Sondagem do Parlamento Europeu diz que 73% dos europeus apoiam o euro

Sobre futuro da União Europeia, 56% dos entrevistados se disseram otimistas e confiantes.

Sondagem feita pelo Parlamento Europeu com quase 28 mil pessoas mostra que a maioria dos europeus têm uma visão positiva do euro, a moeda oficial de 19 dos 28 estados-membros da União Europeia (UE)

Este é o resultado mais alto desde 2004. Na Alemanha, Irlanda e Luxemburgo, por exemplo, 80% dos entrevistados ou mais apoiam o euro. A pesquisa Eurobarômetro, foi realizada entre os dias 18 e 27 de março de 2017, com entrevistas presenciais a 27.901 cidadãos, nos 28 países da UE.
Quando perguntados sobre o futuro da UE, 56% dos entrevistados disseram estar confiantes nas instituições. Entre os franceses, 55% afirmaram estar otimistas; assim como 70% dos dinamarqueses e 64% dos portugueses. Sobre a economia, quase metade dos europeus (46%) considerou que o estado atual da economia é bom, o que representa aumento de 26% em relação à pesquisa feita no primeiro semestre de 2009.
Entre os cidadãos europeus que têm uma imagem positiva da UE (40%), os luxemburguenses (57%), os dinamarqueses (42%) e os franceses (40%) foram os que mais aumentaram esta percepção, em relação à pesquisa anterior. No total, 68% dos europeus sentem que são cidadãos da UE. Este é o nível mais elevado deste resultado, desde que o indicador passou a fazer parte da pesquisa.
Segundo os participantes da pesquisa, o terrorismo está no topo dos problemas que a UE enfrenta atualmente (44%), 12% a mais do que no segundo semestre de 2016. O terrorismo e a imigração são citados como os principais desafios em todos os países, exceto em Portugal e na Suécia. A imigração, preocupação fundamental na Europa devido à crise dos refugiados, é agora o segundo desafio mais frequentemente apontado por 38% dos entrevistados.
Pela primeira vez, o Eurobarômetro avaliou a imagem da UE em onze países de fora. Estes países representam 49% da população mundial e 61% do PIB mundial. Nos três países mais populosos (China, Índia, EUA), pelo menos 75% dos entrevistados têm uma opinião positiva sobre a UE. No Brasil, 94% das pessoas entrevistadas afirmou ter uma opinião positiva sobre a UE. Na sequência, aparecem a China (84%), a Índia (83%), o Japão (76%), o Canadá (79%), os EUA (75%) e a Austrália (67%) (ABr).

Farc mudam de nome e viram partido político na Colômbia

Símbolo do partido das Farc é uma rosa com uma estrela no meio.

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) anunciaram seu novo nome como partido político colombiano ao fim de uma semana de reuniões em Bogotá. Agora, a nova legenda se chamará Força Alternativa Revolucionária do Comum, mantendo a sigla Farc, segundo informou o líder do grupo, Rodrigo ‘Timochenko’ Londono. A decisão foi tomada após votação entre a nova direção da sigla política.
No encontro de quatro dias, 1,2 mil delegados participaram e definiram qual será o futuro da sigla. Além disso, o grupo definiu quem serão os candidatos para as eleições presidenciais do ano que vem.A nova bandeira da Farc é branca com uma rosa vermelha, que tem em seu meio uma estrela vermelha. A imagem foi usada por anos pelos guerrilheiros.
O porta-voz do Vaticano, Greg Burke, deu detalhes sobre a visita do papa Francisco à Colômbia, que ocorre nesta semana, entre os dias 6 e 11. A Santa Sé foi uma das entidades que ajudou a intermediar a negociação de paz entre as Farc e o governo colombiano de Juan Manuel Santos. Ao ser questionado se Jorge Mario Bergoglio iria se encontrar com membros da ex-guerrilha, Burke destacou que “não há nada organizado, nem com as Farc, nem com o ELN [Exército da Libertação Nacional], nem com a oposição” na agenda em Bogotá.
No entanto, o representante destacou que haverá a presença de ex-guerrilheiros e de vítimas da longa guerra de mais de 50 anos na missa pela reconciliação nacional no Parque Las Malocas, em Villavicencio, que ocorre no dia 8. “O Papa quis fazer isso em um contexto litúrgico”, explicou Burke ressaltando que, durante a celebração, serão ouvidos quatro testemunhos do conflito (ANSA).

