Haitianos são maioria entre os imigrantes no mercado formal brasileiro

Os haitianos são os imigrantes com maior presença no mercado formal de trabalho brasileiro. O dado é da Rais de 2016, a mais recente, do Ministério do Trabalho. Dos 115.961 trabalhadores não brasileiros contratados formalmente no Brasil no ano passado, 26.127 pessoas eram originárias do Haiti, 22,53% do total

58483260742a temproario

 

O número já foi maior. Em 2015, o auge dos haitianos no país, eles chegaram a somar 34.224 trabalhadores formais. O ministro do Trabalho em exercício, Helton Yomura, explica que a imigração de haitianos foi um fenômeno que começou a ocorrer no Brasil principalmente após 2010, quando um terremoto devastou a ilha. No entanto, a crise econômica vivida pelo Brasil após 2014 encerrou essa tendência. “Essa diminuição no fluxo imigratório não ocorreu apenas com os haitianos. Outras nacionalidades também diminuíram seu contingente após a crise brasileira”, explica.

Em segundo lugar na lista dos trabalhadores vindos de outros países para o Brasil estão os portugueses, com 9.088 vínculos, que antes da vinda dos haitianos ocupavam sempre a primeira colocação na lista de imigrantes no Brasil. “A forte presença de trabalhadores portugueses no Brasil é histórica, decorrente dos laços socioeconômicos que se formaram entre essas duas nações desde a época da colonização e que continuam na atualidade. Lembremos que o Brasil é a maior nação lusófona no mundo, o que fortalece sua atração junto aos demais estados lusófonos, como o próprio Portugal”, pondera Yomura.

24256-haitiano temproarioAs três nacionalidades seguintes na lista de trabalhadores imigrantes no mercado formal brasileiro são de países latino-americanos: Paraguai (7.953), Argentina (7.354) e Bolívia (6.427). Com exceção dos paraguaios, que apresentaram um leve crescimento da presença no mercado formal brasileiro, todos os demais tiveram quedas, apesar de muito pequenas. “A presença considerável de nacionalidades latino-americanas no total de trabalhadores imigrantes deve-se à importância da economia brasileira na região, respondendo por cerca de 40% do PIB regional. Essa característica regional torna o Brasil um polo de atração natural para os trabalhadores da América Latina em busca de oportunidades”, acrescenta o ministro em exercício.

Os venezuelanos aparecem na 19ª posição da tabela, com 1.293 vínculos. Apesar de pequeno, o número não surpreende, pois o forte da imigração da Venezuela para o Brasil ocorreu em 2017, que terá os resultados medidos apenas em 2018. Independentemente da baixa presença dos venezuelanos, os latino-americanos representam quase um terço dos imigrantes no mercado formal brasileiro. Do total de vínculos de pessoas vindas de outros países, 42.211 são de pessoas originárias da América Latina. Em segundo está a América Central e Caribe, principalmente por causa do Haiti, seguida da Europa, Ásia, África e América do Norte.

Brasil temproarioHelton Yomura lembra que o Brasil é um dos países mais acolhedores do mundo em relação aos imigrantes e isso se reflete no mercado de trabalho. “Somos um país privilegiado porque não temos aqueles conflitos por causa de religião e de etnia como ocorre em outros países. E isso faz com que sejamos referência para muitos imigrantes”, afirma. Lembra ainda que a política brasileira em relação ao trabalho de imigrantes também favorece. “Aqui, quando um migrante entra um dos primeiros documentos que ele recebe é a carteira de trabalho. Até já apresentamos essa prática em debates internacionais sobre integração de imigrantes”, acrescenta.

