ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Total de domicílios alugados no Brasil cresce 5,3% em um ano

Dos 71 milhões de domicílios existentes no Brasil em 2018, 12,9 milhões eram alugados. Os números, que revelam um aumento de 5,3% na comparação com 2017, constam da pesquisa divulgada ontem (22), no Rio, pelo IBGE.

Total de temporario

O Sudeste registra 18,4% de apartamentos. A região está acima dos 13,8% observados no país. Foto: Diogo Moreira/Gov.de São Paulo

Reúne informações relacionadas a características gerais dos domicílios e moradores de todas as regiões do Brasil no ano de 2018 e compara os resultados com os de anos anteriores. Entre 2017 e 2018, o aumento de residências alugadas foi observado em todo o país. A elevação mais expressiva foi de 5,8% na região Sudeste.

Atualmente, 20,5% de todos os domicílios situados em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo são alugados. Embora tenha tido registrado um avanço proporcionalmente menor em relação a 2017, o Centro-Oeste permaneceu como a região com o maior percentual de residências alugadas. Estão nesta situação 22,9% do total. A quantidade de domicílios próprios, quitados ou ainda em pagamento, também cresceu em números absolutos entre 2017 e 2018.

No entanto, houve leve queda proporcional no período. Em 2017, dos 69,5 milhões de domicílios, 51 milhões eram próprios, o que representa 73,3%. Já em 2018, as residências próprias eram 51,5 milhões das 71 milhões existentes, isto é, 72,5%. A pesquisa do IBGE revela ainda que, em 2018, 31 milhões dos domicílios estavam situados no Sudeste, 18,5 milhões no Nordeste, 10,7 milhões no Sul, 5,5 milhões no Centro-Oeste e 5,3 milhões no Norte.

O levantamento também apresenta um recorte em relação ao tipo das residências no país. Casas representam 86% e apartamentos 13,8%. O restante (0,2%) reúne habitações coletivas como cortiços ou cabeças de porco. O número de apartamentos, após uma redução de 3,1% de 2016 para 2017, acusou crescimento de 7,1% em 2018. Nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, o percentual de casas supera a média nacional: 92,7%, 90,9% e 89,0%, respectivamente. Por outro lado, o Sudeste e o Sul registram respectivamente 18,4% e 14,3% de apartamentos. Ambas as regiões estão acima dos 13,8% observados no país (ABr).

Estoques permanecerem adequados para 60% dos comerciantes

Estoque temporario

Os comerciantes do varejo estão conseguindo equilibrar seus estoques. Foto: Arte/TUTU

Com a economia do País estagnada e as estimativas de crescimento revistas para baixo, o Índice de Estoques (IE) do comércio paulistano se manteve estável em maio – 121,1 pontos, ante os 121,3 pontos de abril – e, em relação ao mesmo período do ano passado, houve elevação de 6,4%. A proporção de empresários que consideraram seus estoques adequados permaneceu na média histórica pré-crise econômica (60%), mas na comparação com o mesmo mês de 2018, obteve alta de 3,3 pontos porcentuais, quando a porcentagem era de 56,5%.

Segundo a assessoria econômica da FecomercioSP, essa estabilidade nos estoques significa que as vendas estão abaixo do esperado e houve pausa na reposição dos produtos, pois não foram registradas grandes movimentações na passagem dos meses. Assim, também ocorreram poucas alterações no levantamento de comerciantes que declararam ter excesso de mercadorias – de 27,3% em abril para 27,5 em maio, diferença de 0,3 pontos porcentuais. E para os que consideram ter estoques baixos, - 0,1 ponto porcentual em relação ao mês anterior, de 11,7% em abril para os atuais 11,6%.

Os dados captam a percepção dos varejistas sobre o volume de mercadorias estocadas nas lojas, variando de zero (inadequação total) a 200 pontos (adequação total). A marca dos cem pontos é o limite entre inadequação e adequação. A lenta movimentação no comércio já é reflexo da queda dos indicadores de confiança. Os empresários estão mais cautelosos e atentos às articulações políticas, aguardando o andamento, seguido da aprovação, das principais reformas, o que só deve ocorrer com a normalidade das relações institucionais do setor público (AI/FecomercioSP).

Movimento do Comércio recuou 0,5% em abril

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, recuou 0,5% em abril, contra o último mês de março, já descontados os efeitos sazonais, de acordo com dados apurados pela Boa Vista. Na avaliação acumulada em 12 meses, o indicador vem mantendo o ritmo observado desde o início do ano e subiu 1,5% em abril.

Os últimos resultados do indicador revelam a continuidade de um movimento lento de recuperação do comércio. Fatores como alto nível de desocupação e subutilização da mão de obra, queda da confiança e tímido crescimento da atividade econômica continuam sendo os principais entraves para uma evolução mais robusta do setor. Com poucos sinais de melhora no cenário econômico, espera-se que o varejo siga um ritmo gradual em 2019 (Boa Vista SCPC).

