ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Monitorar as mutações do vírus da gripe envolve esforço internacional

A ocorrência de mutações no vírus influenza, causador da gripe, é uma possibilidade permanente. Por essa razão, é imprevisível quando ocorrerá uma nova pandemia da doença

Checar 1 temspaorario

Anualmente, entre abril e junho, é realizada a Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe. Foto: Rovena Rosa/ABr

Leo Rodrigues/Agência Brasil

A última ocorreu há exatos 10 anos, quando o H1N1, um subtipo do vírus influenza A, se disseminou em escala mundial, provocando o que ficou conhecido na época como a crise da "gripe suína". Diante do risco de novas pandemias, o monitoramento é fundamental para identificar com eficácia e rapidez as variações virais que circulam nos países, sobretudo no inverno, quando a transmissão se intensifica.

Conforme explica a virologista Marilda Siqueira, pesquisadora da Fiocruz, por meio do sequenciamento genético é feito o acompanhamento da evolução do vírus. O compartilhamento desses dados científicos permite a adoção de respostas rápidas para combater a circulação do vírus, como captar os primeiros casos precocemente e disponibilizar um atendimento eficiente. Foi esse acompanhamento que possibilitou também o rápido desenvolvimento da vacina no caso do H1N1, ajudando as populações mundiais a criarem resistência ao vírus que se alastrou a partir de junho de 2009. O imunizante ficou disponível em setembro, três meses após o início das transmissões.

Uma nova pandemia não deve ocorrer com o H1N1. Atualmente, no Brasil, apesar de ainda ocorrerem óbitos, eles estão dentro de um padrão esperado. No país, é alta a probabilidade de se ter contato no inverno com dois subtipos do vírus influenza A contra os quais as populações estão mais resistentes. Um deles é exatamente o H1N1 e o outro é o H3N2. A questão é que o vírus influenza tem um genoma segmentado, característica que, segundo Marilda, facilita as mutações.

"Se você troca um ou mais segmentos gênicos inteiros, vira outra coisa. E podemos ter novo vírus para o qual não temos anticorpo e nem vacinas eficazes. Em alguns lugares da Ásia, as pessoas estão atualmente contraindo de animais o H7N9, e a taxa de letalidade está em torno de 70%. Não foi observado contágio de homem para homem, então não há transmissão sustentada. Mas é uma preocupação enorme e o mundo inteiro está de olho para entender o que está acontecendo com esse vírus", diz a virologista.

A partir do momento em que um vírus mutante se mostra transmissível de homem para homem, pode haver rápida disseminação entre uma população sem imunidade. Ao atingir grande número de indivíduos, torna-se uma epidemia enquanto estiver restrita a uma certa localidade. A pandemia se configura quando a epidemia se espalha por uma grande região geográfica, como um continente ou até mesmo o planeta.

 Monitorar 1 tempsoirario

Há quatro tipos de vírus influenza, sendo o A e o B os principais responsáveis pela gripe, o C e o D sem impacto relevante conhecido. Foto: Tomaz Silva/ABr

O acompanhamento internacional é feito por meio do Sistema Global de Vigilância e Resposta à Influenza da Organização Mundial da Saúde (OMS), que reúne diversas instituições. O Laboratório de Vírus Respiratório e do Sarampo da Fiocruz, chefiado por Marilda, é uma delas. O monitoramento também é importante para enfrentar as epidemias sazonais, que ocorrem sempre no inverno com mais ou menos intensidade conforme uma série de fatores. De acordo com Marilda, há quatro tipos de vírus influenza, sendo o A e o B os principais responsáveis pela gripe, o C e o D sem impacto relevante conhecido. O A é o que mais preocupa, por ser altamente mutável. O monitoramento das variações é uma das etapa da produção da vacina.

