Inbound Marketing é o mais novo aliado das empresas que querem sair da crise econômica

Conforme levantamento da eMarketer, empresa especializada em pesquisas envolvendo marketing, o segmento de Marketing Digital deverá apresentar um crescimento de 15%, totalizando US$ 3,36 bilhões investidos, se comparado com o ano anterior

foto-blog-inbound-marketing1 temproario

Thiago Regis (*)

Indo na direção contrária, a companhia diminuiu a estimativa para o avanço do mercado publicitário e compra de mídia de 10,4% para 5,7%.

A redução do valor se dá devido ao cenário econômico atual do país, que trouxe altos índices de desemprego à população. Em contrapartida, o incremento da publicidade digital ocorre por ser uma alternativa palpável devido às opções de custo e alcance. O Inbound Marketing, por essência, é democrático. A criação de conteúdo pode ser realizada tanto por grandes empresas quanto pequenos negócios, podendo atingir excelentes resultados em ambos, mesmo sem efetuar grandes investimentos.

Inbound Marketing como carro-chefe
O conceito não é novidade e foi popularizado nos Estados Unidos em 2009 após o lançamento do livro de Brian Halligan e Dharmesh Shah, intitulado “Inbound Marketing: seja encontrado usando o Google, a mídia social e os blogs”. A partir daí, se multiplicou pelo mundo todo. A tática consiste em criar conteúdo relevante, visando atrair potenciais clientes para o blog ou site da empresa e, a partir daí, desenvolver todo o trabalho de relacionamento por meio de material personalizado e autoral.

Como produzir conteúdo significativo?
1. Defina seu público: O primeiro e mais importante passo é definir quem será o seu público-alvo. Com base no target, é possível adequar a linguagem, o tom e o formato do conteúdo. Adaptar a empresa ao consumidor é o novo modelo de negócios, fazendo com que a comunicação da companhia atue da mesma maneira.

2. Elabore estratégias: O Inbound Marketing pode ser realizado de diversas maneiras. Mais interessante do que apostar em todas as vertentes é definir estratégias e saber os melhores momentos para utilizar cada formato. Atualmente, os vídeos estão em evidência. Por serem dinâmicos, o conteúdo pode ser mais abrangente e a forma de trabalhar os leads – potenciais clientes – pode ser mais efetiva.

3. Mensure os resultados: Uma das grandes vantagens do Marketing Digital em relação à publicidade tradicional é a possibilidade de analisar os resultados. Por meio de ferramentas, é possível saber qual o poder de penetração de um ou mais conteúdos e analisar o que funciona melhor em determinado momento, sendo possível estudar as conclusões e elaborar novas estratégias mais assertivas com base nos erros e acertos cometidos na fase anterior.

(*) É CEO da agência da Pílula Criativa, Thiago Regis é designer com especialização em Marketing Digital, Search Engine Optimization (SEO) e inteligência de Inbound Marketing para novos negócios. Sempre de bom humor, ele é um verdadeiro estrategista das redes sociais e domina a arte da criação de Sites, Landing Pages, Lojas Virtuais, Links Patrocinados, E-mail Marketing e Infográficos. Entusiasta das novas tecnologias e dono de um espírito empreendedor, Regis também é fundador da DroneVIP, uma empresa sediada em São Paulo com soluções para fotos e filmagens aéreas com a utilização de dispositivos não tripulados.

