ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

J. B. Oliveira

       

Silêncio...  

 

 

 

J. B. Oliveira

 

                                                                                                                                                           

 

O silêncio é vocábulo masculino.

 

A fala é palavra feminina.

 

Isso tem alguma consequência ou vinculação?

 

Por mera coincidência ou não, tudo leva a crer que há, sim, vinculação dos termos com os gêneros!

 

O homem – em princípio – é mais dado ao pouco uso da fala. Se estiver preocupado, encucado com alguma coisa, sua tendência natural é o mutismo. Principalmente se as relações de trabalho, do “ganha-pão”, estão envolvidas. Ele chega em casa sorumbático e mais eloquente do que uma múmia. E quando a mulher – que já percebeu que há problema no ar – se dirige a ele e pergunta o que está havendo, se algo o está preocupando, as respostas são sempre murmuradas em monossílabos. Na verdade, o que ele quer é aquilo que com sua voz marcante e característica o velho Tim Maia cantava: “Eu quero sossego”! Aliás, a composição é singular: são quatro linhas com algumas palavras diferentes, e o resto é a repetição quase ao infinito da frase acima. É assim:

 

“Ora bolas, não me amole

 

Com esse papo de emprego

 

Não está vendo, não estou nessa

 

O que eu quero?

 

Sossego, eu quero sossego

 

O que eu quero? Sossego!”

 

Esse é ele.

 

Já ela tem comportamento totalmente diverso. Diante de um problema, a coisa que mais faz é falar! As palavras são para ela é uma forma de catarse! As palavras ajudam-na a “desencanar” e a encontrar caminhos para a solução do impasse...

 

E a verdade é que a mulher está certa! A exteriorização das preocupações é meio caminho andado para resolvê-las, na medida em que as retira do campo meramente mental, etéreo, incorpóreo e lhes dá forma e consistência materiais, tornando-as audíveis!

 

Principalmente se ELE está no centro da questão.

 

O problema é que o homem, para quem esse sistema é totalmente estranho, não o consegue assimilar e acompanhar porque, via de regra, o processo de fala da mulher frente a esse tipo de problema é extremamente rápido e versátil: ela vai “de alhos a bugalhos” em segundos, e dispara palavras como uma metralhadora (na mão de macaco). E aí, olha para ele, extático, mudo e pergunta: “ e o senhor não vai responder nada? ”

 

Ocorre que ele simplesmente não sabe o quê nem sobre o quê responder, tantas foram as coisas sobre a quais ela falou!

 

E também pouco importa, porque o que ela quer mesmo é falar, exteriorizar suas “neuras”, botar pra fora tensões e preocupações... e, às vezes, como na canção de Erasmo: “brigas, só pra depois, ganhar mil carinhos de mim...”

 

O que é importante é que – ele calando e ela falando – buscam um meio de se acertarem, de unirem seus caminhos rumo à boa convivência sentimental, pois “só pelo amor vale a vida”!

 

 

 

 

 

*Dr. J. B. Oliveira, Consultor Empresarial e Educacional, é

Advogado, Professor e Jornalista. Pertence à Academia Cristã

de Letras e ao Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo

www.jboliveira.com.br

Mais artigos...