A produção da vacina da gripe sofre alterações constantemente. A OMS realiza reuniões em setembro para discutir o cenário do Hemisfério Sul do planeta e, em fevereiro, para o Hemisfério Norte. Nesses encontros, são analisados os resultados dos monitoramentos feitos pelas instituições que integram o sistema de vigilância. A próxima vacina deverá imunizar contra as principais variações virais que foram identificadas circulando no inverno que precede a reunião. "É sempre uma corrida contra o tempo, pois é curto o prazo para que a vacina esteja disponível antes do próximo inverno", diz Marilda.

No Brasil, o Instituto Butantan, órgão vinculado à Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, é o responsável por produzir as vacinas segundo as diretrizes fixadas na reunião da OMS. O Ministério da Saúde recomenda o imunizante para idosos, crianças até 5 anos, mulheres que deram à luz recentemente, pessoas com doenças crônicas, detentos, funcionários do sistema prisional, indígenas, trabalhadores da saúde e professores. A vacina é ofertada gratuitamente para estes grupos nos postos do SUS. A última campanha teve início em 10 de abril. Desde o dia 3 de junho, as doses remanescentes estão disponíveis para toda a população.

Segundo estudo dos centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, entre 151 mil e 575 mil pessoas morreram devido à infecção pelo vírus H1N1. Os primeiros casos ocorreram no México. A principal hipótese dos cientistas é de que o novo vírus surgiu a partir de um rearranjo do genoma de outros dois vírus que infectaram porcos de forma simultânea.

"Normalmente essa troca de segmento gênico ocorre em alguma outra espécie animal. É comum ocorrer em porcos, porque muitas vezes eles recebem o vírus de humanos e podem receber também influenza aviária. Há países como a China, o Vietnã e o Camboja, por exemplo, que são caldeirões de produção de novos vírus influenza porque têm grandes mercados onde há porcos e aves convivendo juntos e próximos aos humanos. São ambientes que favorecem uma possível troca de segmentos do genoma", explica Marilda.

As variações do vírus da gripe em circulação se propagam por secreções respiratórias que são liberadas em espirros e tosses. Para evitar a disseminação da doença, Marilda recomenda que pessoas com sintomas não frequentem lugares fechados. Ela também orienta medidas variadas como manter os ambientes arejados, abrir janelas de tempos em tempos e não levar as mãos à boca e ao nariz ao espirrar. É preferível dobrar o cotovelo, espirrar na articulação. Lavar as mãos também é muito importante.

"O vírus pode ficar presente e vivo nas superfícies, que pode ser um corrimão de uma escada, uma mesa, um braço de um sofá, uma maçaneta de porta. Ele permanece infeccioso por duas a quatro horas, dependendo das condições do ambiente. Imagine que você está em um shopping e ao descer uma escada rolante coloca a mão em uma parte do corrimão onde outra pessoa acabou de espirrar. E nós colocamos a mão no rosto constantemente. Então é preciso lavar as mãos com frequência".
A maior pandemia de gripe de que se tem notícia ocorreu em 1918 e ficou conhecida como "gripe espanhola". O número de vítimas foi muito superior ao ocorrido em 2009. Segundo a OMS, entre 20 e 40 milhões de mortes ocorreram em todo o mundo. A Europa foi o continente mais afetado. A virologista da Fiocruz acredita que dificilmente viveremos uma situação semelhante. "O risco não é totalmente descartado. Mas nessa magnitude é bem difícil. As condições socioeconômicas daquela época e também as condições médicas eram muito piores do que temos hoje em dia", avalia Marilda.

Segundo ela, uma dificuldade na época foi a inexistência de antibióticos, que só foram criados na década de 1930. "Na pandemia, uma boa parcela das mortes não ocorre de pneumonia viral, mas de uma pneumonia bacteriana secundária que se aproveita da fragilidade do organismo. E, naquela época, não havia antibióticos para combater essas bactérias. Além disso, a Europa enfrentou essa situação saindo da Primeira Guerra Mundial com a produção de alimentos afetada, os serviços de saúde fragilizados", diz.

