Crescimento de ataques virtuais acende alerta sobre suicídio

Apesar de ser um grave problema de saúde pública, com tendência de crescimento nos próximos anos, pois acompanha a expansão de doenças como a depressão, o suicídio ainda é um tabu no Brasil. Dificuldade de obter dados, preconceito e medo de estimular a prática ao falar sobre ela são fatores que dificultam a discussão e o desenvolvimento de políticas públicas, segundo estudos e especialistas consultados.

Tânia Rêgo/ABr

Parte da campanha Setembro Amarelo, ato na orla de Copacabana, no Rio de Janeiro, marcou o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, comemorado no último dia 10.

Helena Martins/Agência Brasil

Neste ano, o silêncio que ronda o tema foi quebrado com a divulgação do Baleia Azul, o jogo virtual que envolveria o estímulo às mutilações corporais de jovens e até ao suicídio. O game virou tema de novela e mesmo de operação da Polícia Federal, que prendeu acusados de aliciar crianças e adolescentes por meio do Baleia Azul.

O fato trouxe à tona uma realidade comum: a ocorrência do assédio virtual, também chamado de cyberbullying. O debate sobre o delicado tema é estimulado este mês, no âmbito do Setembro Amarelo, para sensibilizar a sociedade para a prevenção ao suicídio.

Além do jogo, casos como o do jovem americano Tyler Clementi, de 18 anos, que se suicidou após ter fotos íntimas divulgadas pelo colega de dormitório, e da britânica Hannah Smith, de 14 anos, que se matou após receber ofensas na rede, têm chamado a atenção de pesquisadores e instituições públicas.

Segundo o integrante do Grupo de Estudo e Pesquisa em Suicídio e Prevenção (GEPeSP), Pablo Nunes, não há estudos confiáveis que comprovem a ligação direta entre crescimento do número de suicídios e ataques nas redes sociais. No entanto, indícios dessa relação pedem atenção ao ambiente online.

“O fato é que a popularização da internet tem propiciado a circulação de informações sobre métodos de se suicidar e a proliferação de grupos de pessoas em sofrimento. Nesses grupos, os participantes discutem meios, lugares e 'encorajam' uns aos outros. No caso da automutilação, são centenas as páginas e grupos dedicados. Em muitas escolas o fenômeno já virou problema sério”, explica Pablo Nunes.

Além disso, o pesquisador destaca que o anonimato faz das mídias sociais um ambiente favorável para ataques.

diminuator temproarioSegundo o Safernet, organização não governamental (ONG) que recebe denúncias sobre crimes que ocorrem na internet, em 2016, 39,4 mil páginas da internet foram denunciadas por violações de direitos humanos, que incluem conteúdos racistas, de incitação à violência, que contém pornografia infantil, etc. A ONG, que também oferece apoio às vítimas de crimes que ocorrem na internet, registrou no ano passado 312 pedidos de orientação e auxílio relacionados à intimidação ou discriminação na rede.

A mesma quantidade de solicitações de apoio às vítimas do vazamento de fotos e vídeos íntimos, prática conhecida como sexting, foi registrada. Foi a primeira vez que o cyberbullying ocupou o primeiro lugar no ranking dos motivos que levaram a pedidos de ajuda. Já 128 casos relataram sofrimento devido a conteúdos de ódio e violência.

Ataques virtuais
A consultora em políticas LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais) e Direitos Humanos Evelyn Silva, de 43 anos, foi diagnosticada com depressão severa há mais de dez anos. Desde julho, a situação piorou depois que sofreu uma série de ataques na rede. Colunista de um site feminista, ela escreveu um texto sobre problemas recorrentes em relações entre lésbicas e bissexuais. A repercussão do texto veio junto a diversas mensagens violentas.

“O tema é polêmico, mas foi muito mais do que isso. Eu recebi mensagens de violência muito complicadas, de pessoas que eu não conheço, a maior parte da mensagem tinha cunho lesbofóbico. Chegaram a ameaçar a revista porque ela estaria dando guarida para uma 'bifóbica'”, relata a militante de direitos LGBT, que já havia sofrido ameaças de morte e “estupro corretivo” nas redes vindas dos chamados haters, pessoas que postam comentários de ódio na internet.

“É ódio puro. As pessoas não têm a menor ideia de quem você é, mas elas estão ali colocando para fora uma opinião que elas nunca expressariam pessoalmente”.

Apesar de ser um grave problema de saúde pública, o suicídio ainda é um tabu no Brasil.Muitas mensagens evidenciavam que as pessoas não haviam lido o texto, pois faziam referência a temas não abordados nele. Evelyn também foi alvo de uma série de pedidos de bloqueio no Facebook, que acabou suspendendo sua conta por 24 horas e, depois, por 72 horas. Apesar de ter buscado explicar a situação à empresa, não obteve nenhuma resposta.