  1. Verbos diferentes para seres diferentes...
  2. E “O homem do tempo”, heim?
  3. Ela o chamou pelo nome completo? Hum...!
  4. EDUCAÇÃO: OBJETIVOS E RECURSOS. E NOSSA REALIDADE
  5. O turismo descollorido
  6. Haviam ou havia?
  7. Entendeu? ... Ou quer que eu desenhe?
  8. “Aquele acentozinho enjoado chamado crase...”
  9. “O pior cego é o que não quer ver”
  10. “Fale agora ou cale-se para sempre...”
  11. “...muitas pessoas que sofrem de depressão sentem-se melhores...”
  12. É um momento 'onde' só a acusação tem vez e tem voz
  13. “Esse corretor mais atrapalha do que ajuda”!
  14. Línguas parecidas...I
  15. Os pronomes possessivos. E o comportamento dos filhos
  16. Comunicação visual: o que elas fazem. E eles não entendem...
  17. O JOVEM E A EDUCAÇÃO : UM BINÔMIO CRÍTICO
  18. Jerry Lewis, Ruy Castro e Amar e gostar...
  19. A prolixidade castigada...
  20. Pó... ou Vida?
  21. “20% das mais de 18 milhões de moedas...”
  22. Codificação e decodificação
  23. Grama: no jardim ou na balança?
  24. Uma arroba de história...
  25. Um sério RUÍDO na comunicação interpessoal...
  26. Alternativas. Na aviação e na Oratória...
  27. HÁ 39 ANOS...
  28. IMPROVISO!
  29. Recordar é viver...
  30. Variações do mesmo tema ...
  31. SAUDOSISMO... E CIVISMO!
  32. Afinal, é Este ou Esse?
  33. É PÁSCOA. ONDE ESTÃO O COELHINHO E OS OVOS?
  34. A EDUCAÇÃO E A ÉTICA
  35. Que palavra usar: Humanização ou Fragilização da lei?
  36. Comunicação e Relacionamento Humano
  37. Línguas parecidas
  38. Duas fases da PALAVRA no grupo de Cristo
  39. DUAS PERGUNTAS PERTINENTES. E PREOCUPANTES
  40. No princípio era o Verbo
  41. O PODER DA IMPRENSA LIVRE
  42. A EDUCAÇÃO E A IMPRENSA
  43. EM ORATÓRIA, É PRECISO ESTAR SEGURO!
  44. PLEONASMOS: ESCRACHADOS, DISSIMULADOS E SUTIS...
  45. Travas e entraves da comunicação
  46. A vírgula... ah! a vírgula!
  47. BENEFÍCIO, PREVIDÊNCIA E PROVIDÊNCIA...NA GRAMÁTICA
  48. DELITOS NOVOS versus LEIS ANTIGAS...
  49. Uma palavra para ser usada... com cuidado!
  50. Juizeco e Chefete...
  51. UM POUCO DO DESCALABRO EDUCACIONAL
  52. O xis da questão...
  53. Inibição! Como e porque surge!
  54. COMO ANDA SUA ORATÓRIA FAMILIAR?
  55. PREMEIO ESSE EXCECIONAL SECTOR, SEM DECECIONAR NEM INDEMNIZAR!
  56. OS DOZE TRABALHOS DE...HÍFEN!
  57. COMO É QUE É MESMO?
  58. A Polissemia e o trágico fim do guia de turismo!
  59. A QUADRA QUE ENQUADRA...
  60. PALAVRAS “DENOREX”: PARECEM ... MAS NÃO SÃO!
  61. Oratória Negocial
  62. Quando o PLURAL não é o plural do SINGULAR...!
  63. “AMANHÃ EU VÔ NUM VIM TRABALHÁ....”
  64. A velha questão do “VOCÊ”...
  65. PALAVRINHAS que dão vontade de dizer um PALAVRÃO!
  66. “AS PREPOSIÇÕES E AS CONJUNÇÕES NA GRAMÁTICA E TAMBÉM NA PRÁTICA”
  67. “AS EMPRESAS SE ADEQUAM ÀS NOVAS CONDIÇÕES”
  68. A IMPORTÂNCIA DO LAZER
  69. Agüentar tranqüilo nunca mais. Trema, trema!
  70. PLEONASMO NOS OLHOS
  71. “ESTOU CORRENDO ATRÁS DO PREJUĺZO…”
  72. UM MAGNO EQUÍVOCO
  73. SAVOIR FAIRE: COMO AS ÉPOCAS MUDAM AS PALAVRAS...
  74. BRIGADO POR QUÊ?
  75. “DIGITATORE TRADITORE”
  76. VOCÊS SABEM O QUE É DOCE DELEITE?
  77. NÓS E A PÁTRIA
  78. Afinal, qual é a posição correta das bandeiras?
  79. ANUNCIARAM O HINO NACIONAL! O QUE DEVO FAZER?
  80. EXÓRDIO... QUE REMÉDIO É ESSE?
  81. Por conta dos vícios de linguagem...!
  82. O ÓPTIMO ACTO DE ADOPTAR OBJECÇÕES
  83. No novo acordo, acentuação rima com recordação...

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171