que chances sejam igualmente adequadas em ambos os lados de uma competição.

Assim, o esportista realmente melhor preparado é quem tem chances de vitória, mesmo com o acaso agindo como intensificador da emoção de se acompanhar o esporte. A espontaneidade não surge de um cenário onde há o vício agindo para trapacear. A verdadeira vitória está em justamente se superar os obstáculos competitivos dentro das regras da modalidade desportiva. O vencedor só é realmente vencedor se ele enfrenta de igual para igual seu adversário. O lucro maior está aí.

Uma questão relevante que se coloca nesse prisma é: qual a cultura ética a sociedade quer praticar, o que determina como introduzir a conduta ética aos jovens e, pois, usar o esporte, essa potente ferramenta, para desenvolver a conduta ética das novas gerações. Queremos gerações mais éticas ou a competição pelo resultado independentemente do meio usado?

(*) - É fundador da Éticas Consultoria, filósofo, mestre em bioética e professor.
(**) - Fundador do IBDEE, ex-diretor jurídico do São Paulo FC, presidente da Comissão de Direito Desportivo do IASP e professor de Direito Processual Civil e Processo Desportivo da PUC/SP (www.ibdee.org.br).

Mais artigos...

  1. Desafios para o cumprimento do Acordo de Paris
  2. Historiador desconstrói mitos sobre Teatro Municipal de São Paulo
  3. Dia mundial de combate ao abuso infantil
  4. Bullying na escola está ligado à má relação familiar, diz estudo
  5. Naufrágios chamam a atenção para a segurança nas hidrovias brasileiras
  6. Com frete rodoviário abaixo do custo, CNI defende fiscalização para evitar crise
  7. Livro analisa educação clandestina no gueto de Varsóvia
  8. Igualdade entre homem e mulher pode agregar US$ 28 trilhões ao PIB até 2025
  9. Os acordes dissonantes da contracultura nos anos de chumbo
  10. Reforma eleitoral abre espaço para propaganda paga em sites
  11. Rotina de jovens com HIV inclui estigma e mudança de hábitos
  12. Gravidez precoce ainda é alta, mostram dados
  13. Rede de apoio é fundamental para combater violência contra a mulher
  14. FAO sugere que jovens de países em desenvolvimento não deixem áreas rurais
  15. Conheça a trajetória do Velho Guerreiro
  16. O que as crianças estão aprendendo sobre o amor?
  17. Outubro Rosa conscientiza sobre prevenção do câncer de mama
  18. Indústria fecha primeiros oito meses do ano com crescimento de 1,5%, diz IBGE
  19. Perda de renda e medo do desemprego fazem brasileiros diminuírem consumo
  20. Desconfiança e preconceito da sociedade dificultam ressocialização de presos
  21. Açaí teve maior valor de produção na extração vegetal em 2016, diz pesquisa
  22. Fécula de mandioca poderá substituir parte da farinha de trigo na composição do pão
  23. Pesquisa aponta saídas para combater desigualdade no Brasil
  24. No Brasil, 45% da população ainda não têm acesso a serviço adequado de esgoto
  25. Integrar história da ciência nas escolas pode revolucionar ensino
  26. Cerca de 11 mil pessoas tiram a própria vida todos os anos no Brasil
  27. Estudo feito na Unicamp permite traçar o roteiro da obesidade
  28. Crise pode limitar financiamento estudantil
  29. Gorduras boas: saiba a importância desses nutrientes e porque eles devem fazer parte do nosso dia a dia
  30. Mercado de trabalho dá sinais de recuperação no segundo trimestre
  31. Cientistas dizem que furacões como o Irma são evidência de aquecimento global
  32. Programa Identidade Jovem enfrenta baixa adesão e resistência dos empresários
  33. Crescimento de ataques virtuais acende alerta sobre suicídio
  34. Na Georgia, brasileiros criam rede de apoio e acolhem mais de 300 pessoas
  35. O Império do Brasil
  36. Cabelos fracos, quebradiços e com queda? A solução pode estar no cardápio
  37. Microplásticos ameaçam 529 espécies da fauna marinha em todo o mundo
  38. Enade: matrículas em instituições públicas crescem e rede privada tem redução
  39. Pesquisadores descrevem 381 novas espécies de animais e plantas da Amazônia
  40. Direito à saúde bucal pode virar lei
  41. Casa da Moeda: Economistas não acreditam que privatização traga risco de fraude
  42. Taxa de feminicídios no Brasil é a quinta maior do mundo