Depois dos ataques, Evelyn decidiu se afastar das redes sociais, o que não impediu, entretanto, que ela enfrentasse crises de transtorno de ansiedade e pânico, o que dificultaram atividades básicas como trabalhar e sair de casa. “Bati no fundo do poço”, afirma.

Monitoramento dos parentes
Evelyn revela que outros problemas ajudaram a reforçar o quadro de doenças e que ela chegou a pensar em cometer suicídio. Para evitá-lo, ela passa por um tratamento com monitoramento, uma técnica que envolve a presença constante e acolhedora de uma rede de amigos e parentes.

A consultora acredita que falar e expor a situação é importante para quebrar o tabu sobre o tema. A opinião é compartilhada por Pablo Nunes. “Preferir manter o suicídio no desconhecimento auxilia na manutenção do tabu, sendo mais difícil traçar ações de prevenção e sensibilização”.

O pesquisador explica que uma cobertura responsável da mídia, em vez de produzir o temido efeito de contágio, é considerada importante pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que oferece manuais e treinamento para jornalistas sobre como reportar casos.

Ao falar sobre suicídio, é preciso que também sejam apontados mecanismos de prevenção.

No ambiente da rede, isso começa com a adoção de mecanismos de proteção, como uso de aplicativos seguros para compartilhamento de fotos íntimas para pessoas conhecidas; cuidados com senhas; denúncias de agressores; busca de delegacias especializadas, quando necessário, e, principalmente, informação.

“Um adolescente que sabe como funciona determinado aplicativo, que entende as questões relacionadas ao anonimato e enxergue os potenciais prejuízos de um vazamento de informações pessoais possa ter, será um indivíduo que certamente prevenirá que situações como essas aconteçam”, defende o pesquisador.

Mais artigos...