Rock in Rio deverá reunir mais de 100 mil pessoas por dia

A prefeitura do Rio divulgou que mais de 100 mil pessoas são esperadas diariamente para a edição do Rock in Rio. A principal recomendação para melhor locomoção dos frequentadores do evento é optar pelo sistema de transporte público. De acordo com o secretário municipal de Transportes, Fernando Mac Dowell, a grande novidade é o trabalho conjunto do BRT e Metrô Rio que vai funcionar 24 horas. O diretor do Centro de Operações, Joaquim Diniz, reforçou a importância dessa junção de serviços ao esclarecer que o estacionamento nas redondezas do local será proibido.
“Para que a gente estimule e garanta o conforto de quem vai para o evento utilizando o Metrô mais BRT, todo o entorno da Cidade do Rock vai ter estacionamento inibido para impedir que as pessoas tentem ir de veículo próprio. Por que que a gente inibe o carro particular? Porque para acomodar mais de 100 mil pessoas de carro nessa região, os transtornos e congestionamentos seriam inevitáveis, por isso estimulamos à utilização do transporte público”, explicou o diretor.
Para garantir o controle urbano e do trânsito no local, o diretor de operações da Guarda Municipal, Ricardo Soares, disse que no primeiro dia de evento, 15 de setembro, a Guarda estará presente no local desde as 7h da manhã, contando com 280 guardas em apoio às ações da Cet-Rio nos bloqueios de rua e pontos de fiscalização de veículos, além de mais de 230 agentes em ações de ordenamento urbano espalhados pela Cidade do Rock, redondezas e pontos de transporte público.

Venezuela: escassez de dinheiro deixa bancos com poucas cédulas

Bancos limitam a retirada de dinheiro devido à escassez de papel-moeda.

A escassez de dinheiro vivo na Venezuela há meses deixou os bancos do país com poucas cédulas para os clientes e, inclusive, interrompeu totalmente o fluxo em algumas agências que já não contam com notas de nenhum valor.
Em duas agências do estatal Banco da Venezuela, situadas no Leste de Caracas, foi interrompido o saque de dinheiro por cidadãos devido à falta de cédulas, segundo disseram funcionários destas entidades sem oferecer mais detalhes.
Além disso, trabalhadores de outros seis bancos dos setores público e privado afirmaram que suas empresas estão limitando a retirada de dinheiro devido à escassez de papel-moeda. Um escritório do grupo privado Banesco, por exemplo, libera ao dia um máximo de 20 mil bolívares por cliente (cerca de US$ 6, segundo a taxa referencial oficial), enquanto o estatal Banco do Tesouro disponibiliza um máximo de 50 mil bolívares (US$ 16) a cada cidadão que tenha uma conta de pessoa natural.
Em média, um venezuelano pode retirar nos caixas eletrônicos um máximo ao dia de 10 mil a 20 mil bolívares, equivalentes a quantias entre US$ 3 e US$ 6, e a variação dependerá da instituição financeira na qual se tenha a conta, ainda que na atualidade algumas passem horas sem dinheiro disponível. A inflação acumulada na Venezuela até julho alcançou 249%, segundo dados do Parlamento, controlado pela oposição. O FMI previu que a inflação seguirá descontrolada e indica que se situará em 720% neste ano e que alcançará 2.000% em 2018 (Agência EFE).

Chuvas no centro do país devem demorar para chegar, prevê MCTIC

As chuvas na área central do Brasil, que normalmente começam na segunda quinzena de setembro, devem demorar mais para chegar neste ano. A tendência é que o volume de precipitação em setembro, outubro e novembro ocorra abaixo da média histórica. A previsão é do Grupo de Trabalho em Previsão Climática Sazonal do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).
Segundo o coordenador-geral de Operações e Modelagem do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), Marcelo Seluchi, esse quadro é causado pela falta de umidade no ar aliada ao baixo volume de chuvas na região amazônica nos últimos meses, responsável por criar os sistemas de precipitação que chegam a essa parte do país. Por causa da falta de umidade, a primeira quinzena de setembro deve registrar temperaturas altas, quadro que deve se estender até que ocorram as primeiras chuvas.
Na última semana, a Defesa Civil do Distrito Federal declarou estado de emergência, por causa do baixo índice de umidade relativa do ar, que chegou a 11%. O Grupo de Trabalho em Previsão Climática Sazonal do MCTIC é formado por especialistas do Cemaden, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa). Também estão representados órgãos ligados à área de climatologia, hidrologia e desastres naturais, como a Agência Nacional de Águas (ANA), o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) e a Fundação Cearense de Meteorologia (Funceme) (ABr).