 Governo-do-Amazonas-pede-ante tempsoirario

Foto: Amazônia Brasil Rádio Web

A mutação que levou à "gripe espanhola" não surgiu na Espanha e sim nos Estados Unidos. A gripe se espalhou por soldados norte-americanos infectados que foram combater na Primeira Guerra Mundial. "Como os países estavam em combate, não se percebeu que muitas mortes estavam ocorrendo em decorrência de outra coisa. Foi só quando esse vírus chegou na Espanha, que não participou da guerra, que ficou claro que algo estranho estava ocorrendo. Ao notar um número incomum de mortes por doença respiratória, os espanhóis deram o alerta".

Mais artigos...

  1. Checar os dados é premissa para proteger os cidadãos
  2. Instituto do Patrimônio quer forró como patrimônio imaterial
  3. Livro retrata o teatro de resistência de Sami Feder
  4. No Brasil, apenas 85 municípios cumprem requisitos de saneamento básico
  5. Mulheres aumentam escolaridade em relação aos homens, mostra pesquisa
  6. Transpondo a Cortina de Ferro: relatos de viagens de brasileiros à URSS
  7. Falta de gestão prejudica oferta de creches
  8. Militarização de colégio público divide opiniões
  9. Extrato de jabuticaba pode prevenir doenças
  10. 1ª Previdência permitia aposentadoria aos 50 anos
  11. Projetos buscam maior rigor para o trânsito
  12. Estudo aponta fragilidade da Previdência nos estados
  13. Senadores querem política para doenças raras
  14. Livro traz críticas ao negacionismo do Genocídio Armênio
  15. Pesquisa inédita sobre refugiados no país revela boa formação escolar
  16. Senado debate aumento de rigor contra cigarro
  17. Maioria dos consumidores não sabe o quanto paga de imposto embutido nas compras
  18. Casal conta como rotina de vida mudou com adoção de irmãos
  19. A extrema direita pode chegar ao poder na União Europeia?
  20. 83 milhões de brasileiros possuem ao menos uma compra parcelada
  21. Clientes de baixa renda são os que mais reestruturam dívidas do cartão
  22. Sofrimento psíquico afeta mulheres motoristas de ônibus
  23. Magistério é o curso mais procurado pelo segmento pobre da população
  24. Conselho Federal de Medicina vê irregularidades em hospitais públicos
  25. 'Pet-terapia': Como animais e tecnologia combatem doença
  26. Há 131 anos, senadores aprovavam o fim da escravidão no Brasil
  27. Primeira senadora foi recebida com flor e poesia
  28. Governo prevê novas concessões com investimentos de R$ 1,6 trilhão
  29. Prisão domiciliar foi negado para 89,1% das mães e gestantes em SP
  30. Extinção de espécies aumenta em escala sem precedentes, alerta relatório
  31. Brasil, país do improviso e da imprevidência
  32. Pesquisa aponta que 77% dos brasileiros têm o hábito de se automedicar
  33. Um ano após desabamento, déficit habitacional ainda é realidade
  34. Sobe o número de pessoas que cuidam de parentes em 2018
  35. Crise e novo comportamento reduzem interesse dos jovens em dirigir
  36. Tese analisa a conexão entre literatos negros abolicionistas
  37. Reforma da Previdência vai gerar economia de R$ 1,236 trilhão em 10 anos, diz governo
  38. Como melhorar o ensino médio do Brasil e combater a evasão escolar?
  39. Autoexame da mama não substitui exame clínico, diz Ministério da Saúde
  40. Setor de saúde quer mais prazo para implantar Lei de Proteção de Dados
  41. Livro explora os antagonismos do maior militar do século 20
  42. Microchip tem “mil e uma utilidades” na saúde e produção de energia
  43. Recessão, má gestão e comércio eletrônico afetam a venda de livros
  44. Respeito ao limite de cargas pode aumentar em até seis meses vida útil de rodovia
  45. Dança e Direitos Humanos
  46. Cadastro Positivo: o que muda para o consumidor?
  47. Em 100 dias, Bolsonaro volta atenções para política externa