  1. Na Georgia, brasileiros criam rede de apoio e acolhem mais de 300 pessoas
  2. O Império do Brasil
  3. Cabelos fracos, quebradiços e com queda? A solução pode estar no cardápio
  4. Microplásticos ameaçam 529 espécies da fauna marinha em todo o mundo
  5. Enade: matrículas em instituições públicas crescem e rede privada tem redução
  6. Pesquisadores descrevem 381 novas espécies de animais e plantas da Amazônia
  7. Direito à saúde bucal pode virar lei
  8. Casa da Moeda: Economistas não acreditam que privatização traga risco de fraude
  9. Taxa de feminicídios no Brasil é a quinta maior do mundo
  10. Travessia longa até um trânsito civilizado no país
  11. Intestino preguiçoso: saiba quais alimentos consumir para evitar esse mal e ter uma vida saudável
  12. Cerca de 58% dos alunos da rede pública têm rendimento abaixo da média em matemática
  13. Pelo terceiro ano seguido, desemprego é a principal causa da inadimplência, mostra levantamento do SPC Brasil e CNDL
  14. De concurso de miss a maternidade, cadeirantes contam como resgataram autoestima
  15. Verba de multas poderá ir para o trânsito
  16. Como seria uma guerra entre EUA e Coreia do Norte?
  17. Fundo Amazônia vai investir R$ 150 milhões em novos projetos de conservação
  18. Duração de licença-paternidade reforça desigualdade na criação dos filhos
  19. Há 80 anos, União Nacional dos Estudantes faz história no país
  20. Barriga tanquinho: regra 80/20 é o segredo para conquistar e manter o abdômen definido
  21. Estudo mostra que o uso de etanol nos veículos reduz a poluição por nanopartículas
  22. Aleitamento materno ainda enfrenta obstáculos
  23. Segurança pública: solução depende de participação social
  24. “Memórias Póstumas de Brás Cubas” observa a condição humana
  25. Do sertão à ‘selva’ paulistana, o rito de passagem dos pankararu
  26. Dieta pós 40: veja o que deve mudar no cardápio para garantir vigor durante a meia idade
  27. Uerj pesquisa influência da atividade física das mães na obesidade dos filhos
  28. A desigualdade “racial” nas eleições
  29. Pediatras lançam guia para promover atividade física a criança e adolescente
  30. Sem aumento do PIS/Cofins, governo perde R$ 78 milhões por dia, diz AGU
  31. Pesquisa diz que a cada 16,8 segundos uma tentativa de fraude é aplicada no país
  32. O ano de 2016 bateu um novo recorde de deslocamentos forçados - Quais países mais geram refugiados pelo mundo?
  33. Pesquisa revela como o exercício físico protege o coração
  34. Laerte: heroína trans ou homem vestido de mulher?
  35. Declínio de Temer no exterior ajuda Macri a projetar Argentina
  36. O mundo, para as crianças, é a sua comunidade
  37. Misto de sentimentos marca saída dos militares brasileiros do Haiti
  38. Desemprego e informalidade assolam mulheres da América Latina
  39. Automedicação pode ter graves consequências
  40. Lei de Cotas em concurso é julgada constitucional, mas ainda motiva ações
  41. Migração: nova lei assegura direitos e combate a discriminação
  42. Grande São Paulo precisa controlar a emissão dos veículos a diesel
  43. O perfil dos corredores de rua amadores
  44. Há 100 anos, greve geral parou São Paulo
  45. Desvendando o cártamo: o que esse óleo pode fazer por sua dieta?
  46. Expectativa de vida de transexuais é de 35 anos, metade da média nacional
  47. Dalva de Oliveira
  48. Sem espaço adequado, Câmara guarda 1,2 mil obras de arte longe do público
  49. Doenças do inverno: Como fortalecer a alimentação e afastar os males típicos dessa época
  50. São Paulo precisa redescobrir a relação com seus rios
  51. Intervenções na Amazônia maquiam problemas, aponta pesquisador
  52. Plano Nacional de Educação completa três anos com apenas 20% das metas cumpridas
  53. Ao completar 9 anos, Lei Seca não impede que motoristas dirijam alcoolizados
  54. COOs e CTOs: corram para as montanhas!
  55. Crianças com microcefalia têm atendimento especializado
  56. Cruz Vermelha alerta para retorno da guerra urbana no Oriente Médio
  57. O que você come à noite pode atrapalhar o emagrecimento?
  58. Brasil registra aumento de trabalho infantil entre crianças de 5 a 9 anos
  59. Senado do Império estudou transposição do Rio São Francisco
  60. Projeto reacende debate sobre alimentos transgênicos
  61. Lei cria documento único de identificação nacional
  62. Pesquisa e desenvolvimento são principais ferramentas para eficiência energética
  63. Cidades costeiras são mais vulneráveis a mudanças do clima
  64. As empresas precisam “sair do armário”
  65. Eleitores jovens se afastam da democracia tradicional
  66. Brasil poderá ter evento nacional destinado à prevenção do suicídio
  67. Brasil reduz mortalidade materna, mas continua longe do ideal, diz especialista
  68. Consumo excessivo de álcool na balada expõe homens e mulheres a riscos diferentes
  69. Conheça as regras para adotar uma criança no Brasil
  70. Ciclovias em expansão influenciam mercado imobiliário de São Paulo
  71. Em dias de intolerância, pesquisadores destacam valor das mensagens de Gentileza
  72. O fim do carro próprio?
  73. Congresso avalia projetos para atender configurações familiares modernas
  74. BGE: 123 milhões de jovens com 15 anos ou mais não praticam esporte no Brasil
  75. Metabolismo lento: como identificar e reverter o problema que pode prejudicar a perda de peso
  76. Temer nega ampliação da faixa de isenção do Imposto de Renda
  77. Sinal verde para o emagrecimento: combine chá e café para turbinar a queima de gordura
  78. Tese revela luta das brasileiras por direitos civis e trabalhistas
  79. Estudo investiga como vida conjugal influencia carreira feminina
  80. Maio Amarelo quer reduzir acidentes e vítimas de trânsito
  81. Reposição de vitaminas na terceira idade: o que é fundamental para manter o vigor e garantir mais saúde?
  82. Dorival Caymmi, a pedra que ronca no meio do mar
  83. Em São Paulo, 97,8% dos idosos não conseguem atravessar a rua no tempo dos semáforos
  84. Direito do preso de trabalhar é realidade só para minoria
  85. 10 alimentos para aliviar os sintomas do estresse e da ansiedade
  86. Veja o que muda com a reforma trabalhista aprovada na Câmara
  87. Mulheres podem ter direito a escolher o alistamento militar
  88. Cardápio energizante: Como vencer o cansaço e a fraqueza causados pela má alimentação
  89. Um em cada dez estudantes no Brasil é vítima frequente de bullying
  90. Livros infantis ganham espaço no mercado brasileiro
  91. Pesquisas resgatam história genética de remanescentes de quilombos
  92. Gorduras do bem: Conheça os diferentes tipos de Ômega e saiba porque eles são itens obrigatórios no cardápio
  93. Direto da Amazônia, livro revela como a castanha-do-pará ganhou o mundo
  94. Modo de vida camponês ainda resiste entre pequenos agricultores
  95. São Paulo de Todos os Tempos e o sentido de respeito à cidade
  96. Reforma trabalhista recebe 844 emendas; relatório deve ser apresentado na quarta-feira
  97. Proposta proíbe concurso público exclusivo para cadastro de reserva
  98. Há 40 anos, ditadura impunha Pacote de Abril e adiava abertura política
  99. Como a dívida pública afeta cada brasileiro
  100. Lanchinhos no trabalho: Quais substituições podem ajudar a evitar os deslizes da dieta