Apesar disso, os trabalhadores não brasileiros representam apenas 0,25% do total de empregados formais no Brasil. Em 2016, havia 46 milhões de pessoas vinculadas a alguma empresa no país, apenas 115,9 mil eram de nacionalidade estrangeira. Um grupo menor ainda, 8,4 mil, era naturalizado brasileiro. Dos 115.961 imigrantes que trabalhavam formalmente no Brasil em 2016, 99.501 estavam nas regiões Sudeste e Sul do país, o que representa 85,8% do total. A maioria tinha vínculo em São Paulo, que concentrava 43.141 trabalhadores não-brasileiros. O segundo maior estado em número de imigrantes era Santa Catarina, com 14.348 trabalhadores formais vindos de outros países.

ffa45853393e4435e540cc958895e09d temproarioCom exceção dos portugueses, que estão presentes em todas as regiões do Brasil, a origem dos imigrantes varia conforme a região. No Sul e Sudeste predominam os haitianos. Eles também estão entre os principais trabalhadores não brasileiros do Centro-Oeste, ficando atrás apenas dos paraguaios nos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, onde a proximidade geográfica com o país latino é maior.

O coordenador substituto da Coordenação Geral de Imigração do Ministério do Trabalho, Luiz Alberto Matos dos Santos, explica que o grande fluxo dos haitianos foi para a região Sul, principalmente Santa Catarina, onde eles trabalham na criação, trato e abate de animais e na indústria ligada à área da alimentação. No Norte, peruanos e bolivianos estão entre as principais nacionalidades devido à proximidade com a fronteira.

“O Acordo de Residência do Mercosul e Países Associados permite aos moradores dessa região trabalharem em qualquer um dos países do acordo por até dois anos sem necessidade de solicitar autorização de trabalho. Depois de dois anos, se eles comprovarem meios de subsistência, poderão conseguir a autorização de permanência definitiva. Isso faz com que o fluxo, principalmente na fronteira, seja mais alto”, explica.

No Nordeste são os europeus que predominam. Segundo Luiz Alberto, eles trabalham principalmente nas cidades turísticas e no ramo de hotelaria. A exceção está no Ceará, onde existe um número grande de coreanos. “No Ceará fica a Companhia Siderúrgica do Pecém, que é coreana e veio para o Brasil a partir de um consórcio com a Vale do Rio Doce”, explica. Luiz Alberto chama ainda a atenção para o fluxo de bengaleses em quase todo o território nacional. “Há um grande número de pessoas de Bangladesh que pedem refúgio no Brasil. Eles normalmente não se enquadram nas regras da concessão de refúgio, mas como o Conselho Nacional para Refugiados (Conare) leva até dois anos para analisar os pedidos, eles acabam ficando e com autorização para trabalhar”, explica.

i064531 584 temproarioO perfil dos imigrantes no mercado de trabalho brasileiro é diferente conforme a nacionalidade. Enquanto os trabalhadores dos três principais países latino-americanos e os do Haiti têm maioria na faixa etária que vai dos 30 aos 39 anos, a maior parte dos portugueses tem entre 50 e 64 anos. A escolaridade também tem particularidades. Os haitianos são os menos escolarizados. Cerca de 10,58 mil possuem ensino médio completo e há mais pessoas analfabetas dos que com ensino superior. Com os portugueses ocorre o inverso. Dos cerca de nove mil trabalhadores do país europeu, quatro mil têm superior completo e há, ainda, trabalhadores mestres e doutores.

As vagas que eles preenchem nas empresas onde trabalham, no entanto, não são tão diferentes quanto às escolaridades. As ocupações de alimentador de linha de produção, faxineiro e cozinheiro, por exemplo, estão presentes e em número considerável entre os trabalhadores das cinco principais nacionalidades presentes no mercado de trabalho brasileiro. Ao mesmo tempo, há um grande número de médicos bolivianos contratados no Brasil, impulsionados principalmente pelo programa brasileiro Mais Médicos. Outra particularidade são as ocupações relacionadas às confecções, mais presentes entre bolivianos, embora haja também paraguaios e portugueses desempenhando essas funções. Entre os argentinos, há diversos trabalhadores contratados para cargos de gerência e de professor de língua espanhola (AI/MT).

Mais artigos...