SAP FORUM BRASIL nos dias 12 e 13 de setembro

Dias 12 e 13 de setembro, a SAP Brasil realiza a 21a edição do SAP Forum Brasil. Este ano, o evento mostra que o futuro prometido pelas inovações tecnológicas já chegou. Além de palestras e sessões sobre os mais importantes temas atuais, cases de sucesso e show cases vão comprovar que as tendências de mercado já se transformaram em negócios digitais graças a novas e acessíveis plataformas e soluções. No ano passado, mais de 8 mil pessoas participaram do encontro no Transamérica Expo Center, em São Paulo.
Desde sua primeira edição, o SAP Forum Brasil mostra a importância de uma constante inovação para os negócios de empresas de todos os portes. Nos últimos anos, a transformação digital foi tema dominante do evento que, nesta edição, traz resultados concretos de setores que já trilham a nova jornada tecnológica e usufruem de seus resultados para os negócios.
“Nosso objetivo principal é mostrar como as novas tecnologias, como Big Data, Machine Learning, IoT, Blockchain e Inteligência Artificial já estão alavancando a inovação, a reinvenção e a transformação de negócios em grandes, médias e pequenas empresas”, destaca Odélia Avny, gerente de Marketing da SAP Brasil. Para isso, o evento vai contar com grandes nomes do mercado, clientes e os principais executivos locais e globais da companhia, que estarão à frente de palestras, show cases e mais de 400 sessões de conteúdo.
As sessões do SAP Forum Brasil 2017 estarão divididas em grandes categorias, como Tecnologia e Plataformas, Compras, Finanças, Recursos Humanos, Cadeia de Suprimentos e Marketing e Vendas, entre outras. O evento será aberto por um Congresso que já tem confirmados, entre outros palestrantes, Flavio Pripas, diretor do Cubo. Entre outros executivos globais da SAP estarão presentes: Pat Bakey, presidente da SAP Industries; Jennifer Morgan, presidente para Americas e APJ de Global Customer Operations, e Mala Anand, presidente global de SAP Leonardo e Data & Analytics. Todos vão participar de bate-papos sobre transformação digital e o portfólio SAP Leonardo. Para se inscrever e mais informações, acesse www.sapforum.com.br

Cinco conselhos jurídicos para quem deseja começar uma startup

dinheirama-startup temproario

Basta abrir a revista de negócios ou o jornal especializado mais próximo para perceber que existe um enorme buzz em torno das startups. O mercado para esse tipo de empreendimento está aquecido e o número de pessoas dispostas a desenvolver projetos nessa área é cada vez maior.
Nesse contexto, existem algumas precauções que precisam ser tomadas do ponto de vista jurídico:

1. Formalize corretamente o acordo entre os fundadores:
É importante deixar claro, desde o princípio, a participação de cada sócio no empreendimento, bem como os papéis que cada um exercerá e a forma como serão tomadas decisões conjuntamente. Para evitar problemas futuros, tudo deve ser formalizado. Não basta ter uma boa ideia, é preciso ter uma boa empresa.

2. Constitua legalmente sua empresa:
Startups, inclusive aquelas em fase pré-operacional, devem estar devidamente registradas (possuir CNPJ) e com tipo societário definido. Essa medida aumenta a credibilidade do empreendimento e protege o patrimônio pessoal dos sócios de eventuais dívidas da empresa, aumentando em muitos casos a possibilidade de acesso a fontes de financiamento.

3. Documente todas as receitas e despesas e recolha os tributos corretamente:
Empreender no Brasil é um grande desafio, em que o registro contábil e a apuração dos tributos são importantes etapas. Entretanto, as startups que conseguem vencer essas etapas aumentam consideravelmente suas possibilidades de crescimento e perenidade.

4. Esteja preparado para receber aportes de investidores:
Existem muitos investidores-anjo, fundos de investimento e grandes empresas dispostos a investir em startups. Ser escolhido por eles é o grande desafio. Seguir os conselhos acima, certamente aumentará suas chances. Conhecer a linguagem do mercado é fundamental: tenha projeções de receitas, conheça as perspectivas do setor para médio e longo prazo e, é claro, treine seu pitch incessantemente. Convém destacar a diferenciação do discurso quando o empreendedor consegue falar sobre a modelagem do negócio, inclusive nas dimensões tributária e societária.

5. Avalie formas alternativas de começar o negócio:
Andar sozinho por muito tempo torna a caminhada mais difícil. Atualmente, é possível considerar alternativas que amenizam as agruras dos primeiros passos. Considere começar a empreender por meio de incubadoras, aceleradoras e/ou espaços de co-working. Também há a possibilidade de criar um projeto que conecte sua startup com uma média ou grande empresa (corporate venture), conforme a natureza da solução desenvolvida.

(Fonte: Wagner Arnold Fensterseifer, advogado
da Pactum Consultoria Empresarial).

