ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Indefinição econômica faz confiança do consumidor recuar

Dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) revelam que o Indicador de Confiança do Consumidor fechou abril com 46,9 pontos — uma queda de 4,3% na comparação com os dados do início do ano.

Indefinicao temporario

Desemprego se soma à incerteza política e reforça freio à retomada econômica. Foto: Fernando Bizerra Jr/EFE

Na comparação anual, entretanto, a confiança se mantém em maior nível ante o mesmo período de 2018, quando o índice era de 42,0. Na avaliação do atual cenário econômico, a percepção dos entrevistados continua ruim ou muito ruim: a maioria (61%) enxerga o momento da economia de forma negativa.

Apenas 7% acham que a situação é boa ou muito boa — um número baixo, mas que representa uma melhora significativa quanto a abril do ano passado, quando o percentual era de 2%. As principais razões apontadas são desemprego elevado (67%), aumento dos preços (60%), alta na taxa de juros (33%) e menor poder de compra do consumidor (18%). Com relação à vida financeira, a percepção dos consumidores também é negativa, embora um pouco melhor do que a avaliação da economia.

Para 38% dos brasileiros sua situação é considerada ruim e somente 13% disseram ser boa. Para os que têm uma visão pessimista, o motivo mais citado (53%) é o alto custo de vida. O desemprego aparece em segundo lugar (42%), ao passo que 26% culpam a queda da renda familiar. Para o presidente da CNDL, José César da Costa, a lenta recuperação da economia segue impactando o bolso do consumidor e acaba refletindo o quadro de menor confiança. "Será preciso que o consumidor sinta alguma melhora no momento atual, com o aumento da oferta de vagas de emprego e o avanço da sua renda”, analisa.

A sondagem procurou saber o que os brasileiros esperam sobre o futuro da economia e de suas finanças: 26% estão otimistas com a economia para os próximos meses; já 43% se mantêm neutros, ou seja, não acham que as condições econômicas do país estarão melhores ou piores daqui seis meses. Enquanto 26% disseram estar pessimistas. Os números mostram clara divisão sobre o futuro da economia (AI/CNDL-SPC Brasil).

UE aprova proibição de produtos de plástico até 2021

UE temporario

Entre os produtos, além de canudinhos, estão pratos e talheres. Foto: Marcello Casal Jr/ABr

A União Europeia (UE) aprovou ontem (21) formalmente a proibição, até 2021, do uso de determinados produtos de plástico de utilização única, como varas de balões e cotonetes. De acordo com as novas regras aprovadas pelo Conselho da UE, entre os produtos estão também pratos e talheres. A lei europeia relativa aos plásticos de utilização única é baseada na legislação da UE sobre resíduos atualmente em vigor.

De acordo com comunicado do conselho, a legislação vai mais além, ao estabelecer normas mais rigorosas para os tipos de produtos e embalagens que se encontram entre os dez principais elementos poluentes encontrados nas praias europeias. As novas regras proíbem a utilização de certos produtos descartáveis de plástico, para os quais existem alternativas, e introduzem medidas específicas para reduzir a utilização dos produtos descartados mais frequentemente.

Os produtos de utilização única são feitos total ou parcialmente de matéria plástica e destinam-se, em geral, a serem utilizados uma única vez ou durante um curto período de tempo antes de serem inutilizados. Os Estados-membros da UE firmaram acertaram alcançar, até 2029, o objetivo de recolhimento de 90% de garrafas de plástico, e estas terão de conter, pelo menos, 25% de material reciclado até 2025 e 30% até 2030. A decisão do Conselho da UE é a última etapa do processo (RTP/ABr).

Confiança da indústria caiu em maio

Agência Brasil

O Índice de Confiança da Indústria recuou 1,6 ponto na prévia de maio em relação ao resultado de abril. Segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV), com a queda o indicador passou para 96,3 pontos em uma escala de zero a 200 pontos. A queda do índice foi puxada pela redução na confiança em relação ao momento atual e aos próximos meses.

O Índice da Situação Atual caiu 0,4 ponto para 98,1 pontos, enquanto o Índice de Expectativas recuou 2,9 pontos, indo para 94,5 pontos. O Nível de Utilização da Capacidade Instalada da Indústria subiu 0,2 ponto para 74,7%, na prévia de maio. O resultado consolidado do Índice de Confiança será divulgado no próximo dia 28, no Rio de Janeiro.

Abrir o próprio negócio é o sonho de muitos brasileiros

Uma pesquisa feita pelo Sebrae em 2018, mostra que abrir o próprio negócio é um dos principais sonhos de muitos brasileiros. Atualmente, 82% dos pequenos empresários afirmam que se tornar um Microempreendedor Individual (MEI) melhorou sua vida, enquanto que outros 67% dos entrevistados afirmaram que entrar na formalidade ajudou a enfrentar a crise econômica que o país enfrentou nos últimos anos.