  43. Travessia longa até um trânsito civilizado no país
  44. Intestino preguiçoso: saiba quais alimentos consumir para evitar esse mal e ter uma vida saudável
  45. Cerca de 58% dos alunos da rede pública têm rendimento abaixo da média em matemática
  46. Pelo terceiro ano seguido, desemprego é a principal causa da inadimplência, mostra levantamento do SPC Brasil e CNDL
  47. De concurso de miss a maternidade, cadeirantes contam como resgataram autoestima
  48. Verba de multas poderá ir para o trânsito
  49. Como seria uma guerra entre EUA e Coreia do Norte?
  50. Fundo Amazônia vai investir R$ 150 milhões em novos projetos de conservação
  51. Duração de licença-paternidade reforça desigualdade na criação dos filhos
  52. Há 80 anos, União Nacional dos Estudantes faz história no país
  53. Barriga tanquinho: regra 80/20 é o segredo para conquistar e manter o abdômen definido
  54. Estudo mostra que o uso de etanol nos veículos reduz a poluição por nanopartículas
  55. Aleitamento materno ainda enfrenta obstáculos
  56. Segurança pública: solução depende de participação social
  57. “Memórias Póstumas de Brás Cubas” observa a condição humana
  58. Do sertão à ‘selva’ paulistana, o rito de passagem dos pankararu
  59. Dieta pós 40: veja o que deve mudar no cardápio para garantir vigor durante a meia idade
  60. Uerj pesquisa influência da atividade física das mães na obesidade dos filhos
  61. A desigualdade “racial” nas eleições
  62. Pediatras lançam guia para promover atividade física a criança e adolescente
  63. Sem aumento do PIS/Cofins, governo perde R$ 78 milhões por dia, diz AGU
  64. Pesquisa diz que a cada 16,8 segundos uma tentativa de fraude é aplicada no país
  65. O ano de 2016 bateu um novo recorde de deslocamentos forçados - Quais países mais geram refugiados pelo mundo?
  66. Pesquisa revela como o exercício físico protege o coração
  67. Laerte: heroína trans ou homem vestido de mulher?
  68. Declínio de Temer no exterior ajuda Macri a projetar Argentina
  69. O mundo, para as crianças, é a sua comunidade
  70. Misto de sentimentos marca saída dos militares brasileiros do Haiti
  71. Desemprego e informalidade assolam mulheres da América Latina
  72. Automedicação pode ter graves consequências
  73. Lei de Cotas em concurso é julgada constitucional, mas ainda motiva ações
  74. Migração: nova lei assegura direitos e combate a discriminação
  75. Grande São Paulo precisa controlar a emissão dos veículos a diesel
  76. O perfil dos corredores de rua amadores
  77. Há 100 anos, greve geral parou São Paulo
  78. Desvendando o cártamo: o que esse óleo pode fazer por sua dieta?
  79. Expectativa de vida de transexuais é de 35 anos, metade da média nacional
  80. Dalva de Oliveira
  81. Sem espaço adequado, Câmara guarda 1,2 mil obras de arte longe do público
  82. Doenças do inverno: Como fortalecer a alimentação e afastar os males típicos dessa época
  83. São Paulo precisa redescobrir a relação com seus rios
  84. Intervenções na Amazônia maquiam problemas, aponta pesquisador
  85. Plano Nacional de Educação completa três anos com apenas 20% das metas cumpridas
  86. Ao completar 9 anos, Lei Seca não impede que motoristas dirijam alcoolizados
  87. COOs e CTOs: corram para as montanhas!
  88. Crianças com microcefalia têm atendimento especializado
  89. Cruz Vermelha alerta para retorno da guerra urbana no Oriente Médio
  90. O que você come à noite pode atrapalhar o emagrecimento?
  91. Brasil registra aumento de trabalho infantil entre crianças de 5 a 9 anos
  92. Senado do Império estudou transposição do Rio São Francisco
  93. Projeto reacende debate sobre alimentos transgênicos
  94. Lei cria documento único de identificação nacional
  95. Pesquisa e desenvolvimento são principais ferramentas para eficiência energética
  96. Cidades costeiras são mais vulneráveis a mudanças do clima
  97. As empresas precisam “sair do armário”
  98. Eleitores jovens se afastam da democracia tradicional
  99. Brasil poderá ter evento nacional destinado à prevenção do suicídio
  100. Brasil reduz mortalidade materna, mas continua longe do ideal, diz especialista