Cinco dicas práticas para reuniões de análise de desempenho eficazes

Michael Cardoso (*)

Como extrair o melhor de seus colaboradores? De que forma entender o valor de cada funcionário para as rotinas de seu negócio? Qual o melhor caminho para integrar equipes em prol do alcance dos objetivos estratégicos de uma organização?

Estas são algumas das perguntas que fazem parte do dia a dia de um gestor devidamente envolvido com a coordenação de equipes e em busca de extrair o melhor de cada um dos membros de seu time.
Para responder tais questões, entretanto, é preciso, antes de tudo, saber avaliar seus colaboradores de uma forma eficiente, visando alinhar com eles exatamente o que sua empresa reserva e espera de seus desempenhos. Desta forma, será possível corrigir eventuais falhas na condução das atividades do negócio e desenvolver uma cultura organizacional forte e bem direcionada.
Pensando nisso, no artigo de hoje separei algumas dicas para auxiliar os colegas a implementar um modelo de reunião de análise de desempenho mais assertivo e que propicie melhores resultados para a empresa como um todo. Acompanhem!

01. Estabeleça critérios de avaliação
Antes de analisarmos o desempenho de um funcionário ou de determinada equipe, é preciso estipular a partir de quais critérios desenvolverei tal análise. Um dos modelos mais utilizados atualmente consiste na Avaliação 360º Graus, em que o colaborador é avaliado por todos aqueles que mantem alguma relação profissional com o funcionário: gerente, líderes, pares, colegas e até mesmo clientes.
Em uma reunião de desempenho, um panorama geral desta avaliação pode ser apresentado ao colaborador, com o intuito de fomentar feedbacks assertivos que o conduzam a um melhor exercício de sua função.

02. Avalie o impacto do colaborador para a organização
Cada vez mais, é consenso nas companhias modernas, a importância da integração entre os departamentos de um negócio de modo a favorecer as conquistas dos objetivos estratégicos da empresa.
Neste sentido, em uma reunião de análise de desempenho, é fundamental que o gestor aponte para o colaborador o que se espera dele dentro do contexto integral da organização e estimule-o a manter uma comunicação aberta tanto com seus pares, quanto com os integrantes de outros setores e equipes.

03. Seja claro e forneça análises construtivas
Da mesma forma que se espera uma comunicação aberta entre colaboradores e equipes, o gestor deve fomentar uma conversa bastante clara nos processos de análise de desempenho. Na verdade, ele deve servir como um modelo de inspiração para a abertura do diálogo na empresa. O importante aqui é fornecer avaliações construtivas, que apontem sucessos e eventuais falhas, sempre propondo caminhos para que se extraia o melhor do funcionário.

04. Otimize o tempo
Reuniões devem servir como um ponto de alinhamento visando a conquista de objetivos, correções de rota e indicações do que está caminhando corretamente. Quando são dispersas e tomam demasiado tempo do colaborador, elas acabam por interferir na produtividade da empresa e sequer auxiliam como fonte de feedback.
Sendo assim, crie métodos para tornar suas reuniões de análise de desempenho mais objetivas. Isso pode ser feito, por exemplo, por meio da utilização de checklists que servirão de base de apoio para as reuniões.

05. Implemente a avaliação contínua
Por fim, a reunião de análise de desempenho deve ser apenas uma parte de um processo de avaliação contínua e diária dos seus colaboradores. Afinal de contas, será por meio dos indicadores extraídos no cotidiano da organização, que se poderá avaliar realmente o quão produtivo e eficiente tem sido um funcionário ao longo de sua jornada em uma empresa.
Com todas essas indicações aqui expostas, temos condições de apontar um norte para a melhoria dos processos de uma empresa e do desempenho de nossas equipes. É tarefa do gestor indicar este caminho, tendo sempre em mente o sucesso do negócio.

(*) É cofundador, sócio e atual diretor de operações da JExperts. Tem mais de 18 anos de experiência no mercado de tecnologia, com sólido conhecimento em gestão de processos com foco em metodologias direcionadas para a excelência na entrega de produtos e serviços.