  1. 60% das lesões no futebol atingem as coxas e joelhos
  2. Mídia representa pessoas em situação de rua de forma negativa
  3. Rap e jazz facilitam formação cultural e engajamento na escola
  4. Nova lei dá esperança a quem aguarda adoção
  5. Conheça 10 receitas 'italianas' que só existem no Brasil
  6. Brasileiros beneficiados pelo Daca vivem incerteza nos Estados Unidos
  7. Aumento de bilionários em 2017 poderia acabar com a extrema pobreza por 7 vezes
  8. Confira dez perguntas e curiosidades sobre a febre amarela
  9. Cai percepção de piora da economia entre comerciantes
  10. O escritor portenho Jorge Luis Borges continua dando o que falar
  11. Hepatite A: saiba como se pega o vírus, quais são os sintomas e tratamentos
  12. Queda da inflação beneficiou mais a classe de renda baixa, diz Ipea
  13. Psicanálise também tem lugar para pessoas em vulnerabilidade social
  14. Pesquisa identifica populações mais vulneráveis a transtornos mentais graves
  15. Promoções impulsionam comércio e vendas no varejo cresceram 0,7% em novembro
  16. Etanol brasileiro pode substituir 13,7% do petróleo consumido no mundo
  17. Eleições e Copa do Mundo devem afetar pauta de votações no Congresso
  18. Livro em tupi moderno busca fortalecer o idioma na Amazônia
  19. Retrospectiva/2017: Fim da recessão, queda de juros e da inflação marcaram a economia
  20. Retrospectiva/2017: O ano dos ataques cibernéticos
  21. Retrospectiva/2017: O ano em que o Brasil mostrou que se importa com a Amazônia
  22. Lado brasileiro de Itaipu também poderá ser reserva de biosfera da Unesco
  23. Simplificar para melhorar (e muito): a urgente Reforma Tributária
  24. Fake news e controle na internet são desafios para as eleições de 2018
  25. Condições de vida são mais baixas em áreas longe dos centros
  26. Bichos de pelúcia substituem animais de laboratório em aulas na USP
  27. IBGE: 50 milhões de brasileiros vivem na linha de pobreza
  28. Em 2015 sete municípios respondiam por 25% do PIB do país, mostra IBGE
  29. País ainda precisa avançar no combate ao racismo
  30. Com política eficiente, país pode reverter prazo para cumprir objetivos estipulados pela ONU
  31. 70 anos da maior descoberta arqueológica bíblica: Manuscritos do Mar Morto
  32. Bitcoin passa de US$ 13 mil e vira 'desejo de consumo'
  33. Pesquisa do IBGE mostra trabalho "invisível" feito em 2016 no país
  34. Divórcio demorou a chegar no Brasil
  35. Prédios públicos ficam vermelhos contra a aids
  36. Estudo resgata a história do Movimento do Custo de Vida
  37. Anabolizantes comprometem funcionalidade do “colesterol bom”
  38. Presença de árvores reduz casos de câncer de pulmão em idosos
  39. Proximidade do verão aciona alerta para desastres naturais
  40. Nova lei regula situação de estrangeiros no país
  41. SP e Prefeitura de Humaitá atendem ribeirinhos no Amazonas
  42. O desaparecimento de pessoas é um problema grave, que atinge milhares de famílias no Brasil
  43. Alimentos e cosméticos podem ter alerta sobre substância cancerígena_02
  44. OIT diz que há mais de 70 milhões de jovens desempregados no mundo
  45. Lixo no mar brasileiro vai de drogas a plástico
  46. Livro 'Vestígios da Memória' mostra a riqueza da arquitetura paulista
  47. Atenção dos pais pode reduzir risco de abuso de drogas na adolescência
  48. Reforma trabalhista entrou em vigor neste sábado com novas formas de contratação
  49. Alimentos e cosméticos podem ter alerta sobre substância cancerígena
  50. Dois anos depois, atingidos por barragem em Mariana ainda não foram indenizados
  51. População não entende rótulos, diz pesquisa