OCDE reduz para 3,2% perspectiva de crescimento

A Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) reduziu para 3,2% a previsão de crescimento global para este ano, uma queda de 0,3 ponto percentual em relação à avaliação anterior, feita em novembro. Autoridades mencionaram o atrito comercial entre os Estados Unidos e China como um fator de risco.

O economista-chefe da instituição, Laurence Boone, disse que "o crescimento global tem diminuído desde o ano passado, e vai chegar a apenas 3,2% este ano". Acrescentou que em 2020, uma modesta recuperação para 3,4% está prevista. Isso significa que o crescimento deve permanecer fraco em relação aos padrões históricos".

A OCDE diz ainda que novas barreiras comerciais entre os EUA e a União Europeia e uma desaceleração mais acentuada na China estão contribuindo para as perspectivas menos otimistas. Entretanto, a organização afirma que os Estados Unidos e a China devem apresentar crescimento sólido, apesar do atrito comercial. A economia americana deve crescer 2,8%, e a chinesa, 6,2% (NHK/ABr).

 
 

Mais artigos...

  1. Economia 22/05/2019
  2. Economia 21/05/2019
  3. Economia 18 a 20/05/2019
  4. Economia 17/05/2019
  5. Economia 16/05/2019
  6. Economia 15/05/2019
  7. Economia 14/05/2019
  8. Economia 11 a 13/05/2019
  9. Economia 10/05/2019
  10. Economia 09/05/2019
  11. Economia 08/05/2019
  12. Economia 07/05/2019
  13. Economia 04 a 06/05/2019
  14. Economia 03/05/2019
  15. Economia 01 e 02/05/2019
  16. Economia 30/04/2019
  17. Economia 27 a 29/04/2019
  18. Economia 26/04/2019
  19. Economia 25/04/2019
  20. Economia 24/04/2019
  21. Economia 23/04/2019
  22. Economia 19/04/2019
  23. Economia 18/04/2019
  24. Economia 17/04/2019
  25. Economia 16/04/2019
  26. Economia 13 a 15/04/2019
  27. Economia 12/04/2019
  28. Economia 11/04/2019
  29. Economia 10/04/2019
  30. Economia 09/04/2019
  31. Economia 06 a 08/04/2019
  32. Economia 05/04/2019
  33. Economia 04/04/2019
  34. Economia 03/04/2019
  35. Economia 02/04/2019
  36. Economia 30/03 a 01/04/2019
  37. Economia 29/03/2019
  38. Economia 28/03/2019
  39. Economia 27/03/2019
  40. Economia 26/03/2019
  41. Economia 23 a 25/03/2019
  42. Economia 22/03/2019
  43. Economia 21/03/2019
  44. Economia 20/03/2019
  45. Economia 19/03/2019
  46. Economia 16 a 18/03/2019
  47. Economia 15/03/2019
  48. Economia 14/03/2019
  49. Economia 13/03/2019
  50. Economia 12/03/2019
  51. Economia 09 a 11/03/2019
  52. Economia 08/03/2019
  53. Economia 07/03/2019
  54. Economia 02 a 06/03/2019
  55. Economia 01/03/2019
  56. Economia 28/02/2019
  57. Economia 27/02/2019
  58. Economia 26/02/2019
  59. Economia 23 a 25/02/2019
  60. Economia 22/02/2019a
  61. As principais mudanças comerciais no futebol brasileiro em 2019
  62. Economia 22/02/2019
  63. Economia 21/02/2019
  64. Economia 20/02/2019
  65. Economia 19/02/2019
  66. Economia 16 a 18/02/2019
  67. Economia 15/02/2019
  68. Economia 14/02/2019
  69. Economia 13/02/2019
  70. Economia 12/02/2019
  71. Economia 09 a 11/02/2019
  72. Economia 08/02/2019
  73. Economia 07/02/2019
  74. Economia 06/02/2019
  75. Economia 05/02/2019
  76. Economia 02 a 04/02/2019
  77. Economia 01/02/2019
  78. Economia 31/01/2019
  79. Economia 30/01/2019
  80. Economia 29/01/2019
  81. Economia 25 a 29/01/2019
  82. Economia 24/01/2019
  83. Economia 23/01/2019
  84. Economia 22/01/2019
  85. Economia 19 a 21/01/2019
  86. Economia 18/01/2019
  87. Economia 17/01/2019
  88. Economia 16/01/2019
  89. Economia 15/01/2019
  90. Economia 12 a 14/01/2019
  91. Economia 11/01/2019
  92. Economia 10/01/2019
  93. Economia 09/01/2019
  94. Economia 08/01/2019
  95. Economia 05 a 07/01/2019
  96. Economia 04/01/2019
  97. Economia 03/01/2019
  98. Economia 29/12/2018 a 02/01/2019
  99. Economia 28/12/2018
  100. Economia 27/12/2018

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171