Números do relatório da GEM (Global Entrepreneurship Monitor), revela que 38% do total de brasileiros em idade produtiva estão envolvidos com algum tipo de atividade em pequenos negócios, o que representa cerca de 52 milhões de pessoas. Pelo menos, quase 9 em cada 10 empresários concordam que a criação do MEI foi uma boa política governamental. A previsão é até o fim de 2019, o Brasil tenha mais de 8,6 milhões de microempreendedores individuais.

Formalizar-se pode ser uma alternativa interessante para quem já tem um negócio informal ou deseja ter o próprio negócio, passando a ter o CNPJ, ampliando o número de fornecedores e passando a emitir notas fiscais. Além disso, o MEI dispõe de maior facilidade na abertura de conta bancária como pessoa jurídica para ter acesso a crédito, máquinas de cartões, entre outros serviços. Outra conquista é que ele passa a contribuir para a aposentadoria por idade ou invalidez, auxílio doença, salário-maternidade, entre outros benefícios previdenciários (AI/Sebrae).

 
 

Mais artigos...

  1. Economia 21/05/2019
  2. Economia 18 a 20/05/2019
  3. Economia 17/05/2019
  4. Economia 16/05/2019
  5. Economia 15/05/2019
  6. Economia 14/05/2019
  7. Economia 11 a 13/05/2019
  8. Economia 10/05/2019
  9. Economia 09/05/2019
  10. Economia 08/05/2019
  11. Economia 07/05/2019
  12. Economia 04 a 06/05/2019
  13. Economia 03/05/2019
  14. Economia 01 e 02/05/2019
  15. Economia 30/04/2019
  16. Economia 27 a 29/04/2019
  17. Economia 26/04/2019
  18. Economia 25/04/2019
  19. Economia 24/04/2019
  20. Economia 23/04/2019
  21. Economia 19/04/2019
  22. Economia 18/04/2019
  23. Economia 17/04/2019
  24. Economia 16/04/2019
  25. Economia 13 a 15/04/2019
  26. Economia 12/04/2019
  27. Economia 11/04/2019
  28. Economia 10/04/2019
  29. Economia 09/04/2019
  30. Economia 06 a 08/04/2019
  31. Economia 05/04/2019
  32. Economia 04/04/2019
  33. Economia 03/04/2019
  34. Economia 02/04/2019
  35. Economia 30/03 a 01/04/2019
  36. Economia 29/03/2019
  37. Economia 28/03/2019
  38. Economia 27/03/2019
  39. Economia 26/03/2019
  40. Economia 23 a 25/03/2019
  41. Economia 22/03/2019
  42. Economia 21/03/2019
  43. Economia 20/03/2019
  44. Economia 19/03/2019
  45. Economia 16 a 18/03/2019
  46. Economia 15/03/2019
  47. Economia 14/03/2019
  48. Economia 13/03/2019
  49. Economia 12/03/2019
  50. Economia 09 a 11/03/2019
  51. Economia 08/03/2019
  52. Economia 07/03/2019
  53. Economia 02 a 06/03/2019
  54. Economia 01/03/2019
  55. Economia 28/02/2019
  56. Economia 27/02/2019
  57. Economia 26/02/2019
  58. Economia 23 a 25/02/2019
  59. Economia 22/02/2019a
  60. As principais mudanças comerciais no futebol brasileiro em 2019
  61. Economia 22/02/2019
  62. Economia 21/02/2019
  63. Economia 20/02/2019
  64. Economia 19/02/2019
  65. Economia 16 a 18/02/2019
  66. Economia 15/02/2019
  67. Economia 14/02/2019
  68. Economia 13/02/2019
  69. Economia 12/02/2019
  70. Economia 09 a 11/02/2019
  71. Economia 08/02/2019
  72. Economia 07/02/2019
  73. Economia 06/02/2019
  74. Economia 05/02/2019
  75. Economia 02 a 04/02/2019
  76. Economia 01/02/2019
  77. Economia 31/01/2019
  78. Economia 30/01/2019
  79. Economia 29/01/2019
  80. Economia 25 a 29/01/2019
  81. Economia 24/01/2019
  82. Economia 23/01/2019
  83. Economia 22/01/2019
  84. Economia 19 a 21/01/2019
  85. Economia 18/01/2019
  86. Economia 17/01/2019
  87. Economia 16/01/2019
  88. Economia 15/01/2019
  89. Economia 12 a 14/01/2019
  90. Economia 11/01/2019
  91. Economia 10/01/2019
  92. Economia 09/01/2019
  93. Economia 08/01/2019
  94. Economia 05 a 07/01/2019
  95. Economia 04/01/2019
  96. Economia 03/01/2019
  97. Economia 29/12/2018 a 02/01/2019
  98. Economia 28/12/2018
  99. Economia 27/12/2018
  100. Economia 22 a 26/12/2018

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171