  52. Ética no esporte: uma poderosa ferramenta de formação de caráter
  53. Desafios para o cumprimento do Acordo de Paris
  54. Historiador desconstrói mitos sobre Teatro Municipal de São Paulo
  55. Dia mundial de combate ao abuso infantil
  56. Bullying na escola está ligado à má relação familiar, diz estudo
  57. Naufrágios chamam a atenção para a segurança nas hidrovias brasileiras
  58. Com frete rodoviário abaixo do custo, CNI defende fiscalização para evitar crise
  59. Livro analisa educação clandestina no gueto de Varsóvia
  60. Igualdade entre homem e mulher pode agregar US$ 28 trilhões ao PIB até 2025
  61. Os acordes dissonantes da contracultura nos anos de chumbo
  62. Reforma eleitoral abre espaço para propaganda paga em sites
  63. Rotina de jovens com HIV inclui estigma e mudança de hábitos
  64. Gravidez precoce ainda é alta, mostram dados
  65. Rede de apoio é fundamental para combater violência contra a mulher
  66. FAO sugere que jovens de países em desenvolvimento não deixem áreas rurais
  67. Conheça a trajetória do Velho Guerreiro
  68. O que as crianças estão aprendendo sobre o amor?
  69. Outubro Rosa conscientiza sobre prevenção do câncer de mama
  70. Indústria fecha primeiros oito meses do ano com crescimento de 1,5%, diz IBGE
  71. Perda de renda e medo do desemprego fazem brasileiros diminuírem consumo
  72. Desconfiança e preconceito da sociedade dificultam ressocialização de presos
  73. Açaí teve maior valor de produção na extração vegetal em 2016, diz pesquisa
  74. Fécula de mandioca poderá substituir parte da farinha de trigo na composição do pão
  75. Pesquisa aponta saídas para combater desigualdade no Brasil
  76. No Brasil, 45% da população ainda não têm acesso a serviço adequado de esgoto
  77. Integrar história da ciência nas escolas pode revolucionar ensino
  78. Cerca de 11 mil pessoas tiram a própria vida todos os anos no Brasil
  79. Estudo feito na Unicamp permite traçar o roteiro da obesidade
  80. Crise pode limitar financiamento estudantil
  81. Gorduras boas: saiba a importância desses nutrientes e porque eles devem fazer parte do nosso dia a dia
  82. Mercado de trabalho dá sinais de recuperação no segundo trimestre
  83. Cientistas dizem que furacões como o Irma são evidência de aquecimento global
  84. Programa Identidade Jovem enfrenta baixa adesão e resistência dos empresários
  85. Crescimento de ataques virtuais acende alerta sobre suicídio
  86. Na Georgia, brasileiros criam rede de apoio e acolhem mais de 300 pessoas
  87. O Império do Brasil
  88. Cabelos fracos, quebradiços e com queda? A solução pode estar no cardápio
  89. Microplásticos ameaçam 529 espécies da fauna marinha em todo o mundo
  90. Enade: matrículas em instituições públicas crescem e rede privada tem redução
  91. Pesquisadores descrevem 381 novas espécies de animais e plantas da Amazônia
  92. Direito à saúde bucal pode virar lei
  93. Casa da Moeda: Economistas não acreditam que privatização traga risco de fraude
  94. Taxa de feminicídios no Brasil é a quinta maior do mundo
  95. Travessia longa até um trânsito civilizado no país
  96. Intestino preguiçoso: saiba quais alimentos consumir para evitar esse mal e ter uma vida saudável
  97. Cerca de 58% dos alunos da rede pública têm rendimento abaixo da média em matemática
  98. Pelo terceiro ano seguido, desemprego é a principal causa da inadimplência, mostra levantamento do SPC Brasil e CNDL
  99. De concurso de miss a maternidade, cadeirantes contam como resgataram autoestima
  100. Verba de multas poderá ir para o trânsito
Mais Lidas