  48. Casas sustentáveis são a tendência do futuro
  49. Há 100 anos, Epitacio se elegeu presidente sem estar no Brasil
  50. Cartografia é saída para indenizar pesca informal no Rio Doce
  51. Propostas buscam amenizar efeitos do clima
  52. Pesquisa indica peixes que podem ser consumidos por brasileiros
  53. Pesca fantasma ameaça quase 70 mil animais marinhos por dia no Brasil
  54. Pesquisador desenvolve roupas inteligentes inspiradas em livros de ficção científica
  55. Brasil não sabe quem são os moradores de rua
  56. Roteiro leva turistas pelos passos de Leonardo da Vinci
  57. Orixá Exu tem sua imagem desmistificada como ser do mal e assustador
  58. Aprendizagem profissional ainda é subutilizada no Brasil
  59. Forçados ao batismo, descendentes de muçulmanos lutaram para preservar cultura
  60. País mantém desde 2011 diferença de aprendizagem entre ricos e pobres
  61. Confiança do Consumidor registra 49 pontos em fevereiro, apontam CNDL/SPC Brasil
  62. Falta saneamento básico para 2 bilhões de pessoas no mundo, diz ONU
  63. Estudo vai analisar alimentação e nutrição de crianças no Brasil
  64. Campos do Jordão: epidemia de tuberculose deu origem à cidade sanatório que hoje é destino turístico
  65. Mandante é questão para 2ª fase do caso Marielle, dizem autoridades
  66. Poluição de Manaus altera funcionamento do ecossistema amazônico
  67. Bexiga, história viva das origens da cidade de São Paulo
  68. Ação do Senado a favor das mulheres vai além das leis
  69. Mulher ganha em média 79,5% do salário do homem, diz IBGE
  70. 8 de março Dia Internacional da Mulher
  71. “É importante que as pessoas não esqueçam o que aconteceu”
  72. Morte do Barão do Rio Branco fez Brasil ter dois carnavais em 1912
  73. Mangueira conta história do Brasil pela ótica dos heróis populares
  74. Rio Paraopeba tem nível de metais 600 vezes maior que o permitido
  75. Beija-Flor vai recriar seus 70 anos com fábulas na avenida
  76. Mudança climática em curso pode alterar interação ecológica entre espécies
  77. Cientistas e cartunistas se unem para divulgar ciência em quadrinhos
  78. Procuradora diz que jovens atletas são tratados como "commodities"
  79. “Navios Iluminados”, fugidios cenários de ilusão
  80. Governo determina medidas de precaução para barragens em todo o país
  81. Agricultores familiares debatem importância da semente crioula
  82. Investigações sobre caso Marielle completam 11 meses sem conclusão
  83. Pesquisa: 5,6 milhões de brasileiras não vão ao ginecologista
  84. Especialistas associam reforma da Previdência a equilíbrio fiscal
  85. Trabalho escravo tem relação com informalidade e desemprego
  86. Amor ao carnaval e determinação impulsionam escolas mirins no Rio
  87. ESPM inaugura campus para educação executiva no Itaim Bibi
  88. Cães de centros urbanos também estão suscetíveis à leptospirose
  89. Em 4 anos, todos os terminais do país estarão sob controle da iniciativa privada
  90. Confira as maiores tragédias ambientais no Brasil e no mundo
  91. Busca por doenças raras
  92. Na saúde, governo deve enfrentar desafio de financiar o SUS
  93. Nova proposta de Previdência faz executivos repensarem aposentadoria
  94. Como o “Trem das Onze” impactou expansão metropolitana de São Paulo
  95. Especialistas veem com cautela limite de mensagens no WhatsApp
  96. Descoberta molécula que pode aperfeiçoar tratamento da insuficiência cardíaca
  97. Relação entre cintura e estatura pode indicar risco cardiovascular
  98. Relatório da Human Rights Watch diz que Brasil bateu recorde de mortes violentas em 2017
  99. Lesão no treino físico não leva a aumento de massa muscular
  100. Estagnada em 2018, pecuária de leite deve crescer este ano

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171